Profissionais: 5114
Prontuários: 176027

Esqueceu a senha? Cadastro da senha

Portal Saude Direta - Busca Palavra

BUSCA POR PALAVRA

POSTAGENS ANTERIORES

TAGS CLOUD

Protocolos - Algoritmos - Diretrizes - Fluxogramas

Baixar o Adobe Acrobat Reader
Para visualizar os conteúdos abaixo é necessário ter o Adobe Acrobat Reader instalado.

Advertência: Estes artigos e resumos são protegidos pela Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610/98), sendo vedada a sua transcrição sem citação da fonte e a sua reprodução com finalidades comerciais sem autorização dos autores.

Citalopram versus outros Agentes Antidepressivos para Depressão

Cipriani A, Purgato M, Furukawa TA, Trespidi C, Imperadore G, Signoretti A, Churchill R, Watanabe N, Barbui C.
Cochrane Database of Systematic Reviews 2012, Issue 7.
Número: 2747 / Publicado em 05/08/2013 - 08:31

Recentes diretrizes clínicas dos Estados Unidos e Reino Unido recomendam que os antidepressivos de segunda geração devem ser considerados entre as melhores opções de primeira linha quando o tratamento medicamentoso é indicado para um episódio depressivo. As revisões sistemáticas já destacaram algumas diferenças de eficácia entre os antidepressivos de segunda geração. O citalopram, um dos primeiros inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRS) introduzidos no mercado, é um desses medicamentos antidepressivos que os médicos utilizam de rotina para o tratamento da depressão.

Abrir arquivo em PDF

Capsaicina Tópica para Neuropatia Crônica em Adultos

Derry S, Rice ASC, Cole P, Tan T, Moore RA.
Cochrane Database of Systematic Reviews 2013, Issue 2.
Número: 2746 / Publicado em 05/08/2013 - 08:28

Cremes tópicos com capsaicina são usados para tratar a dor de uma grande variedade de condições crônicas, incluindo a dor neuropática. Após a aplicação na pele a capsaicina provoca o aumento da sensibilidade a estímulos nocivos, seguido de um período com sensibilidade reduzida e, após aplicações repetidas, dessensibilização persistente. Há incertezas sobre a eficácia e tolerabilidade da capsaicina para o tratamento de neuropatias dolorosas crônicas.

Abrir arquivo em PDF

Anti-inflamatórios não Esteroides (AINS) tópicos para Dor Musculoesquelética em Adultos

Derry S, Moore RA, Rabbie R.
Cochrane Database of Systematic Reviews 2012, Issue 9.
Número: 2745 / Publicado em 05/08/2013 - 08:25

Os anti-inflamatórios não-esteróides (AINEs) são geralmente tomadas por via oral, mas são também disponíveis em preparação tópica para ser aplicada sobre a pele de uma articulação dolorosa, normalmente afetada por artrite, com o objetivo de aliviar a dor no local . Os AINEs tópicos são amplamente utilizados em algumas partes do mundo para condições dolorosas agudas e crônicas, mas não são universalmente aceitos até recentemente. Um dos problemas era o fato dos estudos clínicos mais antigos serem geralmente curtos, com duração de quatro semanas ou menos, e estudos de curta duração não são considerados adequados para avaliação de condições dolorosas.

Abrir arquivo em PDF

Expectativas Positivas em Relação ao Uso do Álcool e ao Beber com Embriaguez: Diferenças de Gênero em Estudo do Projeto GENACIS, São Paulo, Brasil

CISA - Centro de Informações sobre Saúde e Álcool
http://www.cisa.org.br
Número: 2744 / Publicado em 18/07/2013 - 09:12

Estudo mostra que homens bebem mais no padrão intenso e episódico e se assemelham às mulheres quanto às expectativas dos efeitos do consumo do álcool.

Abrir arquivo em PDF

Diretrizes Práticas da Infectious Diseases Society of America: Staphylococcus aureus Resistentes à Meticilina - MRSA (em português)

Catherine Liu et als
Clinical Infectious Diseases ; 2011 ; 52 : e18 -e55
Número: 2743 / Publicado em 29/08/2013 - 09:46

Estas diretrizes baseadas em evidências para o manejo de infecções por Staphylococcus aureus resistentes à meticilina (MRSA) foram preparadas por um grupo de especialistas da Infectious Diaseases Society of America (IDSA). As diretrizes destinam-se a profissionais de saúde que atendem a pacientes adultos e crianças com infecções por MRSA. Elas discutem o manejo de várias síndromes clínicas associadas à doença por MRSA, inclusive as infecções de pele e partes moles (IPPM), a bacteremia e a endocardite, a pneumonia, as infecções ósseas e articulares e do sistema nervoso central (SNC). São feitas recomendações quanto à dosagem e monitoramento da vancomicina, ao manejo das infecções por cepas de MRSA com susceptibilidade reduzida à vancomicina e das falhas terapêuticas da vancomicina.

Abrir arquivo em PDF

I Diretriz de Prevenção da Aterosclerose na Infância e Adolescência

Giuliano, I.C.B., Caramelli, B., Pellanda, L., Duncan, B.,Mattos, S., Fonseca, F.A.H.
Sociedade Brasileira de Cardiologia
Número: 2742 / Publicado em 10/06/2013 - 10:02

Atualmente, sabemos que é possível obter uma redução na incidência de complicações da aterosclerose com a adoção de um estilo de vida saudável e com o tratamento medicamentoso. Não há consenso, entretanto, em que fase da vida e de que forma a prevenção deve ser implantada. Na medida em que foram sendo compreendidos os mecanismos de origem e desenvolvimento da doença aterosclerótica, foi se formando o conceito de que este tratamento deve começar na infância. Ao invés de substituir o raciocínio clínico esta diretriz pretende complementá-lo, tornando-se uma referência para o estabelecimento de estratégias individuais e populacionais no controle dos fatores de risco para aterosclerose na infância e adolescência.

Abrir arquivo em PDF

Atividade Física e Saúde na Infância e Adolescência

José Kawazoe Lazzoli e colaboradores
Rev Bras Med Esporte Vol. 4, Nº 4 – Jul/Ago, 1998
Número: 2741 / Publicado em 10/06/2013 - 09:45

Este documento, elaborado por médicos especialistas em exercício e esporte, baseia-se em conceitos científicos e na experiência clínica, tendo como objetivos: 1) estabelecer os benefícios da atividade física na criança e no adolescente; 2) caracterizar os elementos de avaliação e prescrição do exercício para a saúde nessa faixa etária; 3) estimular a recomendação e a prática da atividade física nas crianças e adolescentes, mesmo na presença de doenças crônicas, visto que são raras as contra-indicações absolutas.

Abrir arquivo em PDF

Anafilaxia: Diagnóstico

Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia & Sociedade Brasileira de Anestesiologia
Rev. Assoc. Med. Bras. 2013, vol.59, n.1, pp. 7-17
Número: 2740 / Publicado em 07/06/2013 - 11:19

A anafilaxia é conceituada como uma reação alérgica aguda grave, de início súbito e evolução rápida, e que é potencialmente fatal. Os órgãos-alvo envolvidos incluem pele e mucosas (80% a 90% dos episódios), aparelho respiratório (70% dos episódios), trato gastrointestinal (30% a 40%), sistema cardiovascular (10% a 45%) e sistema nervoso central em 10% a 15% dos episódios.

Abrir arquivo em PDF

Protocolo Clínico da Degeneração Macular Relacionada à Idade (DMRI) - Protocolo de Lucentis

Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal
Distrito Federal - 2009
Número: 2739 / Publicado em 07/06/2013 - 11:10

A DMRI, juntamente com a catarata e retinopatia diabética, é uma das principais causas de cegueira legal em pessoas maiores de 50 anos, representando hoje, a terceira maior causa de cegueira legal no mundo.

Abrir arquivo em PDF

Protocolo Clínico de Anafilaxia

Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal
Distrito Federal - 2009
Número: 2738 / Publicado em 07/06/2013 - 11:01

Anafilaxia é uma reação imunológica sistêmica de hipersensibilidade imediata conseqüente da interação entre o antígeno e o anticorpo IgE fixado em basófilos e mastócitos. A reação é chamada de anafilactóide quando não depende da reação entre antígeno e IgE, mas apresenta outros mecanismos, imunológicos ou não cujas manifestações clínicas são semelhantes às da anafilaxia.

Abrir arquivo em PDF

Footer - v1.3
Atualizado em
04/02/2016
Saude-Direta-Facebook Saude-Direta-LinkedIN Saude-Direta-Twitter