Profissionais: 5306
Prontuários: 188858

Esqueceu a senha? Cadastro da senha

Portal Saude Direta - Busca Palavra

BUSCA POR PALAVRA

POSTAGENS ANTERIORES

TAGS CLOUD

Protocolos - Algoritmos - Diretrizes - Fluxogramas

Baixar o Adobe Acrobat Reader
Para visualizar os conteúdos abaixo é necessário ter o Adobe Acrobat Reader instalado.

Advertência: Estes artigos e resumos são protegidos pela Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610/98), sendo vedada a sua transcrição sem citação da fonte e a sua reprodução com finalidades comerciais sem autorização dos autores.

Retalho Cutâneo de Transposição e Rotação

Hamilton Stolf
Sociedade Brasileira de Dermatologia
Número: 2830 / Publicado em 27/06/2014 - 08:25

Os retalhos cutâneos são a melhor maneira de fechar feridas cirúrgicas extensas preservando a estética e a função.

Abrir arquivo em PDF

Como Perfurar o Lóbulo da Orelha para Colocação de Adornos

Hamilton Stolf e Eloisa P. de Campos
Sociedade Brasileira de Dermatologia
Número: 2829 / Publicado em 27/06/2014 - 08:22

O passo a passo de um procedimento simples que pode ser realizado por todos no dia-a-dia do consultório médico

Abrir arquivo em PDF

Bloqueios Anestésicos Úteis em Cirurgia Dermatológica

Aldo Toschi
Sociedade Brasileira de Dermatologia
Número: 2828 / Publicado em 27/06/2014 - 08:19

Procedimentos de rotina que necessitam de aprimoramento diário. Exemplos práticos e bem ilustrados mostram formas de utilização dos bloqueios anestésicos. (As fotos de bloqueios infraorbitário e mentoniano estão trocadas)

Abrir arquivo em PDF

Doenças Granulomatosas Ocupacionais

Bagatin E, Pereira CAC, Afiune JB
J Bras Pneumol. 2006;32(Supl 1):S69-S84
Número: 2827 / Publicado em 26/06/2014 - 12:01

Por apresentarem achados comuns caracterizados pela formação de granulomas; manisfestações sistêmicas e respiratórias; exposição ambiental e ocupacional a agentes orgânicos e inorgânicos; envolvimento de linfócitos T em sua patogênese e aspectos clínicos similares, a pneumonite por hipersensibilidade, as micobacterioses, a sarcoidose e as doenças pulmonares por exposição ao berílio e aos metais duros, foram englobadas numa denominação didática como doenças granulomatosas de provável etiologia ocupacional.

Abrir arquivo em PDF

Guia de Investigação, Manejo e Prevenção das Comorbidades Associadas ao HIV

Ana Carla Carvalho de Mello e Silva
Instituto de Infectologia Emílio Ribas
Número: 2826 / Publicado em 26/06/2014 - 11:48

Capítulo 1 - Prevenção/Identificação Precoce de Comorbidades, Capítulo 2 - Risco Cardiovascular, Capítulo 3 - Hipertensão Arterial sistêmica, Capítulo 4 - Diabetes, Capítulo 5 - Dislipidemias, Capítulo 6 - Hipogonadismo, Capítulo 7 - Doenças Renais, Capítulo 8 - Osteopenia/Osteoporose, Capítulo 9 - Lipodistrofia, Capítulo 10 - Alterações Neurocognitivas, Capítulo 11 - Depressão, Capítulo 12 - Alteração de Enzimas, Capítulo 13 - Linfoma, Capítulo 14 - Sarcoma de Kaposi, Capítulo 15 - Neoplasias

Abrir arquivo em PDF

Emergências em Doenças das Valvas Cardíacas

Flato UAP, Guimarães HP, Lopes RD e col
Rev Bras Clin Med, 2009;7:15-20
Número: 2825 / Publicado em 26/06/2014 - 11:40

As emergências cardíacas valvares (ECV) são potencialmente letais e seu rápido diagnóstico e tratamento são fatores determinantes na me­lhoria das taxas de morbimortalidade. O objetivo deste es­tudo foi rever as principais manifestações clínicas das ECV e aspectos relevantes de seu tratamento.

Abrir arquivo em PDF

Consenso em Paracoccidioidomicose

Shikanai-Yassuda MA cols
Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical 39(3):297-310, mai-jun, 2006
Número: 2824 / Publicado em 26/06/2014 - 11:33

Micose sistêmica endêmica de grande interesse para os países da América Latina, a paracoccidioidomicose (PCM) é causada pelo fungo termo-dimórfico Paracoccidioides brasiliensis. Apresenta distribuição heterogênea, havendo áreas de baixa e alta endemicidade. No adulto, a forma clínica predominante é a crônica, mas quando acomete crianças ou adolescentes apresenta-se na forma aguda ou subaguda. Quando não diagnosticada e tratada oportunamente, pode levar a formas disseminadas graves e letais, com rápido e progressivo envolvimento dos pulmões, tegumento, gânglios, baço, fígado e órgãos linfóides do tubo digestivo.

Abrir arquivo em PDF

Animais Aquáticos de Importância Médica no Brasil

Vidal Haddad Junior
Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical 36(5):591-597, set-out, 2003
Número: 2822 / Publicado em 25/06/2014 - 11:03

Os acidentes por animais aquáticos venenosos e traumatizantes podem provocar morbidez importante em humanos. Em 236 ocorrências por animais marinhos observadas pelo autor, os ouriços-do-mar causaram cerca de 50%, os cnidários (cubomedusas e caravelas) 25% e peixes venenosos (bagres, arraias e peixes-escorpião) 25% dos acidentes. Nos rios e lagos, as arraias, bagres e mandis causam acidentes que têm mecanismo do envenenamento e efeitos das toxinas semelhantes às espécies marinhas. Em uma série de cerca de 200 acidentes em pescadores de água doce, quase 40% foram causados por bagres e mandis, 5% por arraias de água doce e 55% por peixes traumatogênicos, como as piranhas e as traíras. O autor demonstra os principais animais aquáticos que causam acidentes no Brasil, apresenta aspectos clínicos dos envenenamentos e discute medidas terapêuticas para o controle da intensa sintomatologia observada principalmente nos acidentes causados por cnidários e peixes venenosos.

Abrir arquivo em PDF

Manual de Dermatologia para a Educação Permanente dos Médicos que atuam na Atenção Primária no Interior do Estado do Amazonas

Melissa de Souza Melo Cavalcante
http://www.unifesp.br/centros/cedess/
Número: 2821 / Publicado em 24/06/2014 - 12:03

Diante da situação de carência de atenção médica especializada no interior do estado do Amazonas e da dificuldade de identificar e conduzir o tratamento das doenças de pele mais prevalentes, os médicos generalistas se auxiliam de serviços oferecidos pelo telessaúde como teleconsultorias e segunda opinião formativa para orientações de tratamentos no atendimento de doenças cutâneas.

Abrir arquivo em PDF

Guia Prático de Diagnóstico e Tratamento da Alergia às Proteínas do Leite de Vaca (APLV) mediada pela imunoglobulina E

Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia, e Sociedade Brasileira de Alimentação e Nutrição
Rev. bras. alerg. imunopatol. – Vol. 35. N° 6, 2012
Número: 2820 / Publicado em 16/06/2014 - 10:54

A real dimensão da APLV na população geral é desconhecida. Dados obtidos são muito variados e refletem diferenças nas populações avaliadas (geral, acometidas, faixa etária, entre outros), assim como nos critérios empregados (entrevista, questionário, desencadeamento oral, pesquisa de IgE específica) na sua obtenção. Em crianças, nos primeiros anos de vida, a incidência de APLV tem sido referida oscilar entre 0,3% e 7,5%. Por outro lado, empregando-se o critério de autorrelato, tais índices são apontados variar entre 5% e 15%.

Abrir arquivo em PDF

Footer - v1.3
Atualizado em
04/02/2016
Saude-Direta-Facebook Saude-Direta-LinkedIN Saude-Direta-Twitter