Profissionais: 5632
Prontuários: 218668

Esqueceu a senha? Cadastro da senha

Portal Saude Direta - Busca Palavra

BUSCA POR PALAVRA

POSTAGENS ANTERIORES

TAGS CLOUD

Protocolos - Algoritmos - Diretrizes - Fluxogramas

Baixar o Adobe Acrobat Reader
Para visualizar os conteúdos abaixo é necessário ter o Adobe Acrobat Reader instalado.

Advertência: Estes artigos e resumos são protegidos pela Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610/98), sendo vedada a sua transcrição sem citação da fonte e a sua reprodução com finalidades comerciais sem autorização dos autores.

Primeiros Socorros - Trauma de Tórax - Cap 15

Manual do Atendimento Pré-Hospitalar – SIATE /CBPR
Coordenadoria Estadual de Defesa Civil - Governo do Estado do Paraná.
Número: 2008 / Publicado em 20/03/2012 - 19:22

O traumatismo torácico nos dias atuais assume grande importância devido, em parte, à sua incidência e, por outro lado, pelo aumento da gravidade e da mortalidade das lesões. Isto se deve pelo aumento do número, poder energético e variedade dos mecanismos lesivos, como por exemplo, a maior velocidade dos automóveis, a violência urbana, e dentro desta, o maior poder lesivo dos armamentos, além de outros fatores. As lesões de tórax são divididas naquelas que implicam em risco imediato à vida e que, portanto, devem ser pesquisadas no exame primário e naquelas que implicam em risco potencial à vida e que, portanto, são observadas durante o exame secundário.

Abrir arquivo em PDF

Primeiros Socorros - Trauma de Abdome - Cap 16

Manual do Atendimento Pré-Hospitalar – SIATE /CBPR
Coordenadoria Estadual de Defesa Civil - Governo do Estado do Paraná.
Número: 2007 / Publicado em 20/03/2012 - 19:23

A gravidade dos traumatismos abdominais baseia-se especialmente na possível existência de uma lesão visceral, capaz de produzir alterações gerais graves como são as peritonites ou as hemorragias. Em casos de objetos que penetrem no abdômen, como pedaços de ferro, madeira ou outros, nunca retirá-los. Corte-os, se necessário, e proteja-os para que não se movam durante o transporte. Esses corpos estranhos só podem ser retirados em centro cirúrgico, onde haja condições de controlar o sangramento.

Abrir arquivo em PDF

Feridas Agudas

Manuel Rodrigues Simão
Ministério da Saúde - República de Moçambique - Número 2 Dezembro de 2000
Número: 2006 / Publicado em 20/03/2012 - 19:05

Ao tratar as feridas nos Serviços de Urgência, o técnico de saúde deve considerar o tempo, o agente traumático e a sua localização, uma vez que todos estes aspectos contribuem para o potencial infeccioso das feridas. Na maioria dos traumatismos dos tecidos moles, a força aplicada por objectos cortantes (vidros, metais ou facas) resultam em feridas incisas, com uma considerável resistência à infecção. Os traumatismos causados por objectos pouco ou não cortantes (forças de compressão ou tensão, como a colisão de dois corpos) resultam em feridas contusas, arrancamentos ou esfacelos, as quais são mil vezes mais susceptíveis à infecção.

Abrir arquivo em PDF

Manifestações Clínicas do Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES) : Abordagem Diagnóstica e Terapêutica na Sala de Urgência

Magalhães MB; Donadi EA e Louzada Jr P
Medicina, Ribeirão Preto, 36: 409-417, abr./dez. 2003
Número: 2005 / Publicado em 20/03/2012 - 18:55

O Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES) é uma doença auto-imune, que cursa com variado conjunto de manifestações clínicas. Entre estas, algumas podem levar o paciente a procurar um serviço de urgência. É importante que o clínico geral saiba realizar a abordagem inicial do tipo de paciente, principalmente nos casos em que manifestações graves do LES constituem ameaça imediata à vida do doente. O objetivo desta revisão é discutir o diagnóstico clínico e laboratorial das manifestações dessa patologia,que exigem conduta de urgência.

Abrir arquivo em PDF

Consenso de Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES)

Sociedade Brasileira de Reumatologia
Temas de Reumatologia Clínica - Vol. 10 - Nº 1 - Março de 2009
Número: 2004 / Publicado em 20/03/2012 - 18:51

O lúpus eritematoso sistêmico (LES) é uma doença inflamatória crônica, multissistêmica, de causa desconhecida e de natureza autoimune, caracterizada pela presença de diversos autoanticorpos. Evolui com manifestações clínicas polimórficas, com períodos de exacerbações e remissões. De etiologia não totalmente esclarecida, o desenvolvimento da doença está ligado a predisposição genética e fatores ambientais, como luz ultravioleta e alguns medicamentos.

Abrir arquivo em PDF

Guia Leptospirose: Diagnóstico e Manejo Clínico

Secretaria de Vigilância Sanitária
Ministério da Saúde 2009
Número: 2002 / Publicado em 20/03/2012 - 18:41

A leptospirose é uma zoonose de ocorrência mundial, causada por bactérias do gênero Leptospira. Trata-se de uma doença infecto-contagiosa que acomete o ser humano, animais domésticos e silvestres, amplamente disseminada, assumindo considerável impor tância como problema econômico e de saúde pública. A doença é de notificação obrigatória.

Abrir arquivo em PDF

Infecção pelo Rotavírus

Sociedade Brasileira de Imunizações
Informe Rotavirus Ano I N. 4 Setembro 2006
Número: 2001 / Publicado em 20/03/2012 - 15:14

A infecção pelo rotavírus é a causa mais comum de diarréia grave e de desidratação. Em todo o mundo, o vírus é responsável por cerca de 600 mil mortes anuais - mais de 80% registradas em países subdesenvolvidos e em desenvolvimento, o que se deve, sobretudo, ao acesso limitado da população ao atendimento médico e às terapias de re-hidratação. Apesar de todas as faixas etárias serem susceptíveis à infecção, são ocasionais os registros entre adultos. A grande maioria dos casos ocorre antes dos cinco anos de vida. Segundo a Organização Mundial da Saúde, o rotavírus é causa de um terço das mortes por diarréia em crianças menores de cinco anos. Responde, ainda, por cerca de 70% das internações e por 20% a 30% dos óbitos por diarréia.

Abrir arquivo em PDF

Escolar Deficiente Visual

Keila Monteiro de Carvalho
http://www.cbo.com.br/cbo/sociedades/subnormal/artigos/cmtrato4.htm
Número: 2000 / Publicado em 20/03/2012 - 09:46

O conceito atual em relação à conduta frente ao paciente com deficiência visual é que paralelamente ao tratamento médico, seja clínico ou cirúrgico, se realizem as condutas óptica, reabilitacional e educacional. O objetivo do atendimento do escolar deficiente visual é abordá-lo de modo global com avaliação de suas necessidades ópticas e educacionais e indicação das condutas a serem adotadas em cada caso.

Abrir arquivo em PDF

Avaliação das Funções Visuais

Keila Monteiro de Carvalho
http://www.cbo.com.br/cbo/sociedades/subnormal/artigos/cmtrat05.htm
Número: 1999 / Publicado em 20/03/2012 - 09:43

O conceito atual em relação à conduta frente ao paciente com visão subnormal (VSN) é que paralelamente ao tratamento médico - clínico ou cirúrgico, se realizem as condutas óptica e reabilitacional. O paciente com visão subnormal é aquele para o qual os óculos convencionais ou as lentes de contacto não corrigem totalmente a visão. Trata-se de uma condição intermediária entre a visão normal e a cegueira com vários graus de dificuldades até o grau mais acentuado de deficiência visual.

Abrir arquivo em PDF

Doença de Stargardt

Luciene Chaves Fernandes
http://www.cbo.com.br/cbo/sociedades/subnormal/artigos/cmtrat06.htm
Número: 1998 / Publicado em 20/03/2012 - 09:38

A doença de Stargardt é uma distrofia retiniana que se caracteriza por uma atrofia macular associada ou não a lesões branco-amareladas, arredondadas ou em forma de rabo de peixe, perimaculares ou periféricas.

Abrir arquivo em PDF

Footer - v1.3
Atualizado em
04/02/2016
Saude-Direta-Facebook Saude-Direta-LinkedIN Saude-Direta-Twitter