Profissionais: 7092
Prontuários: 489738

Portal Saúde Direta - Busca Palavra

BUSCA POR PALAVRA

POSTAGENS ANTERIORES

TAGS CLOUD

Protocolos Algoritmos Diretrizes Fluxogramas

Advertência: Estes artigos e resumos são protegidos pela Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610/98), sendo vedada a sua transcrição sem citação da fonte e a sua reprodução com finalidades comerciais sem autorização dos autores.

Adobe Acrobat Reader
É necessário o Adobe Acrobat Reader instalado.

Por Que Terapias Espúrias Freqüentemente Parecem Funcionar.

Barry L. Beyerstein, Ph.D.
http://quackwatch.haaan.com/altcrenca.html
Número: 1231 / Publicado em 18/03/2012 - 12:52

Forças sutis podem levar pessoas inteligentes (tanto pacientes como terapeutas) a acharem que um tratamento ajudou alguém quando na verdade não ajudou. Isto é verdadeiro para tratamentos novos na medicina científica, bem como para preparados da medicina popular, das práticas marginais na "medicina alternativa" e para as manifestações de curandeiros que usam a fé.

Abrir arquivo em PDF

Homeopatia: O Maior de Todos os Embustes.

Stephen Barrett, M.D.
http://quackwatch.haaan.com/homeo.html
Número: 1230 / Publicado em 18/03/2012 - 12:52

Os "remédios" homeopáticos gozam de um status único na mercado da saúde: Eles são a única categoria de produtos charlatanescos legalmente vendidos como drogas. Esta situação é o resultado de duas circunstâncias. Primeiro, o Federal Food, Drug, and Cosmetic Act de 1938, que foi apadrinhado no Congresso por um médico homeopata que era senador, reconheceu como droga todas as substâncias incluídas na Homeopathic Pharmacopeia of the United States. Segundo, o FDA não aplica aos produtos homeopáticos os mesmos padrões que aplica as outras drogas. Atualmente eles são comercializados em lojas de produtos naturais, em farmácias, em consultórios, por distribuidores de multinível, através do correio e pela internet.

Abrir arquivo em PDF

Vinte e Cinco Maneiras para Reconhecer Charlatões e Empurradores de Vitaminas.

Stephen Barrett, M.D., Victor Herbert, M.D., J.D.
http://quackwatch.haaan.com/identcharl.html
Número: 1229 / Publicado em 18/03/2012 - 12:53

Como os charlatães da área nutricional e outros que praticam "empurroterapia" com vitaminas podem ser reconhecidos? Veja 25 sinais que devem levantar suspeitas.

Abrir arquivo em PDF

Desconfie dos Métodos Alternativos de Saúde

Stephen Barrett, M.D.
http://quackwatch.haaan.com/altdesc.html
Número: 1228 / Publicado em 18/03/2012 - 12:54

"Medicina alternativa" tornou-se o termo politicamente correto para práticas questionáveis anteriormente rotuladas como charlatanescas e fraudulentas. Durante os últimos anos, a maioria das reportagens na imprensa não tem incluído nenhuma avaliação crítica e tem destacado os pontos de vista dos proponentes e seus clientes satisfeitos.

Abrir arquivo em PDF

Vitamina C: Altas Doses Previnem Resfriados?

Charles W. Marshall, Ph.D.
http://quackwatch.haaan.com/resfriados.html
Número: 1227 / Publicado em 18/03/2012 - 12:55

Poucas coisas têm incitado tanto a imaginação e as esperanças do público no que se refere a nutrição ou irritado os cientistas da nutrição quanto o livro de 1970 de Linus Pauling, Vitamina C e o Resfriado Comum (Vitamin C and the Common Cold).

Abrir arquivo em PDF

Alergias: Diagnósticos e Tratamentos Dúbios.

Stephen Barrett, M.D.
http://quackwatch.haaan.com/alergiatestes.html
Número: 1226 / Publicado em 18/03/2012 - 12:56

Muitos profissionais dúbios alegam que as alergias alimentares podem ser responsáveis por virtualmente qualquer sintoma que uma pessoa possa ter. Em apoio a estas alegações -- que são falsas -- eles administram variados exames com o propósito de identificar alimentos agressores. Alegações deste tipo podem parecer verossímeis porque cerca de 25% das pessoas pensam que são alérgicas a alimentos. Entretanto, estudos científicos descobriram que somente cerca de 6% das crianças e de 1-2% dos adultos na verdade possuem uma alergia alimentar e a maioria das pessoas com alergia alimentar são alérgicas a menos de quatro alimentos.

Abrir arquivo em PDF

Protocolo de Vigilância Epidemiológica de Eventos Adversos Pós-Vacinação: Estratégia de Vacinação contra o Vírus Influenza Pandêmico (H1N1).

Secretaria de Vigilância em Saúde.
Ministério da Saúde - Brasilia - março de 2010
Número: 1221 / Publicado em 22/06/2012 - 20:18

Em geral, as vacinas estão entre os produtos farmacêuticos mais seguros para o uso humano, proporcionando amplos benefícios à saúde pública de um país. Entretanto, como qualquer outro medicamento, as vacinas não estão isentas de risco. Neste sentido, vários países mantêm sistemas de vigilância de eventos adversos pós-vacinação (EAPV), com a finalidade de subsidiar a adoção de medidas de segurança oportunas que assegurem a melhor relação benefício-risco para a população vacinada.

Abrir arquivo em PDF

Diretrizes para o Enfrentamento à Pandemia de Influenza Pandêmica (H1N1) 2009: Ações da Atenção Primária à Saúde – APS.

Secretaria de Vigilância em Saúde
Ministério da Saúde - Brasília - 2010
Número: 1220 / Publicado em 22/06/2012 - 20:19

A influenza pandêmica (H1N1) 2009 é uma doença respiratória causada pelo vírus tipo A, que afeta principalmente as vias aéreas superiores e, ocasionalmente, as inferiores. Este novo subtipo do vírus da influenza pandêmica (H1N1) 2009 é transmitido de pessoa a pessoa, principalmente por meio da tosse ou espirro e secreções respiratórias de pessoas infectadas.

Abrir arquivo em PDF

Indicadores de Avaliação e Monitoramento das Demandas Judiciais de Medicamentos.

Vera Lúcia Edais Pepe, Miriam Ventura e Cláudia Osório.
Fundação Oswaldo Cruz, Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, 2011.
Número: 1219 / Publicado em 22/06/2012 - 20:20

Este manual estabeleceu 30 indicadores considerados essenciais para se compreender melhor a demanda de medicamentos por meio da justiça. O trabalho, que usou o Estado do Rio de Janeiro como modelo, gerou indicadores que poderão servir de base para que o SUS e o sistema de justiça possam realizar o monitoramento das ações judiciais e garantir o acesso da população a medicamentos de qualidade e com segurança.

Abrir arquivo em PDF

Fotoproteção

Gabriel Teixeira Gontijo, Maria Cecília Carvalho Pugliesi, Fernanda Mendes Araújo.
Surgical & Cosmetic Dermatology 2009;1(4):186-192
Número: 1218 / Publicado em 22/06/2012 - 20:22

Nas últimas décadas, a incidência de câncer de pele aumentou significativamente, correspondendo a um problema de saúde pública em diversos países. A pele é o órgão mais atingido pelos efeitos deletérios da radiação ultravioleta, e é bem documentada a associação entre fotoexposição e neoplasias cutâneas. O uso de fotoprotetores de largo espectro, além de medidas comportamentais simples, parecem causar grande impacto na prevenção do câncer de pele.

Abrir arquivo em PDF

Portal Saúde Direta - Footer
Atualizado em
17/06/2020
Saude-Direta-Facebook Saude-Direta-LinkedIN Saude-Direta-Twitter