Profissionais: 5753
Prontuários: 232069

Esqueceu a senha? Cadastro da senha

Portal Saude Direta - Busca Palavra

BUSCA POR PALAVRA

POSTAGENS ANTERIORES

TAGS CLOUD

Protocolos - Algoritmos - Diretrizes - Fluxogramas

Baixar o Adobe Acrobat Reader
Para visualizar os conteúdos abaixo é necessário ter o Adobe Acrobat Reader instalado.

Advertência: Estes artigos e resumos são protegidos pela Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610/98), sendo vedada a sua transcrição sem citação da fonte e a sua reprodução com finalidades comerciais sem autorização dos autores.

Tratamento Farmacológico do Transtorno Bipolar na Infância e Adolescência (THB).

Luis Augusto Rohde, Silzá Tramontina.
Rev. Psiq. Clín. 32, supl 1; 117-127, 2005.
Número: 1516 / Publicado em 18/03/2012 - 17:49

A maioria dos estudos sobre transtorno de humor bipolar (THB) em crianças e adolescentes foi realizada nos Estados Unidos e Canadá. Poucos estudos epidemiológicos têm examinado a prevalência e/ou a incidência do THB em crianças e adolescentes. Há controvérsias em torno dos sintomas apresentados por crianças e adolescentes e o correto diagnóstico do THB nesta faixa etária.

Abrir arquivo em PDF

Orientações sobre Urologia Pediátrica.

S. Tekgül, H. Riedmiller, E. Gerharz, P. Hoebeke, R. Kocvara, J.M. Nijman, Chr. Radmayr, R. Stein.
www.uroweb.org
Número: 1515 / Publicado em 18/03/2012 - 17:48

A informação fornecida apresenta uma selecção das orientações mais abrangentes sobre Urologia Pediátrica. O âmbito destas orientações não tem como intenção incluir todos os diferentes tópicos, mas antes oferecer uma selecção baseada em considerações práticas.

Abrir arquivo em PDF

Sistematização do Atendimento dos Portadores de Infecção Perianal pelo Papilomavirus Humano (HPV).

Sidney Roberto Nadal e Cols.
Rev bras Coloproct, 2004;24(4):322-328.
Número: 1514 / Publicado em 18/03/2012 - 17:39

O condiloma acuminado anogenital foi a doença sexualmente transmissível mais diagnosticada no Brasil durante o período de 1998 a 2001. Sua incidência vem aumentando nos últimos anos, associada ao AIDS. O diagnóstico na maioria das vezes é clínico e o diagnóstico de certeza é dado pela presença do vírus nos tecidos. Muitos doentes são resistentes ao tratamento e apresentam elevada incidência de recidivas.

Abrir arquivo em PDF

Tratamento Farmacológico do Transtorno de Ansiedade Generalizada: Perspectivas Futuras.

Roberto Andreatini, Roseli Boerngen-Lacerda e Dirceu Zorzetto Filho
Rev Bras Psiquiatr 2001;23(4):233-42
Número: 1513 / Publicado em 21/06/2012 - 09:38

O presente artigo apresenta uma visão atualizada e ampla do tratamento farmacológico do transtorno de ansiedade generalizada (TAG). São revistos os medicamentos com eficácia comprovada em estudos controlados e atualmente disponíveis na clínica (benzodiazepínicos, buspirona, antidepressivos, betabloqueadores, antipsicóticos e extrato de kava-kava). A seguir, baseados nesses dados, propõe-se um algoritmo de tratamento do TAG. São apresentadas as principais linhas de pesquisa de novos fármacos ansiolíticos, descrevendo os principais achados clínicos e pré-clínicos.

Abrir arquivo em PDF

Protocolos de Atendimento de Urgências e Emergências - Parte II (páginas 144-286).

Comissão Especial de Revisão e Disposição dos Protocolos Clínicos da SES-DF.
Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal - SES-DF 2006.
Número: 1512 / Publicado em 18/03/2012 - 17:43

Com esta publicação, queremos oferecer aos profissionais de saúde da SES-DF uma preciosa ferramenta de trabalho, cuja utilização resultará em melhoria na qualidade da assistência prestada aos nossos usuários, aumentando o número de pacientes internados com diagnóstico, diminuindo o tempo de permanência do paciente internado e racionalizando o emprego dos recursos disponíveis.

Abrir arquivo em PDF

Protocolos de Atendimento de Urgências e Emergências - Parte I (páginas 001-143).

Comissão Especial de Revisão e Disposição dos Protocolos Clínicos da SES-DF.
Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal - SES-DF 2006.
Número: 1511 / Publicado em 18/03/2012 - 17:42

Em razão do impacto causado pelo crescente número de acidentes, da violência urbana e da atual prática de assistência aos usuários da SES-DF, deu-se relevância à área de Urgência e Emergência onde o raciocínio rápido e a tomada de decisão acertada e imediata fazem a diferença na qualidade do atendimento e nos seus resultados. Procurou-se abordar os temas mais freqüentes e de forma objetiva para facilitar consultas rápidas e esclarecedoras.

Abrir arquivo em PDF

Diagnóstico de Tuberculose Extrapulmonar em Adultos e Crianças.

WHO
http://whqlibdoc.who.int/hq/2004/WHO_HTM_TB_2004.329_por_chap5.pdf
Número: 1510 / Publicado em 21/06/2012 - 09:41

A tuberculose extrapulmonar pode ocorrer em qualquer idade. Crianças pequenas e adultos HIV-positivos são particularmente susceptíveis. Os casos de tuberculose extrapulmonar (TBE) representam até 25% dos casos de TB. Crianças com menos de 2 anos de idade têm o risco de disseminação da doença causando TB miliar ou meningite TB. As formas mais comuns de TBE associada ao HIV são as seguintes: linfadenopatia, derrame pleural, doença pericárdica, miliar e meningite. Muitos doentes com tuberculose extrapulmonar têm TB pulmonar coexistente.

Abrir arquivo em PDF

A Criança com Febre no Consultório.

Jayme Murahovschi.
Jornal de Pediatria - Vol.79, Supl.1, 2003
Número: 1509 / Publicado em 21/06/2012 - 09:42

A criança com febre exige do pediatra conhecimentos técnicos que se aplicam a todos os casos, e empatia, para individualizar a conduta.

Abrir arquivo em PDF

Fatores Nutricionais Relacionados à Enxaqueca.

Iglesias et al.
Com. Ciências Saúde. 2009;20(3):229-240
Número: 1508 / Publicado em 21/06/2012 - 09:44

Alguns nutrientes e certos alimentos têm sido apontados como fatores desencadeantes da crise de dor de cabeça em pessoas com predisposição à enxaqueca. Contudo, para se estabelecer uma estratégia nutricional individualizada no tratamento da enxaqueca, é importante a identificação dos fatores desencadeantes e do padrão de evolução das crises. São necessários mais estudos para uma melhor compreensão do papel dos fatores nutricionais relacionados à enxaqueca.

Abrir arquivo em PDF

Enxaqueca: Mal Antigo com Roupagem Nova.

Lenita Wannmacher e Maria Beatriz Cardoso Ferreira.
Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde - Brasil, 2004.
Número: 1507 / Publicado em 21/06/2012 - 09:45

O manejo de enxaqueca engloba medidas não-medicamentosas e medicamentosas, destinadas a tratamento agudo de crises e profilaxia de novos episódios. Algumas dessas estratégias não têm evidências para sustentá-las, principalmente em crianças. O aspecto mais bem estudado é o tratamento de crises de diferentes intensidades. Contemporaneamente, opta-se pelo uso de analgésicos simples e antiinflamatórios não-esteróides, isoladamente ou em associação com cafeína, coadjuvados por metoclopramida, em pacientes com enxaqueca de intensidade leve a moderada e náuseas. Triptanos e derivados ergóticos são destinados ao controle de crises intensas, em pacientes sem contra-indicações a eles. Os triptanos apresentam diferenças de eficácia marginais. Os medicamentos usados em profilaxia têm eficácia moderada e propiciam o surgimento de efeitos adversos.

Abrir arquivo em PDF

Footer - v1.3
Atualizado em
04/02/2016
Saude-Direta-Facebook Saude-Direta-LinkedIN Saude-Direta-Twitter