Profissionais: 5632
Prontuários: 218668

Esqueceu a senha? Cadastro da senha

Portal Saude Direta - Busca Palavra

BUSCA POR PALAVRA

POSTAGENS ANTERIORES

TAGS CLOUD

Protocolos - Algoritmos - Diretrizes - Fluxogramas

Baixar o Adobe Acrobat Reader
Para visualizar os conteúdos abaixo é necessário ter o Adobe Acrobat Reader instalado.

Advertência: Estes artigos e resumos são protegidos pela Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610/98), sendo vedada a sua transcrição sem citação da fonte e a sua reprodução com finalidades comerciais sem autorização dos autores.

Terapia de Reposição Hormonal na Menopausa: Evidências Atuais.

Lenita Wannmacher, Jaqueline Neves Lubianca.
Organização Pan-Americana da Saúde/ Organização Mundial da Saúde - Brasil, 2004.
Número: 573 / Publicado em 18/06/2012 - 10:42

Segundo as evidências atuais, a terapia de reposição hormonal deve ser indicada por curto prazo para controle de manifestações vasomotoras e urogenitais. Terapia de reposição estrogênica fica reservada para mulheres histerectomizadas, enquanto a associação de estrógenos e progestógenos é obrigatória em mulheres com útero in situ. A partir da publicação de ensaios clínicos randomizados de grande porte, caíram por terra as supostas vantagens da terapia de manutenção na prevenção de doença cardiovascular, osteoporose e demência. Ao contrário, estudos surgidos a partir de 2000 apontaram a discreta eficácia ou ineficácia dos hormônios naquelas condições, bem como advertiram para efeitos adversos graves, como câncer de mama, câncer de endométrio (só estrogenoterapia), câncer de ovário, risco de doença coronariana, acidente vascular encefálico, trombose venosa profunda, demência e doença de Alzheimer.

Abrir arquivo em PDF

Uso Indiscriminado de Antibióticos e Resistência Microbiana: Uma Guerra Perdida?

Lenita Wannmacher.
Organização Pan-Americana da Saúde/ Organização Mundial da Saúde - Brasil, 2006.
Número: 571 / Publicado em 18/06/2012 - 10:43

Mais de 50% das prescrições de antibióticos se mostram inapropriadas. 2/3 dos antibióticos são usados sem prescrição médica em muitos países. 50% dos consumidores compram o medicamento para 1 dia, 90% compram-no para período igual ou inferior a 3 dias. Mais de 50% do orçamento com medicmaentos são destinados aos antimicrobianos.

Abrir arquivo em PDF

Vitamina C: Seis Problemas em Busca de uma Solução.

Lenita Wannmacher
Organização Pan-Americana da Saúde/ Organização Mundial da Saúde - Brasil, 2006.
Número: 570 / Publicado em 18/06/2012 - 10:44

A associação entre vitamina C e múltiplos processos patogênicos, com ênfase em estresse oxidativo, motivaram especulações sobre o valor da suplementação vitamínica para correção de algumas condições clínicas ligadas àqueles processos. As evidências contemporâneas apontam para benefício em poucas indicações – escorbuto e degeneração macular relacionada à idade –, predominando a falta de eficácia em inúmeras outras, tais como resfriado comum, pré-eclâmpsia, aterosclerose, hipertensão arterial, cataratas, dor e alteração de função muscular pós-exercício, demência de Alzheimer, asma brônquica e hemodiálise. Desse modo, o uso generalizado da vitamina C, isolada ou em associação com outros nutrientes, não pode ser a priori recomendado, até que novas e mais robustas evidências sejam encontradas.

Abrir arquivo em PDF

Uso Racional de Medicamentos.

Unidade de Medicamentos e Tecnologia.
Organização Panamericana da Saúde - OPAS/OMS, 2003.
Número: 568 / Publicado em 18/06/2012 - 10:52

Os medicamentos modernos ocupam um papel importante nos sistemas sanitários, pois salvam vidas e melhoram a saúde. No entanto, existem milhões de pessoas com doenças comuns, como pneumonia, malária, tuberculose, hipertensão e outras tantas enfermidades, sujeitas a vicissitudes freqüentemente relacionadas aos tratamentos medicamentosos. Como exemplos, temos: falta de acesso a um tratamento adequado ou a recursos para sua aquisição; uso de medicamentos de baixa qualidade, resultando em processos falhos de seleção, abastecimento e controle da qualidade; erros de medicação – tais como dose errada, medicamento errado, posologia errada, duração errada etc.; falta de orientação quanto ao tratamento - , resultando em baixa adesão, mau uso, inefetividade.

Abrir arquivo em PDF

Protocolo de Pré-Natal de Baixo Risco.

Área Temática de Saúde da Mulher - PROJETO NASCER BEM.
Prefeitura do Município de São Paulo - Secretaria Municipal da Saúde
Número: 559 / Publicado em 18/06/2012 - 10:32

Considerando como objetivo humanizar o atendimento prestado às mulheres no ciclo gravídico-puerperal e visando a redução da mortalidade e da morbidade materna e do recém-nascido, é necessário na prática a identificação dos fatores de risco nas gestantes e prestar os cuidados de pré-natal ou encaminhá-las à Referência quando for o caso, de acordo com o que for pactuado a nível local.

Abrir arquivo em PDF

Protocolo de Avaliação e Controle dos Casos de Escabiose.

Fernando Gatti de Menezes; Vanessa Maria da Silva de Poli Correa; Luci Correa; Jacyr Pasternak.
Hospital Israelita Albert Einstein - Junho – 2010.
Número: 558 / Publicado em 18/06/2012 - 10:34

Descreve as ações referentes à avaliação e controle dos casos de escabiose nos idosos atendidos no Residencial Israelita Albert Einstein, durante sua permanência na instituição, assim como as orientações para os contatos.

Abrir arquivo em PDF

Avaliação e Monitoração do Paciente com Infecção de Trato Urinário em Instituição de Longa Permanência.

Protocolos Não Gerenciados - HIAE.
Hospital Israelita Albert Einstein - Agosto - 2007.
Número: 557 / Publicado em 18/06/2012 - 10:35

Descreve as ações a serem realizadas para a identificação, avaliação e controle do quadro de infecção urinária nos idosos atendidos na Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein (SBIBAE), desde a sua admissão e durante a sua permanência na instituição.

Abrir arquivo em PDF

Protocolo de Condutas na Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS) em Geriatria.

Protocolos Não Gerenciados - HIAE.
Hospital Israelita Albert Einstein - Agosto - 2007.
Número: 556 / Publicado em 18/06/2012 - 10:36

A hipertensão arterial sistêmica (HAS) essencial ou primária é um importante fator de risco para doenças cardiovasculares, cuja prevalência aumenta com a idade. Estima-se que indivíduos normotensos aos 55 anos de idade têm 90% de probabilidade de se tornarem hipertensos até o final da vida. Segundo dados do NHANES III, a prevalência de HAS em idosos caucasianos entre 65 e 74 anos de idade nos EUA é de 53%. À medida em que constatamos um crescente envelhecimento da população, os problemas de saúde pública decorrentes da HAS vão se tornando maiores. A complexidade do paciente idoso gerada por peculiaridades orgânicas e psíquicas, além das diversas patologias associadas, acabam por demandar um tratamento mais individualizado para a hipertensão arterial.

Abrir arquivo em PDF

Protocolo de Condutas na Avaliação de Infecções de Vias Aéreas Inferiores no Idoso em Instituição de Longa Permanência.

Fernando Gatti de Menezes; Vanessa Maria da Silva de Poli Correa; Luci Correa; Jacyr Pasternak.
Hospital Israelita Albert Einstein - Junho - 2010.
Número: 555 / Publicado em 18/06/2012 - 10:38

Estabelecer as condutas para o diagnóstico, tratamento e prevenção das infecções de vias aéreas inferiores nos idosos atendidos no Residencial Israelita Albert Einstein (RIAE).

Abrir arquivo em PDF

Restrição de Crescimento Fetal.

Diretrizes Assistenciais - HIAE.
Hospital Israelita Albert Einstein - Dezembro - 2009
Número: 554 / Publicado em 18/06/2012 - 09:51

Crescimento fetal abaixo do percentil 5 para a IG e/ou circunferência abdominal com 2 semanas abaixo do esperado para a IG.

Abrir arquivo em PDF

Footer - v1.3
Atualizado em
04/02/2016
Saude-Direta-Facebook Saude-Direta-LinkedIN Saude-Direta-Twitter