Profissionais: 5757
Prontuários: 232267

Esqueceu a senha? Cadastro da senha

Portal Saude Direta - Busca Palavra

BUSCA POR PALAVRA

POSTAGENS ANTERIORES

TAGS CLOUD

Protocolos - Algoritmos - Diretrizes - Fluxogramas

Baixar o Adobe Acrobat Reader
Para visualizar os conteúdos abaixo é necessário ter o Adobe Acrobat Reader instalado.

Advertência: Estes artigos e resumos são protegidos pela Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610/98), sendo vedada a sua transcrição sem citação da fonte e a sua reprodução com finalidades comerciais sem autorização dos autores.

Parte II – Protocolo de Doenças Cardiovasculares: Ataque Vascular Cerebral (Capítulo 52).

Fernando Suarez Alvarez, Marcelo Dominguez Canetti, Wilson Braz Corrêa Filho, Danielle Borghi
Secretaria de Saúde e Defesa Civil - Governo do Rio de Janeiro - 2010
Número: 767 / Publicado em 12/03/2012 - 10:31

É a 3ª causa de óbito em países desenvolvidos e a principal causa de déficit neurológico crônico. No Estado do Rio de Janeiro, é a principal causa de mortalidade, segundo o DATASUS.

Abrir arquivo em PDF

Parte II – Protocolo de Doenças Cardiovasculares: Síncope (Capítulo 51).

Fernando Suarez Alvarez, Marcelo Dominguez Canetti, Wilson Braz Corrêa Filho, Danielle Borghi
Secretaria de Saúde e Defesa Civil - Governo do Rio de Janeiro - 2010
Número: 766 / Publicado em 12/03/2012 - 10:31

A síncope é definida como perda súbita e breve da consciência e do tônus postural, seguida por recuperação completa e rápida, devido a hipoperfusão cerebral transitória.

Abrir arquivo em PDF

Parte II – Protocolo de Doenças Cardiovasculares: Taquiarritmias (Capítulo 50).

Fernando Suarez Alvarez, Marcelo Dominguez Canetti, Wilson Braz Corrêa Filho, Danielle Borghi
Secretaria de Saúde e Defesa Civil - Governo do Rio de Janeiro - 2010
Número: 765 / Publicado em 12/03/2012 - 10:32

Frequentemente encontradas nas emergências. São definidas como ritmos apresentando frequência ventricular superior a 100 bpm.

Abrir arquivo em PDF

Parte II – Protocolo de Doenças Cardiovasculares: Bradiarritmias (Capítulo 49).

Fernando Suarez Alvarez, Marcelo Dominguez Canetti, Wilson Braz Corrêa Filho, Danielle Borghi
Secretaria de Saúde e Defesa Civil - Governo do Rio de Janeiro - 2010
Número: 764 / Publicado em 12/03/2012 - 10:32

A doença cardíaca isquêmica envolvendo a coronária direita pode apresentar-se com bradicardia e hipotensão.

Abrir arquivo em PDF

Parte II – Protocolo de Doenças Cardiovasculares: Arritmias Cardíacas (Capítulo 48).

Fernando Suarez Alvarez, Marcelo Dominguez Canetti, Wilson Braz Corrêa Filho, Danielle Borghi
Secretaria de Saúde e Defesa Civil - Governo do Rio de Janeiro - 2010
Número: 763 / Publicado em 12/03/2012 - 10:32

As arritmias podem reduzir o débito cardíaco quando a frequência cardíaca está elevada ou baixa, produzir instabilidade elétrica do coração e mesmo causarem parada cardíaca.

Abrir arquivo em PDF

Parte II – Protocolo de Doenças Cardiovasculares: Síndrome Coronariana Aguda (Capítulo 47).

Fernando Suarez Alvarez, Marcelo Dominguez Canetti, Wilson Braz Corrêa Filho, Danielle Borghi
Secretaria de Saúde e Defesa Civil - Governo do Rio de Janeiro - 2010
Número: 762 / Publicado em 12/03/2012 - 10:32

O paciente apresentando dor torácica aguda de possível origem cardíaca deve ser considerado como portador de infarto agudo do miocárdio até prova em contrário.

Abrir arquivo em PDF

Predição e Prevenção do Crescimento Intrauterino Restrito - CIUR

Sá RAM, Oliveira CA, Peixoto-Filho FM, Lopes LM
FEMINA Setembro 2009 vol 37 nº 9.
Número: 760 / Publicado em 19/06/2012 - 08:34

O termo “pequeno para a idade gestacional” (PIG) define o concepto que, ao nascer, apresenta peso inferior ao percentil 10 para a idade gestacional. Na maioria das vezes, esta alteração decorre do crescimento intrauterino restrito (CIUR), entendido como disfunção no crescimento que não permite ao feto atingir, em massa corporal, seu alvo genético. As razões para o crescimento fetal dificultado podem ser: desordens genéticas, infecções e insuficiência placentária. Os autores fizeram uma revisão das evidências atuais sobre a predição do CIUR por meio de métodos clínicos e laboratoriais. As evidências sobre prevenção do CIUR incluindo métodos comportamentais, drogas e controle da hipertensão também foram abordadas.

Abrir arquivo em PDF

Revisão Sistemática das Influências do Hipoestrogenismo e do Treinamento sobre a Incontinência Urinária.

Batista RLA, Souza FO, Dias LAR, Silva ACJSR, Freitas MMS, Sá MFS, Ferreira CHJ
FEMINA Março 2010 vol 38 nº 3
Número: 759 / Publicado em 19/06/2012 - 08:35

Marcada por mudanças na função ovariana, a menopausa representa redução dos níveis de estrogênio circulante. Os estrogênios aumentam o trofismo e a vascularização dos músculos do assoalho pélvico (MAP), e seu déficit na menopausa pode estar relacionado ao surgimento da incontinência urinária. O uso do estrogênio e o treinamento dos MAP são opções no tratamento da incontinência urinária. O objetivo deste artigo foi realizar uma revisão sistemática da literatura sobre os efeitos do treinamento dos MAP, da terapia hormonal e da associação de ambos na função dos MAP e da incontinência urinária.

Abrir arquivo em PDF

Biologia Molecular no Rastreamento das Neoplasias Cervicais Uterinas.

Rocha GA, Melo VH
FEMINA Março 2010 vol 38 nº 3
Número: 758 / Publicado em 19/06/2012 - 08:36

O câncer cervical é o segundo mais comum em mulheres no Brasil e no mundo. A maioria dos casos de morte ocorre em países em desenvolvimento, onde o câncer cervical é responsável por 15% das neoplasias malignas em mulheres. A redução dessa mortalidade representa um grande desafio na atualidade e grandes esforços têm sido feitos para que se consiga um diagnóstico mais precoce e efetivo das lesões cervicais. Baseado nas evidências de que a infecção pelo papilomavírus humano (HPV) seja a causa primária do câncer cervical, a pesquisa de tipos carcinogênicos foi recentemente introduzida como método de rastreamento das neoplasias cervicais em alguns países. Esta revisão teve por objetivo avaliar a aplicabilidade da detecção do HPV como forma de rastreamento primário das neoplasias cervicais, comparando a sensibilidade e a especificidade dos testes de biologia molecular com o exame de Papanicolaou, bem como os custos e o impacto destes testes sobre a morbimortalidade da doença.

Abrir arquivo em PDF

Obesidade e Complicações Gestacionais.

Frattesi FF, Corrêa Júnior MD
FEMINA Maio 2010 vol 38 nº 5
Número: 757 / Publicado em 19/06/2012 - 08:37

A população de obesos entre as mulheres na menacme tem aumentado de maneira assustadora nos últimos anos. A consequência é o aumento da incidência de gestantes obesas com elevado risco cardiometabólico e sujeitas a intercorrências perigestacionais. A assistência pré-natal nesse grupo de gestantes é precária devido à falta de equipe multidisciplinar preparada e material adequado. O profissional que assiste a gestante obesa deve ter como objetivo principal prevenir e intervir em tempo hábil nas intercorrências às quais mãe e feto estão sujeitos durante o período perigestacional. Ele deve estar livre de preconceitos e tentativas exageradas e inadequadas de perda de peso durante a gestação da paciente. O alvo principal da abordagem multidisciplinar é o preparo da gestante para mudança de seu estilo de vida familiar sabendo que a obesidade é uma doença de transmissão interpessoal de hábitos. A associação de riscos potenciais para mãe e feto à obesidade é bem estabelecida, mas o conhecimento desses riscos e a condução da gestação de maneira adequada são pouco praticados. O presente artigo buscou contribuir para melhora da assistência pré-natal das gestantes obesas juntamente com a criação de grupos multidisciplinares para condução dessas pacientes.

Abrir arquivo em PDF

Footer - v1.3
Atualizado em
04/02/2016
Saude-Direta-Facebook Saude-Direta-LinkedIN Saude-Direta-Twitter