Profissionais: 5875
Prontuários: 245118

Esqueceu a senha? Cadastro da senha

Portal Saude Direta - Busca Palavra

BUSCA POR PALAVRA

POSTAGENS ANTERIORES

TAGS CLOUD

Protocolos - Algoritmos - Diretrizes - Fluxogramas

Baixar o Adobe Acrobat Reader
Para visualizar os conteúdos abaixo é necessário ter o Adobe Acrobat Reader instalado.

Advertência: Estes artigos e resumos são protegidos pela Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610/98), sendo vedada a sua transcrição sem citação da fonte e a sua reprodução com finalidades comerciais sem autorização dos autores.

Uveítes Posteriores Não-Infecciosas.

Ministério da Saúde e Secretarias de Saúde.
Portaria SAS/MS Nº 498 de 23 de Dezembro de 2009.
Número: 949 / Publicado em 19/06/2012 - 17:17

Uveíte corresponde à inflamação da úvea, camada vascular média dos olhos e pode ser dividida em anterior (íris), intermediária (corpo ciliar e vítreo) e posterior (vítreo, retina, coróide e esclera). Uveítes com acometimento de mais de uma porção uveal são chamadas de difusas, apresentando geralmente acometimento bilateral. As doenças oculares inflamatórias são causa importante de cegueira (acuidade visual com melhor correção menor que 20/400 ou 0,05) e baixa visão (acuidade visual com melhor correção entre 20/70 ou 0,3 e 20/200 ou 0,1) no mundo todo. A incidência anual de uveíte varia, de acordo com o país, entre 17 e 52 casos por 100.000 habitantes, com uma prevalência de 38 a 714 casos por 100.000 habitantes. As uveítes são responsáveis por cerca de 10% dos casos de deficiência visual no mundo ocidental, e aproximadamente 35% dos pacientes com uveíte referem baixa visão ou cegueira.

Abrir arquivo em PDF

Manual de Publicidade de Assuntos Médicos.

Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro.
CREMERJ. - 6ª ed. rev. ampl. - Rio de Janeiro, 2007.
Número: 947 / Publicado em 19/06/2012 - 17:22

Este Manual visa esclarecer os ilícitos éticos contidos no penúltimo capítulo do C.E.M. Assim, os conceitos aqui inseridos emanam dos Conselhos de Ética Médica, Federal e Regionais, regulamentando a publicidade médica.

Abrir arquivo em PDF

Sepse Grave na Unidade de Pronto Atendimento - Emergência (Protocolo nº 2).

Hospital Pilar - 08/2009
ABRAMEDE - Associação Brasileira de Medicina de Emergência.
Número: 942 / Publicado em 19/06/2012 - 16:46

Folha para atendimento e preenchimento em emergencia.

Abrir arquivo em PDF

Erros de Medicação - Definições e Estratégias de Prevenção.

Aline Santa Cruz Belela, Maria Angélica S. Peterlini, Mavilde L. G. Pedreira
Membros da Rede Brasileira de Enfermagem e Segurança do Paciente. REBRAENSP – Polo São Paulo - 2011
Número: 940 / Publicado em 19/06/2012 - 16:54

Manual originado da Dissertação de Mestrado “Erros de Medicação Notificados em uma Unidade de Cuidados Intensivos Pediátricos para Atendimento de Pacientes Oncológicos”, apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da UNIFESP, em 2008.

Abrir arquivo em PDF

Pneumonia Adquirida na Comunidade.

Protocolo de Atendimento Médico - Emergências Clínicas.
Hospital da Clínicas - Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.
Número: 939 / Publicado em 19/06/2012 - 16:58

Algoritmo de atendimento médico.

Abrir arquivo em PDF

Sinusite Bacteriana Aguda - Protocolo da Academia Americana de Pediatria.

Ellen Wald
IV Manual de Otorrinolaringologia Pediátrica da IAPO.
Número: 937 / Publicado em 19/06/2012 - 17:03

A Academia Americana de Pediatria estabeleceu uma diretriz para o diagnóstico e tratamento da Sinusite Bacteriana Aguda (SBA). O objetivo é encorajar o diagnóstico preciso da SBA, o uso adequado de procedimentos de imagem e o uso criterioso de antibióticos.

Abrir arquivo em PDF

Leishmaniose Visceral Grave - Normas e Condutas.

Coordenação Geral de Vigilância Epidemiológica - Departamento de Vigilância Epidemiológica.
Secretaria de Vigilância em Saúde - Ministério da Saúde - Brasília- DF Junho de 2005.
Número: 936 / Publicado em 19/06/2012 - 17:05

Nas duas últimas décadas a Leishmaniose Visceral (LV) reapareceu no mundo de forma preocupante. No Brasil, epidemias urbanas foram observadas em várias cidades e a doença tem sido verificada como infecção oportunista em pacientes com aids, à semelhança do que se observa no sul da Europa. Além disso, a expansão da epidemia acometendo grupos de indivíduos jovens ou com co-morbidades tem ocasionado número elevado de óbitos. Observa-se que nos últimos anos a letalidade da LV vem aumentando gradativamente, passando de 3,6% no ano de 1994 para 6,7% em 2003, o que representa um incremento de 85%. A análise parcial dos dados em novembro de 2004, demonstrou aumento de 26% na letalidade desta doença.

Abrir arquivo em PDF

Higienização das Mãos em Serviços de Saúde.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA
Ministério da Saúde - Brasil - 2007
Número: 935 / Publicado em 19/06/2012 - 17:06

Estudos sobre o tema avaliam que a adesão dos profissionais à prática da higienização das mãos de forma constante e na rotina diária ainda é insuficiente. Dessa forma, é necessária uma especial atenção de gestores públicos, administradores dos serviços de saúde e educadores para o incentivo e a sensibilização profissional de saúde à questão. Todos devem estar conscientes da importância da higienização das mãos na assistência à saúde para a segurança e qualidade da atenção prestada.

Abrir arquivo em PDF

Protocolos de Preparo e Administração de Medicamentos - Pulsoterapia e Hospital Dia.

Gerência de Riscos Hospitalares - Comissão de Farmácia e Terapêutica - 2008.
Hospital Universitário Walter Cantídio - Universidade Federal do Ceará.
Número: 934 / Publicado em 19/06/2012 - 17:08

Protocolos de condutas e procedimentos para administração de medicamentos.

Abrir arquivo em PDF

Protocolo Clínico: Síndromes Pericárdicas Agudas na Emergência.

Tatane Lima Aguiar.
COOPERCLIM
Número: 933 / Publicado em 19/06/2012 - 17:11

O pericárdio pode ser afetado por um vasto espectro de doenças sistêmicas que têm como manifestação clínica a pericardite aguda ou crônica, com ou sem derrame pericárdico. Felizmente, porém, 80 a 90% das pericardites agudas têm origem primária (etilogia viral ou idiopática), apresentam um curso benigno e autolimitado, com resolução espontânea em cerca de duas semanas e baixo indíce de complicações graves, como pericardite constrictiva e tamponamento cardíaco.

Abrir arquivo em PDF

Footer - v1.3
Atualizado em
04/02/2016
Saude-Direta-Facebook Saude-Direta-LinkedIN Saude-Direta-Twitter