Profissionais: 5632
Prontuários: 218668

Esqueceu a senha? Cadastro da senha

Portal Saude Direta - Busca Palavra

BUSCA POR PALAVRA

POSTAGENS ANTERIORES

TAGS CLOUD

Protocolos - Algoritmos - Diretrizes - Fluxogramas

Baixar o Adobe Acrobat Reader
Para visualizar os conteúdos abaixo é necessário ter o Adobe Acrobat Reader instalado.

Advertência: Estes artigos e resumos são protegidos pela Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610/98), sendo vedada a sua transcrição sem citação da fonte e a sua reprodução com finalidades comerciais sem autorização dos autores.

Manual de Controle do Tracoma

Fundação Nacional de Saúde
Ministério da Saúde - Brasília / DF • 2001
Número: 2163 / Publicado em 02/04/2012 - 08:55

O tracoma é uma afecção inflamatória ocular crônica, uma ceratoconjuntivite crônica recidivante que, em decorrência de infecções repetidas, produz cicatrizes na conjuntiva palpebral, podendo levar à formação de entrópio (pálpebra com a margem virada para dentro do olho) e triquíase (cílios invertidos tocando o olho). As lesões resultantes deste atrito podem levar a alterações da córnea, causando cegueira.

Abrir arquivo em PDF

Orientações para Uso: Corticosteroides em Hanseníase

Secretaria de Vigilância em Saúde - Série A. Normas e Manuais Técnicos
Ministério da Saúde - Brasília / DF • 2010
Número: 2161 / Publicado em 02/04/2012 - 08:46

Em hanseníase, os corticosteroides são comumente usados para prevenir o dano neural associado à doença (reações tipo 1 e 2), por um período de tempo longo e variável. Esse processo pode envolver não apenas a atenção primária, mas também a especializada e requer profissionais qualificados para manejar a terapia e possíveis complicações.

Abrir arquivo em PDF

Protocolo para a Prevenção de Transmissão Vertical de HIV e Sífilis

Secretaria de Vigilância em Saúde
Ministério da Saúde - Brasília / DF 2006
Número: 2160 / Publicado em 03/08/2012 - 09:43

Este “Protocolo para a Prevenção Vertical de HIV e Sífilis” tem o objetivo de contribuir para a melhoria da qualidade na atenção destas mulheres e recém-nascidos, resultando em uma redução das taxas de transmissão vertical do HIV e a eliminação da sífilis congênita como um problema de saúde pública. Espera-se que este protocolo, organizado por profissionais do Programa Nacional de DST e Aids, Área Técnica de Saúde da Mulher, FUNASA e Departamento de Atenção Básica do Ministério da Saúde, através de revisão extensa de literatura, seja útil para todos os profissionais envolvidos no atendimento das gestantes e seus bebês, aprimorando a qualidade da atenção no pré-natal e puericultura.

Abrir arquivo em PDF

Caderno de Atenção Básica: Manual Técnico para o Controle da Tuberculose

Secretaria de Políticas de Saúde - Série A. Normas e Manuais Técnicos; n. 148
Ministério da Saúde - Brasília – DF 2002
Número: 2159 / Publicado em 02/04/2012 - 09:21

Destinado a profissionais de saúde da Atenção Básica, o presente manual visa à capacitação de recursos humanos, como parte da mobilização nacional empreendida pelo MS com o fim de intensificar as ações de controle da tuberculose. Dentre as medidas ressaltadas aqui, ensina-se a abordagem clínica do paciente e respondem-se questões operacionais nas ações de controle da tuberculose no País.

Abrir arquivo em PDF

Dengue: Manual de Enfermagem para Adulto e Criança

Secretaria de Vigilância em Saúde - Série A. Normas e Manuais Técnicos
Ministério da Saúde - Brasília / DF • 2008
Número: 2158 / Publicado em 02/04/2012 - 09:22

Esta publicação cumpre o papel de informar e atualizar os conhecimentos dos profissionais de enfermagem, visando à melhoria da qualidade da assistência integral prestada ao paciente com dengue. Assim, procura prevenir a ocorrência de formas graves e, conseqüentemente, reduzir a letalidade por dengue, o principal objetivo do Programa Nacional de Controle da Dengue.

Abrir arquivo em PDF

Artrites Pós-Infecciosas, Febre Reumática, Gota

Raniê Ralph
http://www.ranieralph.com/residecircncia-meacutedica.html
Número: 2157 / Publicado em 01/04/2012 - 18:15

Após o surgimento da infecção, em alguns pacientes, o organismo monta uma resposta imune celular e humoral que combate o processo infeccioso e por reação cruzada (semelhança entre antígenos bacterianos e de tecidos) surge inflamação no tecido celular subcutâneo, na articulação, pele e coração.

Abrir arquivo em PDF

Vasculites

Raniê Ralph
http://www.ranieralph.com/residecircncia-meacutedica.html
Número: 2156 / Publicado em 01/04/2012 - 18:08

Quando um surto inflamatório acomete uma artéria, ela fica desorganizada, os elementos da parede arterial podem ser destruídos e a formação de um aneurisma pode ser reflexo de uma vasculite; dependendo da resposta do vaso ao processo inflamatório pode haver redução do lúmen e isquemia tecidual. Além de sinais vasculares, como sinais isquêmicos e aneurismas, os pacientes com vasculites tem sinais de inflamação em andamento: adinamia, perda ponderal, VHS aumentada.

Abrir arquivo em PDF

Pneumonias Adquiridas na Comunidade (PAC)

Raniê Ralph
http://www.ranieralph.com/residecircncia-meacutedica.html
Número: 2155 / Publicado em 31/03/2012 - 08:06

Não solicitamos RX para dar DX de PN. Solicitamos o RX para avaliar a presença de complicações. O RX não acompanha a clínica... às vezes, o paciente não tem pneumonia e a imagem radiológica permanece, especialmente nos pacientes idosos onde a imagem pode durar por até 3-5 meses...Ou seja, RX não é DX nem controle de cura.

Abrir arquivo em PDF

Como Eu Trato a Doença do Refluxo Gastroesofágico (DRGE)

José Nonato Fernandes Spinelli
Médico Repórter julho / agosto 2007
Número: 2154 / Publicado em 31/03/2012 - 07:53

Consenso Brasileiro da Doença do Refluxo Gastroesofágico (CBDRGE) definiu a doença do refluxo gastroesofágico (DRGE) como uma afecção crônica decorrente do fluxo retrógrado do conteúdo gastroduodenal para o esôfago e/ou órgãos adjacentes a ele, acarretando um espectro variável de sintomas e/ou sinais esofagianos e/ou extra-esofagianos, associados ou não a lesões teciduais. A DRGE constitui-se em uma doença muito freqüente na prática médica atual.

Abrir arquivo em PDF

Como Eu Trato o Câncer de Próstata Refratário à Castração

Rafael Aliosha Kaliks Guendelmann
einstein: Educ Contin Saúde. 2011;9(4 Pt 2): 219-20
Número: 2153 / Publicado em 31/03/2012 - 07:46

Deprivação androgênica continua sendo a primeira linha de tratamento sistêmico do câncer de próstata metastático. Quando a doença se torna refratária à castração (seja química ou seja cirúrgica), a manipulação hormonal em segunda linha, ainda utilizada na maioria dos casos, proporciona alguns meses de controle da doença, mas sem impacto na sobrevida.

Abrir arquivo em PDF

Footer - v1.3
Atualizado em
04/02/2016
Saude-Direta-Facebook Saude-Direta-LinkedIN Saude-Direta-Twitter