Profissionais: 7090
Prontuários: 489121

Portal Saúde Direta - Busca Palavra

BUSCA POR PALAVRA

POSTAGENS ANTERIORES

TAGS CLOUD

Protocolos Algoritmos Diretrizes Fluxogramas

Advertência: Estes artigos e resumos são protegidos pela Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610/98), sendo vedada a sua transcrição sem citação da fonte e a sua reprodução com finalidades comerciais sem autorização dos autores.

Adobe Acrobat Reader
É necessário o Adobe Acrobat Reader instalado.

Conduta frente às Malformações Genitais Uterinas: Revisão Baseada em Evidências.

Bagnoli, Vicente Renato; Fonseca, Angela Maggio da; Fassolas, George; Arie, Maria Hermínia Alegre; Arie, Wilson Maça Yuki; Baracat, Edmund Chada
Femina;38(4)abr. 2010.
Número: 748 / Publicado em 19/06/2012 - 08:24

Este trabalho de revisão foi idealizado para analisar as malformações dos ductos de Müller, que, devido à sua frequência de 3 a 7,3% na população em geral, justificam uma análise mais profunda do tema. O objetivo foi avaliar, de acordo com a literatura, por meio de metodologia adequada, os aspectos mais relevantes dessas anomalias, com destaque para a etiopatogenia, classificação, diagnóstico e tratamento. Os resultados obtidos nesta revisão apontaram as melhores evidências, até o momento, de como conduzir as mulheres portadoras dessas malformações.

Abrir arquivo em PDF

Depressão Pós-Parto: Tratamento Baseado em Evidências.

Ibiapina, Flávio Lúcio Pontes; Alves, Julio Augusto Gurgel; Busgaib, Rosana Pereira Sá; Costa, Fabricio Silva
Femina;38(3)mar. 2010.
Número: 747 / Publicado em 19/06/2012 - 08:25

A depressão pós-parto é uma condição clínica séria no puerpério, atingindo aproximadamente 10 a 20% das mulheres nos seis primeiros meses após o parto, sendo muitas vezes não-investigada nem diagnosticada, com impacto negativo para a mãe e a criança. Fatores de risco biológicos e psicossociais têm sido descritos na literatura, relacionados com a depressão pós-parto, porém, seu mecanismo fisiopatológico ainda não é totalmente esclarecido. Objetivou-se com este trabalho avaliar criticamente a literatura científica quanto ao tratamento da depressão pós-parto, com base na literatura disponível. Há evidência de eficácia de algumas intervenções terapêuticas como psicoterapia, antidepressivos e exercício físico no tratamento entre 1 e 12 semanas de duração. Dificuldades para a adesão e continuidade da terapia envolvem o temor de efeitos indesejáveis das medicações sobre os lactentes no início do uso destas e sobre as crianças no longo prazo, além da dificuldade de acesso ao acompanhamento psicológico.

Abrir arquivo em PDF

Diretrizes para o Tratamento Cirúrgico das Doenças da Aorta da Sociedade Brasileira de Cirurgia Cardiovascular: Atualização 2009.

Albuquerque, Luciano Cabral; Braile, Domingo Marcolino; Palma, José Honório; Saadi, Eduardo Keller; Almeida, Rui Manuel Sequeira de; Gomes, Walter José; Buffolo, Enio
Rev Bras Cir Cardiovasc;24(2,supl.1): 7-33, 2009.
Número: 746 / Publicado em 19/06/2012 - 08:26

A despeito dos avanços ocorridos nos exames diagnósticos, nos métodos de monitorização e suporte hemodinâmico, e nas técnicas de correção cirúrgica, as doenças da aorta continuam sendo importante causa de mortalidade e morbidade cardiovascular, e um permanente desafio a cardiologistas e cirurgiões.

Abrir arquivo em PDF

Implementação de um Programa para Evitar Possíveis Interações Fármaco-Alimento em Pacientes Adultos Internados em Unidades Clínicas e Cirúrgicas de um Hospital Universitário.

Magedanz, Lucas; Jacoby, Thalita; Silva, Daiandy da; Santos, Luciana dos; Martinbiancho, Jacqueline; Zuckermann, Joice.
Rev. HCPA & Fac. Med. Univ. Fed. Rio Gd. do Sul;29(1): 29-32, maio 2009.
Número: 745 / Publicado em 19/06/2012 - 08:28

No ambiente hospitalar, a ocorrência de interações fármaco-alimento (IFA) detém grande importância clínica, uma vez que pode comprometer a eficiência da terapia medicamentosa. Em decorrência disso, muitos programas informatizados foram desenvolvidos e são apontados na literatura como importantes ferramentas na revisão de prescrições médicas, mostrando-se capazes de reduzir as consequências das interações medicamentosas.

Abrir arquivo em PDF

Complexidade do Regime Terapêutico Prescrito para Idosos.

Acurcio, Francisco de Assis; Silva, Anderson Lourenço da; Ribeiro, Andréia Queiroz; Rocha, Natália Pessoa; SilveIra, Micheline Rosa; Klein, Carlos Henrique; Rozenfeld, Suely
Rev Assoc Med Bras;55(4): 468-474, 2009.
Número: 744 / Publicado em 19/06/2012 - 08:29

Idosos com piores condições socioeconômicas e de saúde parecem mais propensos a receber esquemas terapêuticos mais complexos. Terapias mais complexas estão associadas ao menor cumprimento do tratamento proposto, sendo um importante aspecto a se considerar na atenção à saúde do idoso. A simplificação da terapia pode melhorar o autocuidado entre idosos.

Abrir arquivo em PDF

Adesão ao Tratamento em Hipertensão Arterial Sistólica Isolada: [revisão]

Gusmão, Josiane Lima de; Ginani, Giordano Floripes; Silva, Giovanio Vieira da; Ortega, Katia Coelho; Mion Junior, Décio
Rev. bras. hipertens;16(1): 38-43, jan.-mar. 2009.
Número: 743 / Publicado em 19/06/2012 - 08:29

O arsenal terapêutico para doenças crônicas, como hipertensão arterial, recebe frequentemente novos medicamentos. Entretanto, mesmo com todo esse investimento, quem trata de pacientes com essas condições continua esbarrando em um problema secular, a falta de adesão à terapêutica, seja ela medicamentosa ou não. Em relação à hipertensão arterial sistólica isolada garantir a adesão é ainda mais difícil, porque é condição relacionada à faixa etária mais avançada. Neste grupo de pacientes, vários fatores agem para levar a pior adesão, desde limitações do paciente, necessidade de cuidadores e prescrições com muitos itens. Abordar o tema adesão em pacientes com essas peculiaridades requer visão individualizada, mas multiprofissional.

Abrir arquivo em PDF

Instrução Técnica para a Prescrição e a Utilização de Penicilinas e Prevenção da Sífilis Congênita.

Secretaria Municipal da Saúde - 1ª Edição.
Prefeitura do Município de São Paulo
Número: 742 / Publicado em 19/06/2012 - 08:00

A diminuição do uso da penicilina deve-se à interpretação errônea das portarias do Centro de Vigilância Sanitária.

Abrir arquivo em PDF

Criança de 2 meses a 5 anos de Idade: Abordagem da Criança com Infecções Respiratórias Superiores, Avaliações Periódicas da Criança, Pirâmide Alimentar. (Anexo)

Atenção Integrada às Doenças Prevalentes na Infância (AIDPI).
Organização Mundial da Saúde/Organização Pan-Americana da Saúde.
Número: 741 / Publicado em 19/06/2012 - 08:11

A Organização Mundial da Saúde/Organização Pan-Americana da Saúde (OMS/OPS) e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) formularam a estratégia de Atenção Integrada às Doenças Prevalentes na Infância (AIDPI) com o objetivo de reduzir a morbidade e mortalidade em crianças com menos de cinco anos de idade e de melhorar a qualidade da atenção que lhes é prestada nos serviços de saúde e no lar.

Abrir arquivo em PDF

Criança de 2 meses a 5 anos de Idade: Atendimento de Retorno (Capítulo 7).

Atenção Integrada às Doenças Prevalentes na Infância (AIDPI).
Organização Mundial da Saúde/Organização Pan-Americana da Saúde.
Número: 740 / Publicado em 19/06/2012 - 08:13

Algumas crianças doentes têm de retornar para que o médico as veja de novo. Terá de ser dito às mães quando elas devem regressar para a consulta de retorno. Nessa consulta, o médico pode ver se a criança está melhorando com o medicamento utilizado ou outro tratamento prescrito.

Abrir arquivo em PDF

Criança de 2 meses a 5 anos de Idade: Aconselhamento da Mãe ou Acompanhante (Capítulo 6).

Atenção Integrada às Doenças Prevalentes na Infância (AIDPI).
Organização Mundial da Saúde/Organização Pan-Americana da Saúde.
Número: 739 / Publicado em 19/06/2012 - 08:14

Quando as crianças doentes são encaminhadas para casa, é fundamental fazer recomendações à mãe sobre quando ela deverá voltar para o atendimento de retorno e ensinar-lhe a reconhecer os sinais que indicam quando deverá voltar imediatamente para que a criança possa receber outros cuidados. As orientações referem-se à alimentação da criança doente e/ou com deficiência de peso.

Abrir arquivo em PDF

Portal Saúde Direta - Footer
Atualizado em
17/06/2020
Saude-Direta-Facebook Saude-Direta-LinkedIN Saude-Direta-Twitter