Profissionais: 5712
Prontuários: 225817

Esqueceu a senha? Cadastro da senha

Portal Saude Direta - Busca Palavra

BUSCA POR PALAVRA

POSTAGENS ANTERIORES

TAGS CLOUD

Protocolos - Algoritmos - Diretrizes - Fluxogramas

Baixar o Adobe Acrobat Reader
Para visualizar os conteúdos abaixo é necessário ter o Adobe Acrobat Reader instalado.

Advertência: Estes artigos e resumos são protegidos pela Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610/98), sendo vedada a sua transcrição sem citação da fonte e a sua reprodução com finalidades comerciais sem autorização dos autores.

Protocolos de Prevenção de Quedas, Identificação do Paciente e Segurança na Prescrição, Uso e Administração de Medicamentos

SAS/MS, SCTIE/MS e FHEMIG, ANVISA e Fiocruz
Ministério da Saúde/ Anvisa/ Fiocruz 2013
Número: 2768 / Publicado em 02/12/2013 - 08:59

As recomendações deste protocolo aplicam-se ao hospital, incluem todos os pacientes que recebem cuidado neste serviço e abrangem todo o período de permanência do paciente e todos os ambientes do hospital.

Abrir arquivo em PDF

Protocolo de Tratamento de Influenza 2013 Parte II

Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis
Ministério da Saúde, 2013 – Brasília
Número: 2767 / Publicado em 02/12/2013 - 08:49

Em março de 2013, com base no perfil epidemiológico da influenza no Brasil, o Ministério da Saúde realizou, em parceria com a Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), a Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT), a Associação de Medicina Intensiva Brasileira (AMIB), a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), a Sociedade Brasileira de Medicina da Família e Comunidade (SBMFC) e a Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO), uma revisãodo Protocolo de Tratamento de Influenza, com destaque para a importância do tratamento oportuno dos casos de Síndrome Gripal (SG) que têm indicação e de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG). Para tanto, foram revisadas e redefinidas algumas condutas a serem instituídas frente aos casos de influenza e atualizou-se de forma ampla as indicações de quimioprofilaxia.

Abrir arquivo em PDF

Protocolo de Tratamento de Influenza 2013 Parte I

Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis
Ministério da Saúde, 2013 – Brasília
Número: 2766 / Publicado em 02/12/2013 - 08:48

Em março de 2013, com base no perfil epidemiológico da influenza no Brasil, o Ministério da Saúde realizou, em parceria com a Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), a Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT), a Associação de Medicina Intensiva Brasileira (AMIB), a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), a Sociedade Brasileira de Medicina da Família e Comunidade (SBMFC) e a Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO), uma revisãodo Protocolo de Tratamento de Influenza, com destaque para a importância do tratamento oportuno dos casos de Síndrome Gripal (SG) que têm indicação e de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG). Para tanto, foram revisadas e redefinidas algumas condutas a serem instituídas frente aos casos de influenza e atualizou-se de forma ampla as indicações de quimioprofilaxia.

Abrir arquivo em PDF

Manual Técnico de Promoção da Saúde e Prevenção de Riscos e Doenças na Saúde Suplementar

ANS - Agencia Nacional de Saude Suplementar
Agência Nacional de Saúde Suplementar. Rio de Janeiro : ANS, 2006.
Número: 2765 / Publicado em 02/12/2013 - 08:37

O presente manual técnico tem como objetivo principal estimular a mudança no modelo de atenção à saúde na saúde suplementar através da adoção, pelas operadoras de planos privados de saúde, de programas de promoção da saúde e prevenção de riscos e doenças, além de dar suporte teórico e técnico para que estas possam se orientar no planejamento e organização dos programas. Assim, qualificando a atenção prestada ao conjunto dos seus beneficiários.

Abrir arquivo em PDF

Rastreamento Diagnóstico das Principais Disfunções da Tireóide

Orsine Valente
Diagn Tratamento. 2013;18(1):49-51.
Número: 2764 / Publicado em 30/11/2013 - 10:36

A tireoide é uma glândula localizada na face anterior do pescoço, que produz dois hormônios, triiodotironina (T3) e tiroxina (T4), os quais regulam o metabolismo do corpo. A função da tireoide é controlada por uma glândula no cérebro conhecida como como pituitária ou hipófise. Essa glândula produz o hormônio tireoestimulante chamado de TSH (do inglês, thyroid-stimulating hormone), o qual estimula a tireoide a produzir T3 e T4. Quando a tireoide produz pouco hormônio ou a dose de tiroxina que o paciente toma está baixa em relação às necessidades do organismo, o TSH aumenta, sendo que quando acontece o contrário, o TSH diminui e fica abaixo do limite inferior da normalidade. Na prática clínica, o TSH é o exame que deve servir como triagem diagnóstica, já que a sua dosagem por ensaio quimioimunométrico de terceira geração tem limite de detecção de 0,01 mU/L. Com isso, é possível fazer o diagnóstico de hipo e hipertireoidismo, tendo como base a ausência de doença hipofisária ou hipotalâmica. Isso significa que mudanças muito pequenas no T4 livre induzem grandes variações na concentração de TSH.

Abrir arquivo em PDF

Recomendações sobre Diagnóstico e Tratamento da Espondilite Anquilosante (EA).

Sampaio-Barros, Percival Degrava et al.
Rev. Bras. Reumatol. 2013, vol.53, n.3, pp. 242-257.
Número: 2763 / Publicado em 22/10/2013 - 09:10

Em 2009, especialistas do grupo ASAS (Assessment on SpondyloArthritis International Society) propuseram a troca do nome do grupo para espondiloartrites (EpA), enfatizando os componentes axial ("espondilo") e periférico ("artrite") das doenças do grupo. Entre as doenças do grupo das EpA, sem dúvida a EA é a mais frequente e aquela que mais bem representa o conjunto das manifestações clássicas das EpA.

Abrir arquivo em PDF

Recomendações sobre Diagnóstico e Tratamento da Esclerose Sistêmica.

Sampaio-Barros, Percival Degrava et al
Rev. Bras. Reumatol. 2013, vol.53, n.3, pp. 258-275.
Número: 2762 / Publicado em 22/10/2013 - 09:06

A esclerose sistêmica (ES) é uma doença crônica do tecido conjuntivo caracterizada por manifestações ligadas à fibrose e disfunção vascular da pele e dos órgãos internos. Acredita-se que sua prevalência possa variar entre 30 e 300 indivíduos acometidos por milhão de pessoas adultas.

Abrir arquivo em PDF

Recomendações sobre Diagnóstico e Tratamento da Artrite Psoriásica.

Carneiro, Sueli et al.
Rev. Bras. Reumatol. 2013, vol.53, n.3, pp. 227-241.
Número: 2761 / Publicado em 22/10/2013 - 09:01

A psoríase cutânea é uma doença bastante frequente, podendo acometer 1-3% da população. Dentre as manifestações extracutâneas da psoríase, a artrite psoriásica (AP) é a mais frequente, afetando 8-42% dos pacientes psoriásicos. O quadro articular (artrite, entesite e/ou dactilite) pode cursar com significativa limitação funcional dos indivíduos acometidos. Por isso, seu diagnóstico precoce é importante para o estabelecimento de estratégias terapêuticas eficientes.

Abrir arquivo em PDF

Religião como um Fator Protetor para o Uso de Dogas entre Universitários Brasileiros: um estudo nacional

CISA - Centro de Informações sobre Saúde e Álcool
http://www.cisa.org.br
Número: 2760 / Publicado em 22/10/2013 - 08:05

Pesquisa aponta que universitários brasileiros que praticam religião são menos propensos a consumir bebidas alcoólicas e outras drogas do que aqueles que não praticam.

Abrir arquivo em PDF

Compreendendo o Uso de Álcool entre Universitários Brasileiros

CISA - Centro de Informações sobre Saúde e Álcool
http://www.cisa.org.br
Número: 2759 / Publicado em 22/10/2013 - 08:06

Dados do I Levantamento Nacional sobre o Uso de Álcool, Tabaco e Outras Drogas entre Universitários das 27 Capitais Brasileiras revelam como os universitários bebem e o quanto têm se exposto a comportamentos de risco.

Abrir arquivo em PDF

Footer - v1.3
Atualizado em
04/02/2016
Saude-Direta-Facebook Saude-Direta-LinkedIN Saude-Direta-Twitter