Profissionais: 5757
Prontuários: 232267

Esqueceu a senha? Cadastro da senha

Portal Saude Direta - Busca Palavra

BUSCA POR PALAVRA

POSTAGENS ANTERIORES

TAGS CLOUD

Protocolos - Algoritmos - Diretrizes - Fluxogramas

Baixar o Adobe Acrobat Reader
Para visualizar os conteúdos abaixo é necessário ter o Adobe Acrobat Reader instalado.

Advertência: Estes artigos e resumos são protegidos pela Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610/98), sendo vedada a sua transcrição sem citação da fonte e a sua reprodução com finalidades comerciais sem autorização dos autores.

Abordagem Terapêutica das Úlceras de Pressão - Intervenções Baseadas na Evidência.

J. A. Rocha et al.
Acta Med Port 2006; 19: 29-38.
Número: 1778 / Publicado em 18/03/2012 - 15:54

Apesar da modernização dos cuidados de saúde, a prevalência das úlceras de pressão permanece elevada, particularmente nos doentes hospitalizados. Estas úlceras são uma importante causa de morbilidade e mortalidade, afectando a qualidade de vida do doente e dos seus cuidadores, e constituindo uma insustentável sobrecarga económica para os serviços de saúde.

Abrir arquivo em PDF

Tratamento das Infecções em Pacientes com Pancitopenia Secundária a Tratamento Citorredutor.

Danielle Leão C. F. Souza e Eduardo Magalhães Rego.
Medicina, Ribeirão Preto, 36: 446-452, abr./dez. 2003.
Número: 1777 / Publicado em 18/03/2012 - 15:55

Febre de etiologia desconhecida é a causa mais freqüente de internação hospitalar de pacientes neutropênicos em quimioterapia. O paciente é, em geral, oligossintomático, e a avaliação inicial deve incluir história e exame físico completos e minuciosos, além de exames laboratoriais, procurando identificar a etiologia da febre e complicações decorrentes da quimioterapia. No texto, discorremos sobre o diagnóstico da neutropenia febril, suas particularidades e o manejo do paciente.

Abrir arquivo em PDF

Normas de Manejo dos Casos de Malária em Moçambique.

Programa Nacional de Controlo da Malária.
Ministério da Saúde. República de Moçambique - 2005.
Número: 1776 / Publicado em 18/03/2012 - 15:45

A malária é um dos principais problemas de saúde em Moçambique representando cerca de 48% do total das consultas externas e 63% de todos os internamentos em pediatria nos hospitais rurais e gerais e cerca de 26,7% da mortalidade total do País.

Abrir arquivo em PDF

Diretrizes Sobre Trauma Urológico.

N. Djakovic, Th. Linch, L. Martinez-Piñero, Y. Mor, E. Plas, E. Serafetinides, L. Turkeri, R.A. Santucci, M.Hohenfellner.
Eur Urol 2005;47(1):1-15.
Número: 1775 / Publicado em 18/03/2012 - 15:47

Aborda traumas renal, ureteral, vesical, uretral, peniano e genital feminino.

Abrir arquivo em PDF

Fluxograma para Diagnóstico e Tratamento de Acidente por Lonomia (taturana, oruga ou ruga).

Centro de Informações Toxicológicas de Santa Catarina - CIT/SC
www.cit.sc.gov.br
Número: 1774 / Publicado em 18/03/2012 - 15:45

Duas espécies estão envolvidas em acidentes humanos graves e fatais: Lonomia oblíqua e Lonomia achelous. O contato com as lagartas do gênero Lonomia obliqua podem provocar: dor em queimação, hiperemia, prurido e raramente bolhas (sintomas benignos e de regressão espontânea em poucas horas); cefaléia, mal-estar geral, náuseas e vômitos, dores abdominais e mialgia; e Distúrbio da Hemostasia/Síndrome Hemorrágica.

Abrir arquivo em PDF

Gravidez Ectópica Não Rota – Diagnóstico e Tratamento. Situação Atual.

Elito Junior J, Montenegro NAMM, Soares RC, Camano L.
Rev Bras Ginecol Obstet. 2008; 30(3):149-59
Número: 1773 / Publicado em 18/03/2012 - 15:46

A gravidez ectópica é a principal causa de morte materna no primeiro trimestre da gestação. A atenção do obstetra deve estar voltada para o diagnóstico precoce.

Abrir arquivo em PDF

Hepatites Virais: O Brasil está Atento.

Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância Epidemiológica.
Ministério da Saúde - Brasília, 2005.
Número: 1772 / Publicado em 18/03/2012 - 15:49

As hepatites virais são doenças provocadas por diferentes agentes etiológicos, com tropismo primário pelo tecido hepático, que apresentam características epidemiológicas, clínicas e laboratoriais semelhantes, porém, com importantes particularidades.

Abrir arquivo em PDF

Guia de Vigilância Epidemiológica e Controle da Mielorradiculopatia Esquistossomótica.

Secretaria de Vigilância em Saúde.
Ministério da Saúde – Brasília:2006.
Número: 1771 / Publicado em 18/03/2012 - 13:30

A mielorradiculopatia esquistossomótica representa, geralmente, um episódio agudo e imprevisível na evolução da esquistossomose crônica. Embora suas manifestações clínicas dificilmente passem despercebidas, o mesmo não acontece com sua identificação etiológica, principalmente pelas dificuldades de sua confirmação e pelo seu diagnóstico diferencial. As possibilidades de recuperação parcial ou total de suas lesões diminuem em função do retardamento do conhecimento de sua causa e da correção de seu tratamento.

Abrir arquivo em PDF

Abordagem de Gestantes e Puérperas com Síndrome Gripal Durante a Pandemia de Influenza A(H1N1).

Secretaria de Vigilância em Saúde.
Ministério da Saúde - Brasil.
Número: 1770 / Publicado em 20/06/2012 - 08:56

Algoritmo 2 - Avaliação Obstétrica.

Abrir arquivo em PDF

Fluxograma HIV.

Comissão de Controle de Infecção Hospitalar - CCIH.
HGB - Junho 2009.
Número: 1769 / Publicado em 20/06/2012 - 08:57

Fluxograma prático para relato de soropositividade para HIV, com sintomas respiratórios e neurológicos.

Abrir arquivo em PDF

Footer - v1.3
Atualizado em
04/02/2016
Saude-Direta-Facebook Saude-Direta-LinkedIN Saude-Direta-Twitter