Profissionais: 5632
Prontuários: 218668

Esqueceu a senha? Cadastro da senha

Portal Saude Direta - Busca Palavra

BUSCA POR PALAVRA

POSTAGENS ANTERIORES

TAGS CLOUD

Protocolos - Algoritmos - Diretrizes - Fluxogramas

Baixar o Adobe Acrobat Reader
Para visualizar os conteúdos abaixo é necessário ter o Adobe Acrobat Reader instalado.

Advertência: Estes artigos e resumos são protegidos pela Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610/98), sendo vedada a sua transcrição sem citação da fonte e a sua reprodução com finalidades comerciais sem autorização dos autores.

Psoríase: Conceito, Epidemiologia, Genética e Imunopatogênese (Capítulo 1).

Silvio Alencar Marques
Consenso Brasileiro de Psoríase 2009 - Sociedade Brasileira de Dermatologia
Número: 705 / Publicado em 18/06/2012 - 21:26

Psoríase é uma doença inflamatória sistêmica de evolução crônica, com predileção pelo acometimento da pele e articulações. Na pele, caracteriza-se por lesões eritemato-descamativas múltiplas pelas quais podem formar placas. Acomete áreas de extensão e o couro cabeludo, e, em certas circunstâncias, a pele de maneira generalizada: eritrodermia. Nas articulações, ataca a inserção dos tendões, com dor e inflamação, seguindo-se de deformidade articular, principalmente nas pequenas articulações. É doença de etiologia multifatorial, em que fatores genéticos e influências ambientais levam à disfunção imunecelular, responsável pelo quadro inflamatório característico. Apresenta caráter recidivante e pode levar a grandes repercussões clínicas sistêmicas, já que envolvem diferentes comorbidades. O impacto negativo na qualidade de vida e sua alta prevalência fazem da psoríase uma doença de caráter social muito importante.

Abrir arquivo em PDF

Psoríase: Tratamento de Áreas Especiais (Capítulo 6).

Lúcia Arruda
Consenso Brasileiro de Psoríase 2009 - Sociedade Brasileira de Dermatologia
Número: 704 / Publicado em 18/06/2012 - 21:27

As regiões palmoplantares, as unhas, o couro cabeludo e as dobras, quando acometidas pela psoríase, apresentam características em comum: a dificuldade terapêutica, o alto índice de recidiva e a possibilidade de produzir incapacidades. Com base neste fato, a abordagem deve ser especial.

Abrir arquivo em PDF

Atendimento ao Acidente Vascular Cerebral - Parte I: Atendimento da Fase Aguda.

Projeto Nacional de Atendimento ao Acidente Vascular.
Coordenação Geral de Urgência e Emergência - Ministério da Saúde.
Número: 703 / Publicado em 18/06/2012 - 21:30

Com a finalidade de modificar o grande impacto econômico e social do AVC no Brasil, em 2008 a Coordenação Geral de Urgência e Emergência do Ministério da Saúde iniciou a organização da Rede Nacional de Atendimento ao AVC, com hospitais sendo capacitados em todos o país e interligados pelo SAMU. O objetivo é de implementar um programa de atendimento ao paciente com Acidente Vascular Cerebral, visando contemplar todos os níveis de atenção: reconhecimento da população, atendimento pré-hospitalar, hospitalar, reabilitação e prevenção.

Abrir arquivo em PDF

Manejo do Tratamento da Crise de Asma.

Mário Sérgio Monteiro Fonseca.
Protocolos Clínicos da COOPERCLIM – AM
Número: 702 / Publicado em 18/06/2012 - 21:33

A exacerbação da asma é uma causa freqüente de procura a serviços de urgência e emergência ocasionando devido a sua morbidade elevado absenteísmo ao trabalho e custos aos serviços de saúde, além de, infelizmente também ocasionar óbito. No Brasil, há uma média anual de 350 mil internações por asma pelo SUS com um total de 2 mil óbitos. Este manual tem como objetivo orientar as principais condutas que podem ser utilizadas para reversão da crise de asma.

Abrir arquivo em PDF

Arritmias e seus Tratamentos.

SAVC - Suporte Avançado de Vida em Cardiologia
American Heart Association - 2003
Número: 701 / Publicado em 18/06/2012 - 20:37

Conteúdo: Algoritmo para bradicardia (paciente sem parada cardíaca), TSV de complexo estreito, As taquicardias: Algoritmo geral, TV estável: monomórfica ou polimórfica, Taquicardia: a FA e o flutter atrial, Taquicardia: a FA e o flutter atrial associados com a síndrome de Wolff.Parkinson.White (WPW), Algoritmo para cardioversão sincronizada, Antiarrítmicos: Principais fármacos nos algoritmos e suas doses

Abrir arquivo em PDF

Cicatrizes Hipertróficas e Quelóides.

Carluz Miranda Ferreira, Evaldo Alves D´Assumpção.
Revista Brasileira de Cirurgia Plástica Vol. 21 nº 1 - Jan/Fev/Mar de 2006
Número: 699 / Publicado em 18/06/2012 - 20:40

Os autores fazem uma revisão da literatura e em sua prática clínica da fisiopatologia e das múltiplas formas preventivas e terapêuticas das cicatrizes hipertróficas e quelóides. Apesar dessas afecções serem conhecidas e descritas há quase dois séculos, seu manejo e terapia apresentam, ainda hoje, aspectos controvertidos e resultados, muitas vezes, insuficientes. É numerosa a variedade de técnicas, procedimentos e medicamentos empregados na terapêutica desses distúrbios. Os autores, com essa revisão, procuram mostrar os diferentes conceitos existentes, apresentando dois esquemas bastante práticos para a prevenção e o tratamento das mesmas.

Abrir arquivo em PDF

Protocolo de Tratamento Medicamentoso da Insuficiência Cardíaca.

Sofia Lagudis, Marcos Knobel, Adriana Perez, Paulo Campos, Walace Pimentel, Fernando Bacal.
Protocolos Gerenciados - Hospital Israelita Albert Einstein - 2006
Número: 697 / Publicado em 18/06/2012 - 20:59

Protocolo Gerenciado de Insuficiência Cardíaca (IC) e Tratamento Medicamentoso da IC.

Abrir arquivo em PDF

Avaliação de Protocolo de Prevenção e Tratamento de Úlceras de Pressão.

Marisol Louro, Margareth Ferreira, Pedro Póvoa.
Revista Brasileira de Terapia Intensiva Vol. 19 Nº 3, Julho-Setembro, 2007
Número: 696 / Publicado em 18/06/2012 - 21:00

As úlceras de pressão (UP) são definidas como “Uma área de lesão localizada da pele e dos tecidos subjacentes, causadas por pressão, tensão tangencial, fricção e/ou uma combinação destes fatores”. Elas constituem um importante problema com que os profissionais da saúde freqüentemente se deparam. Custam e afetam milhões de pacientes, nos lares, nos centros de saúde, nas instituições hospitalares e, em particular, nas unidades de terapia intensiva (UTI). De acordo com os dados epidemiológicos publicados, a taxa de incidência e prevalência destas lesões é maior nas UTI.

Abrir arquivo em PDF

Diagnóstico e Tratamento do Melanoma Cutâneo.

Sociedade Brasileira de Dermatologia.
Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina.
Número: 695 / Publicado em 18/06/2012 - 21:02

O melanoma cutâneo primário (MC) é definido como qualquer lesão primária de melanoma da pele, independente da espessura tumoral, em pacientes sem evidências clínicas ou histológicas de doença metastática regional ou à distância.

Abrir arquivo em PDF

Seqüência de Robin: Protocolo Único de Tratamento.

Ilza L. Marques, Telma V. de Sousa, Arakem F. Carneiro, Suely P. de B. A. Peres, Marco A. Barbieri, Heloisa Bettiol.
J Pediatr (Rio J). 2005;81(1):14-22
Número: 694 / Publicado em 18/06/2012 - 21:03

A seqüência de Robin (SR) é descrita na literatura como uma tríade de anomalias caracterizada por micrognatia, glossoptose e fissura de palato. Apesar da fissura palatina estar presente na maioria dos casos, pode estar ausente em alguns. Clinicamente, a tríade se expressa por obstrução das vias aéreas e dificuldades alimentares que são mais freqüentes e mais graves no período neonatal. A heterogeneidade das manifestações clínicas também é uma de suas características, podendo a criança expressar desde leve dificuldade respiratória e alimentar até graves crises de asfixia, que podem levar ao óbito se não houver rápida intervenção médica.

Abrir arquivo em PDF

Footer - v1.3
Atualizado em
04/02/2016
Saude-Direta-Facebook Saude-Direta-LinkedIN Saude-Direta-Twitter