Profissionais: 5632
Prontuários: 218668

Esqueceu a senha? Cadastro da senha

Portal Saude Direta - Busca Palavra

BUSCA POR PALAVRA

POSTAGENS ANTERIORES

TAGS CLOUD

Protocolos - Algoritmos - Diretrizes - Fluxogramas

Baixar o Adobe Acrobat Reader
Para visualizar os conteúdos abaixo é necessário ter o Adobe Acrobat Reader instalado.

Advertência: Estes artigos e resumos são protegidos pela Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610/98), sendo vedada a sua transcrição sem citação da fonte e a sua reprodução com finalidades comerciais sem autorização dos autores.

Proposta de Protocolo Hidroterapêutico para Fraturas de Fêmur na Terceira Idade.

Juliana Monteiro Canderolo e Rodrigo Renado da Silva.
Universidade Bandeirantes de São Paulo.
Número: 1171 / Publicado em 23/06/2012 - 07:40

O aumento da expectativa de vida, ocorrido ao longo dos últimos anos, devido, principalmente aos avanços da medicina e na produção mundial de alimentos, vem permitindo um paulatino e persistente envelhecimento da população. O grupo etário de mais de 65 anos aumentou cerca de 2,2% a cada ano. O tratamento hidroterapêutico nas fraturas de fêmur na terceira idade, possui muita eficiência, contribuindo para reduzir o tempo do paciente acamado, antecipar o início da reabilitação, permitir ao idoso a retomada das suas atividades diárias e a volta para a população economicamente ativa. Esta pesquisa visa demonstrar a utilidade das técnicas hidroterapêuticas no tratamento de fraturas de fêmur na terceira idade, em virtude de pouca atuação fisioterápica neste campo e inúmeras vantagens advindas da atuação da hidroterapia, tais como, permitir movimentos ativos, permitir descarga de peso e fortalecimento gradativos precocemente, permitir a realização dos exercícios sem o risco de quedas ou dor, recuperar a auto estima e acelerar o processo de cicatrização óssea.

Abrir arquivo em PDF

Protocolo de Rastreamento e Tratamento da Hiperglicemia em Pacientes Internados.

Equipe do HIAE
Hospital Israelita Albert Einstein - SP
Número: 1170 / Publicado em 23/06/2012 - 07:41

A hiperglicemia ocorre em até 50% dos pacientes internados devido a presença de diabetes ou de fatores de estresse como doenças agudas, medicamentos e cirurgias. A hiperglicemia eleva a morbimortalidade mas o tratamento com insulina reduz as complicações. Por isto, pacientes internados com mais de 18 anos devem realizar glicemia capilar na admissão. Se a glicemia é superior a 180 mg/dl, a glicemia deve ser repetida em até 1 hora após a primeira medida no paciente crítico ou cirúrgico ou até 3 horas no paciente não crítico. Confirmada a hiperglicemia, comunicar o médico titular responsável pelo controle da glicemia e oferecer o protocolo de tratamento da hiperglicemia. As sugestões de doses de insulina deste protocolo não sobrepõem o julgamento médico e devem ser individualizadas conforme o controle glicêmico e o quadro clínico de cada paciente.

Abrir arquivo em PDF

Pediatria: Prevenção e Controle de Infecção Hospitalar.

ANVISA - Brasilia 2006.
Ministério da Saúde - Brasil.
Número: 1168 / Publicado em 23/06/2012 - 07:44

Infecção Hospitalar (IH) é o agravo de causa infecciosa adquirido pelo paciente após sua admissão em hospital. Pode manifestar-se durante a internação ou após a alta, desde que relacionado à internação ou a procedimentos hospitalares.

Abrir arquivo em PDF

Anti-Sepsia ou Preparo Pré-Operatório das Mãos.

ANVISA
Ministério da Saúde - Brasil
Número: 1166 / Publicado em 23/06/2012 - 07:50

O preparo pré-operatório das mãos é requisito para os procedimentos cirúrgicos e importante elemento para a preservação de vidas.

Abrir arquivo em PDF

Os 5 Momentos para a Higienização das Mãos.

Hospital Universitário de Genebra (HUG)
Organização Mundial de Saúde
Número: 1165 / Publicado em 23/06/2012 - 07:53

Os passos para a higienização das mãos são descritos e ilustrados, indo do momento que antecede o contato com o paciente até o final do processo de cuidado.

Abrir arquivo em PDF

Lista de Verificação de Segurança Cirúrgica.

ANVISA - Primeira Edição
Ministério da Saúde - Brasil
Número: 1164 / Publicado em 23/06/2012 - 07:54

A Lista de Verificação de Segurança Cirúrgica foi desenvolvida para reforçar práticas de segurança e ajudar as equipes cirúrgicas a reduzir a ocorrência de danos ao paciente. "Checklist" para antes da indução anestésica, antes da incisão cirúrgica e antes de o paciente sair da sala de operações.

Abrir arquivo em PDF

Protocolo de Prevenção de Úlcera por Pressão.

Divisão da Prática Assistencial, Qualidade e Segurança ‐ 06/2010
Hospital Israelita Albert Einstein
Número: 1163 / Publicado em 23/06/2012 - 07:55

A ocorrência de úlcera por pressão (UP) nos pacientes atendidos nos serviços de saúde é um importante problema, que causa impacto tanto para os pacientes como para suas famílias e para o próprio sistema de saúde com prolongamento de internações, riscos de infecção e outros agravos evitáveis.

Abrir arquivo em PDF

Úlcera por Pressão: Prevenção.

Divisão da Prática Assistencial, Qualidade e Segurança ‐ 06/2010
Hospital Israelita Albert Einstein
Número: 1162 / Publicado em 23/06/2012 - 07:56

De acordo com o National Pressure Ulcer Advisory Panel, a úlcera por pressão é uma lesão localizada na pele e/ou no tecido ou estrutura subjacente, geralmente sobre uma proeminência óssea, resultante de pressão isolada ou de pressão combinada com fricção e/ou cisalhamento. Inúmeros fatores contribuintes e fatores de confusão podem também estar associados às úlceras por pressão; o significado desses fatores, no entanto, ainda deve ser elucidado.

Abrir arquivo em PDF

Protocolo de Prevenção de Quedas.

Eliseth Ribeiro Leão
Hospital Samaritano - SP
Número: 1161 / Publicado em 23/06/2012 - 07:57

Para a Sociedade Brasileira de Gerontologia (SBGG) a queda é o deslocamento não intencional do corpo para um nível inferior à posição inicial, com incapacidade de correção em tempo hábil, provocada por circunstâncias multifatoriais que compromete a estabilidade, sendo esta a referência adotada no Hospital Samaritano.

Abrir arquivo em PDF

Litíase Renal - Consulta Nefrológica em 10 minutos.

Ita Pfeferman Heilberg
Consulta Nefrológica em 10 minutos
Número: 1159 / Publicado em 18/03/2012 - 11:51

A formação de cálculos no trato urinário é uma patologia extremamente comum, que incide em 5 a 15% da população acometendo ambos os sexos mas com maior frequência o masculino. Apesar da maior frequência entre adultos jovens, não poupa as crianças e na medida em que a população mundial envelhece e os métodos diagnósticos tornam-se mais sensíveis, observa-se um aumento de sua incidência também nas faixas etárias mais avançadas. A formação de cálculos no trato urinário resulta de fatores epidemiológicos e modificações físico-químicas da urina incluindo estados de hiperexcreção de promotores e/ou deficiência de inibidores da cristalização, alterações do pH urinário e volume urinário reduzido, todos contribuindo para a supersaturação da urina. A presença de alterações anatômicas do trato urinário também pode predispor à formação de cálculos urinários por alterações urodinâmicas. Assim, a presença de duplicidade pielocalicial, estenose de junção uretero-piélica, rim em esponja medular, rim em ferradura, ureterocele, etc, devem ser investigadas pois além de contribuirem para formação de cálculos, determinam melhor a escolha do procedimento para retirada do cálculo, quando indicado.

Abrir arquivo em PDF

Footer - v1.3
Atualizado em
04/02/2016
Saude-Direta-Facebook Saude-Direta-LinkedIN Saude-Direta-Twitter