Profissionais: 7090
Prontuários: 489099

Portal Saúde Direta - Busca Palavra

BUSCA POR PALAVRA

POSTAGENS ANTERIORES

TAGS CLOUD

Protocolos Algoritmos Diretrizes Fluxogramas

Advertência: Estes artigos e resumos são protegidos pela Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610/98), sendo vedada a sua transcrição sem citação da fonte e a sua reprodução com finalidades comerciais sem autorização dos autores.

Adobe Acrobat Reader
É necessário o Adobe Acrobat Reader instalado.

Avaliação do Nível de Informação dos Profissionais de Saúde da Família acerca das Reações Adversas a Medicamentos e Farmacovigilância.

Salviano, Luiza Herbene Macêdo Soares.
Tese de Mestrado - Fortaleza, 2008
Número: 529 / Publicado em 18/06/2012 - 09:25

Os eventos adversos relacionados a medicamentos representam um problema de saúde pública. São causas de hospitalização, aumento do tempo de permanência hospitalar e, até mesmo, óbito. O monitoramento é feito pelos Programas de Farmacovigilância, que visam detectar, além das Reações Adversas a Medicamentos, interações medicamentosas, desvios de qualidade, perda de eficácia, avaliar o risco do uso irracional de medicamentos e, ainda, disseminar informações sobre a utilização segura e racional dos medicamentos. Para que um programa de farmacovigilância tenha êxito é necessário um bom nível de informação dos profissionais de saúde acerca das RAM, bem como o interesse deles na adesão ao programa.

Abrir arquivo em PDF

Principais Aspectos do Tratamento das Infecções no Idoso.

Moreira, Iali Patricia Beloto; Amado, Luiz Eduardo Bersani; Bersani, Ana Laura de Figueiredo; Bersani-Amado, Ciomar Aparecida; Caparroz-Assef, Silvana Martins
Cienc Cuid Saude 2007;6(Suplem. 2):488-495
Número: 528 / Publicado em 18/06/2012 - 09:26

Os idosos fazem parte da população que mais consome medicamentos e os antimicrobianos estão entre as classes medicamentosas mais freqüentemente prescritas para estes pacientes. Existem aspectos específicosdo idoso que complicam a prescrição e o monitoramento do uso do antimicrobiano. As modificações fisiológicas decorrentes da idade resultam em alterações na farmacodinâmica e na farmacocinética, que podem alterar o decurso da infecção e a resposta a um determinado antimicrobiano. Em função da alta prevalência de doenças crônicas, os idosos fazem uso simultâneo de muitos medicamentos, o que resulta em maior risco de reações adversas ou interações medicamentosas. Todos estes aspectos justificam atenção especial na condução do tratamento da infecção no idoso.

Abrir arquivo em PDF

Detecção de Risco de Interações entre Fármacos Antidepressivos e Associados Prescritos a Pacientes Adultos.

Campigotto, Kassia Fernanda; Teixeira, Jorge Juarez Vieira; Cano, Fabiola Giordani; Sanches, Andréia Cristina Conegero; Cano, Marcelo Fabrício Fernandes; Guimarães, Deborah Sandra Leal
Rev. psiquiatr. clín. (Säo Paulo);35(1): 1-5, 2008. tab
Número: 527 / Publicado em 18/06/2012 - 09:28

O uso de fármacos combinados para o tratamento de patologias diversas em psiquiatria tem aumentado progressivamente. Os antidepressivos estão envolvidos em diversas interações farmacológicas clinicamente importantes.

Abrir arquivo em PDF

Critérios de Beers-Fick e Medicamentos Genéricos no Brasil.

Gorzoni, Milton Luiz; Fabbri, Renato Moraes Alves; Pires, Sueli Luciano
Rev Assoc Med Bras;54(4): 353-356, jul.-ago. 2008. tab
Número: 525 / Publicado em 18/06/2012 - 09:29

Há aproximadamente duas décadas surgiram instrumentos visando detectar potenciais riscos de iatrogenia medicamentosa em idosos, sendo o de Beers-Fick o mais utilizado deles. Beers et al, estabeleceram critérios, baseados em trabalhos publicados sobre medicamentos e farmacologia do envelhecimento, para definir lista de fármacos potencialmente inapropriados a adultos com 65 ou mais anos de idade.

Abrir arquivo em PDF

Análise do Perfil de Automedicação em Mulheres Idosas Brasileiras.

Bortolon, Paula Chagas; Medeiros, Eloá Fátima Ferreira de; Naves, Janeth Oliveira Silva; Karnikowski, Margô Gomes de Oliveira; Nóbrega, Otávio de Tolêdo
Ciênc. Saúde Coletiva;13(4): 1219-1226, jul.-ago. 2008. tab
Número: 524 / Publicado em 18/06/2012 - 09:31

Idosos compõem o grupo etário mais medicalizado na sociedade, o que pode levar ao uso irracional de fármacos. Este trabalho descreve estudo transversal que avaliou a automedicação de idosas atendidas no ambulatório de Atenção ao Idoso do Hospital da Universidade Católica de Brasília. As variáveis socioeconômicas analisadas consistiram na faixa etária, escolaridade e renda familiar mensal. As classes medicamentosas envolvidas em automedicação foram analisadas conforme prevalência, adequação à faixa etária e possíveis interações medicamentosas.

Abrir arquivo em PDF

Prevalência da Polifarmácia em Idosos com Demência.

Liana Tieko Evangelista Kusano
Universidade de Brasília, Faculdade de Medicina, Tese de Mestrado - Fev 2009.
Número: 522 / Publicado em 18/06/2012 - 09:13

A polifarmácia entre os idosos tornou-se uma prática comum. A polifarmácia pode ser classificada como quantitativa e qualitativa. Dentre os conceitos para a quantitativa, definiu-se a mesma como sendo a utilização de dois ou mais medicamentos. Por sua vez, a polifarmácia qualitativa leva em consideração a racionalização da terapia farmacológica. A partir dos dois conceitos apresentados, este estudo objetivou avaliar a prevalência da polifarmácia nos idosos com demência e associa-las às características sócio-clínico-demográficas e farmacológicas.

Abrir arquivo em PDF

Implementação de um Programa para Evitar Possíveis Interações Fármaco - Alimento em Pacientes Adultos Internados em Unidades Clínicas e Cirúrgicas de um Hospital Universitário.

Magedanz L et al
Rev HCPA 2009;29(1)
Número: 521 / Publicado em 18/06/2012 - 09:15

Encontram-se, na literatura, vários estudos experimentais e clínicos que avaliam as interações entre fármacos, porém há poucos estudos conduzidos para avaliar interações entre medicamentos e alimentos. O conhecimento das interações entre medicamentos e entre medicamentos e alimentos é importante para a correta conduta com os pacientes, principalmente tratando-se de polimedicados, idosos e usuários de dietas especiais.

Abrir arquivo em PDF

Doadores Limítrofes no Transplante de Rim: Quanto à Transmissão de Doenças ou à Presença de Anomalias Anatômicas.

Associação Brasileira de Transplante de Órgãos.
Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina.
Número: 520 / Publicado em 09/03/2012 - 18:44

Revisar a evidência científica atual sobre os riscos e benefícios da utilização dos diferentes tipos de doadores limítrofes de rim. Permitir melhor padronização de condutas em relação à utilização desses doadores no território nacional.

Abrir arquivo em PDF

Doadores Limítrofes no Transplante de Rim: Quanto à Função.

Associação Brasileira de Transplante de Órgãos.
Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina.
Número: 519 / Publicado em 09/03/2012 - 18:46

Um dos grandes problemas do transplante renal é o número insuficiente de órgãos para atender à crescente demanda de pacientes em lista de espera. Como consequência do desequilíbrio entre o número de transplantes e a lista de espera cresce o número de óbitos, de pacientes em lista, há menor qualidade de vida, pior reabilitação e aumento de custos após o transplante renal.

Abrir arquivo em PDF

Doadores Limítrofes no Transplante de Pulmão.

Associação Brasileira de Transplante de Órgãos.
Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina.
Número: 518 / Publicado em 09/03/2012 - 18:46

Estabelecer a definição de doador limítrofe em transplante pulmonar exige primeiramente reconhecer qual o doador ideal nesse tipo de transplante. Com poucas modificações, os critérios utilizados são os mesmos nos diversos centros de transplante no mundo, e são baseados ainda na experiência inicial dos transplantes pulmonares, não sendo sustentados por estudos de maior consistência.

Abrir arquivo em PDF

Portal Saúde Direta - Footer
Atualizado em
17/06/2020
Saude-Direta-Facebook Saude-Direta-LinkedIN Saude-Direta-Twitter