Profissionais: 5759
Prontuários: 232288

Esqueceu a senha? Cadastro da senha

Portal Saude Direta - Busca Palavra

BUSCA POR PALAVRA

POSTAGENS ANTERIORES

TAGS CLOUD

Protocolos - Algoritmos - Diretrizes - Fluxogramas

Baixar o Adobe Acrobat Reader
Para visualizar os conteúdos abaixo é necessário ter o Adobe Acrobat Reader instalado.

Advertência: Estes artigos e resumos são protegidos pela Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610/98), sendo vedada a sua transcrição sem citação da fonte e a sua reprodução com finalidades comerciais sem autorização dos autores.

Bronquiolite

Médicos do Hospital Infantil João Paulo II
Fundação Hosptalar do Estado de Minas Gerais - FHEMIG 2012
Número: 2550 / Publicado em 08/08/2012 - 11:33

A Bronquiolite é a infecção do trato respiratório inferior mais comum (90%) em lactentes menores de 2 anos de idade, sendo uma importante causa de procura por atendimento médico de urgência e de internações. Ocorre principalmente durante a sazonalidade, nos meses de abril a agosto. As reinfecções são comuns e podem ocorrer em crianças maiores. O Vírus Sincicial Respiratório (VSR) é seu mais frequente agente etiológico. Outros agentes menos comuns são metapneumovirus, influenza, adenovirus, parainfluenza e bocavírus, podendo haver co-infecção viral em 6-30% dos casos.

Abrir arquivo em PDF

Recomendações para o Diagnóstico e Terapêutica da Osteoporose

Viviana Tavares, Helena Canhão, José António Melo Gomes, Eugénia Simões, José Carlos Romeu, Paulo Coelho, Rui André Santos,Armando Malcata, Domingos Araújo, Carlos Vaz, Jaime Branco
ACTA REUM PORT. 2007;32:49-59
Número: 2548 / Publicado em 08/08/2012 - 11:14

A osteoporose (OP) é caracterizada por diminuição da massa óssea e deterioração da microarquitectura do osso, conduzindo ao aumento do risco de fractura.

Abrir arquivo em PDF

Diretriz de Tratamento Farmacológico da Dor

Diretrizes Assistenciais
Hospital Israelita Albert Einstein - março 2012
Número: 2547 / Publicado em 08/08/2012 - 11:10

Diretriz que orienta a prescrição de fármacos que visam aliviar a Dor Aguda e Crônica

Abrir arquivo em PDF

Diretrizes para Cessação do Tabagismo – 2008

Reichert J, Araújo AJ, Gonçalves CMC, Godoy I, Chatkin JM, Sales MPU et al.
J Bras Pneumol. 2008;34(10):845-880
Número: 2546 / Publicado em 08/08/2012 - 11:05

Estas diretrizes constituem uma ferramenta atualizada e abrangente para auxiliar o profissional de saúde na abordagem do tabagista, recomendando atitudes baseadas em evidências clínicas como a melhor forma de conduzir cada caso. De forma reduzida e mais objetiva possível, o texto final foi agrupado em dois grandes itens: Avaliação e Tratamento. Os dois itens apresentam comentários e níveis de recomendação das referências utilizadas, bem como algumas propostas de abordagem, como por exemplo, redução de danos, em situações específicas ainda pouco exploradas, como recaídas, tabagismo passivo, tabagismo na categoria médica e uso de tabaco em ambientes específicos.

Abrir arquivo em PDF

Diagnóstico e Tratamento Precoces da Sepse em Adulto

Maria Beatriz Gandra de Souza Dias
Hospital Sírio-Libanês janeiro de 2012
Número: 2545 / Publicado em 08/08/2012 - 11:01

A sepse é uma síndrome caracterizada por um conjunto de manifestações graves em todo o organismo e que tem, como causa, uma infecção. A sepse era conhecida antigamente como septicemia ou infecção no sangue. Hoje é mais conhecida como infecção generalizada.

Abrir arquivo em PDF

Antibióticos que Atuam Como Antibacterianos

Edilberto Antonio Souza de Oliveira
www.easo.com.br
Número: 2543 / Publicado em 08/08/2012 - 09:02

O termo microrganismo ou micróbio é utilizado, geralmente, para descrever bactérias, fungos e vírus. E, a palavra parasita é utilizada quando referimos, principalmente, a helmintos e protozoários, embora também este termo parasita possa ser utilizado para se referir a qualquer organismo capaz de provocar uma ou mais doenças.

Abrir arquivo em PDF

Uso Sistêmico de Corticosteróides: Revisão da Literatura

Ana Líbia Cardozo Pereira, Flávia Clarissa Bortolini Bolzani, Mariane Stefani, Raúl Charlín
Med Cutan Iber Lat Am 2007;35(1):35-50
Número: 2541 / Publicado em 08/08/2012 - 08:45

Os glicocorticóides (GC) sistêmicos são medicamentos amplamente utilizados por várias especialidades médicas, inclusive a dermatologia, por seus excelentes efeitos antiinflamatórios e imunossupressores. São muitas as dermatoses que apresentam indicação primária do uso desta classe de medicamentos. Por isso, o médico deve estar familiarizado com a farmacologia do medicamento, assim como sua administração e efeitos colaterais; entretanto não há muitos artigos recentes na literatura esclarecendo todos esses aspectos. Esse artigo visa revisar todos esses temas citados anteriormente, abordando principalmente medidas profiláticas aos possíveis e freqüentes efeitos colaterais.

Abrir arquivo em PDF

Antimicrobianos em Dermatologia

Lenita Wannmacher
Organização Pan-Americana da Saúde/ Organização Mundial da Saúde - Brasil, 2006.
Número: 2540 / Publicado em 08/08/2012 - 08:40

Antimicrobianos tópicos têm sido usados no tratamento de infecções dermatológicas comuns, de leve a moderada intensidade, por serem administrados proximamente ao sítio de lesão e apresentarem menor potencial de risco. Embora com limitada evidência, mostram-se tão eficazes quanto os antimicrobianos sistêmicos em uma série de infecções de pele e tecidos moles. Já sua eficácia em quimioprofilaxia é bastante discutível, dando-se preferência a outras medidas de controle. As propriedades farmacodinâmicas e farmacocinéticas apontadas não justificam o uso disseminado e contínuo de antimicrobianos tópicos nas mais diversas infecções (do pé diabético à dermatite de fraldas), pois tal resulta em elevado potencial para o desenvolvimento de resistência microbiana. Assim, desestimula-se o uso abusivo desses medicamentos nos serviços de saúde.

Abrir arquivo em PDF

Laser: Fundamentos e Indicações em Dermatologia

Maria Goreti Catorze
Med Cutan Iber Lat Am 2009;37(1):5-27
Número: 2539 / Publicado em 08/08/2012 - 08:35

“Laser” é um acrónimo de “Light Amplification by Stimulated Emission of Radiation”. Na prática, são dispositivos que produzem radiação electromagnética (REM) por um processo denominado “emissão estimulada”. A luz laser é coerente, monocromática e colimada o que a distingue das outras formas de REM e lhe dá potencialidades próprias. Estas características têm sido aproveitadas em numerosas áreas nomeadamente na medicina. Em 1964 foi inventado o laser de CO2 que continua a ser usado como laser cirúrgico. A par do laser Erbium:YAG, o laser de CO2 também é usado no rejuvenescimento cutâneo tanto no modo normal, em que a pele é atingida de forma uniforme pelo feixe laser, como no modo fraccionado, em que o feixe laser emite radiação como se fosse um chuveiro. Mais recentemente surgiram lasers de rejuvenescimento cutâneo que actuam na derme com atingimento mínimo da epiderme. São os chamados sistemas não ablativos. Em 1983, o conceito de fototermólise selectiva postula que uma substância pode ser atingida selectivamente se o comprimento de onda da emissão laser for idêntico ao dessa mesma substância. Este conceito deu origem ao aparecimento de lasers que actuam de forma específica em certos tecidos ou pigmentos como a hemoglobina, pigmentos externos das tatuagens e melanina da pele e dos pêlos. A luz intensa pulsada não é um laser mas é usada de acordo com os mesmos princípios e permite seleccionar comprimentos de onda com utilidade no fotorrejuvenescimento e epilação.

Abrir arquivo em PDF

Corticosteróides Sistêmicos na Prática Dermatológica. Parte II – Estratégias para Minimizar os Efeitos Adversos

Thais Helena Proença de Freitas e Daniella Abbruzzini Ferreira de Souza
An Bras Dermatol. 2007;82(2):177-82
Número: 2538 / Publicado em 08/08/2012 - 08:31

Os efeitos benéficos dos corticosteróides sistêmicos no tratamento e/ou controle de inúmeras dermatoses é inquestionável. No entanto, o dermatologista deve conhecer os principais efeitos adversos destas drogas e adotar medidas apropriadas com o intuito de evitar danos maiores à saúde do paciente. Este artigo discorre sobre as medidas pré-corticoterapia e o seguimento clínico do paciente durante o tratamento, de modo que as complicações possam ser diagnosticadas e controladas prontamente.

Abrir arquivo em PDF

Footer - v1.3
Atualizado em
04/02/2016
Saude-Direta-Facebook Saude-Direta-LinkedIN Saude-Direta-Twitter