Profissionais: 5632
Prontuários: 218668

Esqueceu a senha? Cadastro da senha

Portal Saude Direta - Busca Palavra

BUSCA POR PALAVRA

POSTAGENS ANTERIORES

TAGS CLOUD

Protocolos - Algoritmos - Diretrizes - Fluxogramas

Baixar o Adobe Acrobat Reader
Para visualizar os conteúdos abaixo é necessário ter o Adobe Acrobat Reader instalado.

Advertência: Estes artigos e resumos são protegidos pela Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610/98), sendo vedada a sua transcrição sem citação da fonte e a sua reprodução com finalidades comerciais sem autorização dos autores.

Vinte e Cinco Maneiras para Reconhecer Charlatões e Empurradores de Vitaminas.

Stephen Barrett, M.D., Victor Herbert, M.D., J.D.
http://quackwatch.haaan.com/identcharl.html
Número: 1229 / Publicado em 18/03/2012 - 12:53

Como os charlatães da área nutricional e outros que praticam "empurroterapia" com vitaminas podem ser reconhecidos? Veja 25 sinais que devem levantar suspeitas.

Abrir arquivo em PDF

Desconfie dos Métodos Alternativos de Saúde

Stephen Barrett, M.D.
http://quackwatch.haaan.com/altdesc.html
Número: 1228 / Publicado em 18/03/2012 - 12:54

"Medicina alternativa" tornou-se o termo politicamente correto para práticas questionáveis anteriormente rotuladas como charlatanescas e fraudulentas. Durante os últimos anos, a maioria das reportagens na imprensa não tem incluído nenhuma avaliação crítica e tem destacado os pontos de vista dos proponentes e seus clientes satisfeitos.

Abrir arquivo em PDF

Vitamina C: Altas Doses Previnem Resfriados?

Charles W. Marshall, Ph.D.
http://quackwatch.haaan.com/resfriados.html
Número: 1227 / Publicado em 18/03/2012 - 12:55

Poucas coisas têm incitado tanto a imaginação e as esperanças do público no que se refere a nutrição ou irritado os cientistas da nutrição quanto o livro de 1970 de Linus Pauling, Vitamina C e o Resfriado Comum (Vitamin C and the Common Cold).

Abrir arquivo em PDF

Alergias: Diagnósticos e Tratamentos Dúbios.

Stephen Barrett, M.D.
http://quackwatch.haaan.com/alergiatestes.html
Número: 1226 / Publicado em 18/03/2012 - 12:56

Muitos profissionais dúbios alegam que as alergias alimentares podem ser responsáveis por virtualmente qualquer sintoma que uma pessoa possa ter. Em apoio a estas alegações -- que são falsas -- eles administram variados exames com o propósito de identificar alimentos agressores. Alegações deste tipo podem parecer verossímeis porque cerca de 25% das pessoas pensam que são alérgicas a alimentos. Entretanto, estudos científicos descobriram que somente cerca de 6% das crianças e de 1-2% dos adultos na verdade possuem uma alergia alimentar e a maioria das pessoas com alergia alimentar são alérgicas a menos de quatro alimentos.

Abrir arquivo em PDF

Protocolo de Vigilância Epidemiológica de Eventos Adversos Pós-Vacinação: Estratégia de Vacinação contra o Vírus Influenza Pandêmico (H1N1).

Secretaria de Vigilância em Saúde.
Ministério da Saúde - Brasilia - março de 2010
Número: 1221 / Publicado em 22/06/2012 - 20:18

Em geral, as vacinas estão entre os produtos farmacêuticos mais seguros para o uso humano, proporcionando amplos benefícios à saúde pública de um país. Entretanto, como qualquer outro medicamento, as vacinas não estão isentas de risco. Neste sentido, vários países mantêm sistemas de vigilância de eventos adversos pós-vacinação (EAPV), com a finalidade de subsidiar a adoção de medidas de segurança oportunas que assegurem a melhor relação benefício-risco para a população vacinada.

Abrir arquivo em PDF

Diretrizes para o Enfrentamento à Pandemia de Influenza Pandêmica (H1N1) 2009: Ações da Atenção Primária à Saúde – APS.

Secretaria de Vigilância em Saúde
Ministério da Saúde - Brasília - 2010
Número: 1220 / Publicado em 22/06/2012 - 20:19

A influenza pandêmica (H1N1) 2009 é uma doença respiratória causada pelo vírus tipo A, que afeta principalmente as vias aéreas superiores e, ocasionalmente, as inferiores. Este novo subtipo do vírus da influenza pandêmica (H1N1) 2009 é transmitido de pessoa a pessoa, principalmente por meio da tosse ou espirro e secreções respiratórias de pessoas infectadas.

Abrir arquivo em PDF

Indicadores de Avaliação e Monitoramento das Demandas Judiciais de Medicamentos.

Vera Lúcia Edais Pepe, Miriam Ventura e Cláudia Osório.
Fundação Oswaldo Cruz, Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, 2011.
Número: 1219 / Publicado em 22/06/2012 - 20:20

Este manual estabeleceu 30 indicadores considerados essenciais para se compreender melhor a demanda de medicamentos por meio da justiça. O trabalho, que usou o Estado do Rio de Janeiro como modelo, gerou indicadores que poderão servir de base para que o SUS e o sistema de justiça possam realizar o monitoramento das ações judiciais e garantir o acesso da população a medicamentos de qualidade e com segurança.

Abrir arquivo em PDF

Fotoproteção

Gabriel Teixeira Gontijo, Maria Cecília Carvalho Pugliesi, Fernanda Mendes Araújo.
Surgical & Cosmetic Dermatology 2009;1(4):186-192
Número: 1218 / Publicado em 22/06/2012 - 20:22

Nas últimas décadas, a incidência de câncer de pele aumentou significativamente, correspondendo a um problema de saúde pública em diversos países. A pele é o órgão mais atingido pelos efeitos deletérios da radiação ultravioleta, e é bem documentada a associação entre fotoexposição e neoplasias cutâneas. O uso de fotoprotetores de largo espectro, além de medidas comportamentais simples, parecem causar grande impacto na prevenção do câncer de pele.

Abrir arquivo em PDF

Protoclos Gerenciados: Avaliações e Cuidados de Enfermagem na Insuficiência Cardíaca (IC).

HIAE - Versão eletrônica atualizada em fevereiro de 2009.
Hospital Israelita Albert Einstein.
Número: 1216 / Publicado em 22/06/2012 - 20:28

Padronizar a rotina de assistência de enfermagem aos pacientes com insuficiência cardíaca, visando otimizar o tratamento e contribuir para a geração de indicadores de qualidade.

Abrir arquivo em PDF

Protocolo de Reabilitação: Fase Hospitalar para Insuficiência Cardíaca (IC).

HIAE - Versão eletrônica atualizada em março de 2011.
Hospital Israelita Albert Einstein.
Número: 1215 / Publicado em 22/06/2012 - 20:30

Como a Insuficiência Cardíaca (IC) se apresenta clinicamente sob diversos cenários, o nosso protocolo se baseou numa classificação didática para IC descompensada. Elaboramos, então, um protocolo que tratasse adequadamente cada cenário e avaliasse separadamente quais os cuidados obrigatórios e necessários conforme cada cenário clínico.

Abrir arquivo em PDF

Footer - v1.3
Atualizado em
04/02/2016
Saude-Direta-Facebook Saude-Direta-LinkedIN Saude-Direta-Twitter