Profissionais: 6902
Prontuários: 420125

Esqueceu a senha? Cadastro da senha

Portal Saude Direta - Busca Palavra

BUSCA POR PALAVRA

POSTAGENS ANTERIORES

TAGS CLOUD

Protocolos - Algoritmos - Diretrizes - Fluxogramas

Baixar o Adobe Acrobat Reader
Para visualizar os conteúdos abaixo é necessário ter o Adobe Acrobat Reader instalado.

Advertência: Estes artigos e resumos são protegidos pela Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610/98), sendo vedada a sua transcrição sem citação da fonte e a sua reprodução com finalidades comerciais sem autorização dos autores.

Antitrombóticos nas Síndromes Coronarianas Agudas: Diretrizes Atuais e Novas Evidências.

Ritt, Luiz Eduardo Fonteles; Flato, Uri Prync; Guimarães, Hélio Penna; Avezum, Álvaro; Piegas, Leopoldo Soares.
Revista Brasileira de Terapia Intensiva Vol. 20 Nº 2, Abril/Junho, 2008
Número: 963 / Publicado em 23/06/2012 - 22:34

As síndromes coronarianas agudas (SCA) estão entre as principais causas de admissão em unidades de terapia intensiva (UTI). Novos fármacos vêem sendo desenvolvidos para o manuseio das SCA. O uso combinado destes medicamentos tem reduzido de forma considerável a morbimortalidade desta síndrome, no entanto seus efeitos adversos ou mesmo seu manuseio incorreto podem levar à maior incidência de sangramento. O objetivo deste estudo foi apresentar os principais aspectos terapêuticos, indicações e manuseio dos fármacos em síndromes coronárias agudas.

Abrir arquivo em PDF

Protocolo de Regulação do Acesso – Especialidades Médicas.

Coordenação da Central Municipal de Regulação - 1ª edição – 2008
Secretaria Municipal de Saúde - Prefeitura Municipal de Diadema.
Número: 962 / Publicado em 23/06/2012 - 22:36

Como parte dos instrumentos que ordenam o acesso e organizam o fluxo dos pacientes na rede assistencial de saúde os Protocolos de Regulação do Acesso “são diretrizes para solicitar e usar, adequada e racionalmente, as tecnologias de apoio diagnóstico e terapias especializadas, (...) sendo um instrumento de ordenação dos fluxos de encaminhamentos entre os níveis de complexidade assistencial”. Vale ressaltar que os Protocolos de Regulação do Acesso são complementares aos Protocolos Clínicos que são "recomendações sistematicamente desenvolvidas com o objetivo de orientação de médicos e pacientes acerca de cuidados de saúde apropriados em circunstâncias clínicas e específicas".

Abrir arquivo em PDF

Carcinoma Espinocelular Bucal de Grande Extensão – Protocolo Diagnóstico.

De Carli et al.
Odonto 2010;18(36):67-71
Número: 961 / Publicado em 23/06/2012 - 22:37

O carcinoma espinocelular da cavidade bucal (CECB) corresponde à maior parte dos cânceres de boca, acometendo em maior escala indivíduos do sexo masculino, acima dos 45 anos de idade e que tenham o hábito do tabagismo e/ou etilismo. Um dos aspectos mais importantes acerca do CECB é seu diagnóstico precoce, o qual é melhor realizado por meio de biópsia incisional seguida de exame histopatológico.

Abrir arquivo em PDF

Protocolo Clínico de Câncer Colorretal.

João Batista Pinheiro Barreto, Alexandre José Aguiar Andrade.
Serviço de Coloproctologia - Hospital Universitário - Universidade Federal do Maranhão - maio/2010.
Número: 957 / Publicado em 23/06/2012 - 22:43

Existe uma diversidade de fatores de riscos para o desenvolvimento de câncer colorretal, tais como alimentação pobre em fibras vegetais, deficiência de cálcio, selênio e vitaminas C e E, doença inflamatória intestinal, dieta rica em gordura animal, idade maior que 50 anos, adenomas colônicos e polipose adenomatosa familiar.

Abrir arquivo em PDF

Protocolo Clínico de Doença Orificial (Abscessos e Fístulas Anais).

João Batista Pinheiro Barreto, Alexandre José Aguiar Andrade.
Serviço de Coloproctologia - Hospital Universitário - Universidade Federal do Maranhão - maio/2010.
Número: 956 / Publicado em 23/06/2012 - 22:41

Os abscessos e as fístulas anais podem ser considerados como o espectro de apresentação de uma mesma doença; os primeiros representariam a fase aguda enquanto que os últimos, a crônica deste processo.

Abrir arquivo em PDF

Protocolo Clínico de Avaliação e Conduta no Traumatismo Dentário.

Bandeira Macena, Maria Carolina; Leite, Ana Catarina; Colares, Viviane; Vieira,Sandra; Guedes de Carvalho Neto, Luiz.
Revista Brasileira em Promoção da Saúde, Vol. 22, Núm. 2, 2009, pp. 120-127
Número: 955 / Publicado em 20/06/2012 - 08:33

Protocolo clínico, baseado na literatura atual, visando otimizar o atendimento emergencial do trauma dentário nas dentições decídua e permanente. O traumatismo dentário está entre as patologias, eventos e agravos à saúde bucal que têm despertado crescente interesse da comunidade científica nos últimos anos. O aumento dos níveis de violência, do número de acidentes de trânsito e uma maior participação das crianças em atividades esportivas contribuem para transformar o traumatismo dentário em um problema de saúde pública emergente.

Abrir arquivo em PDF

Protocolo Clínico para Uso de Espaçador em Crianças com Asma (Beta-2 Agonista).

Carlos O. Carraro
UNIMED
Número: 954 / Publicado em 23/06/2012 - 22:48

Atualmente, na maioria dos serviços de atendimento emergencial a crise asmática aguda é tratada através da nebulização com fármaco. Embora tal conduta esteja correta, cada nebulização nesse tipo de tratamento demanda tempo, mais profissionais da área da saúde para preparar a medicação e maior utilização de oxigênio, visto que principalmente as crianças pequenas não permitem uma oclusão adequada da máscara à face, diminuindo em muito a eficácia da medicação. Dessa forma, estudos mais recentes têm demonstrado que o fornecimento do Beta-2 agonista através do spray com espaçador é mais conveniente, pois promove maior disponibilidade da droga para as vias aéreas em tempo menor, permitindo à criança deixar a máscara efetivamente acoplada à face (o que melhora a eficácia do tratamento), diminui a incidência de efeitos adversos, tornando o tratamento de menor custo.

Abrir arquivo em PDF

Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas: Hepatite Viral Crônica C.

Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais.
Ministério da Saúde – Brasília 2010.
Número: 953 / Publicado em 20/06/2012 - 08:35

Esta publicação apresenta o novo Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para o Tratamento da Hepatite Viral Crônica B e Coinfecções e, também, como anexo, o Protocolo Clínico e as Diretrizes Terapêuticas para o Tratamento da Hepatite Viral Crônica C.

Abrir arquivo em PDF

Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas: Hepatite Viral Crônica B e Coinfecções.

Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais.
Ministério da Saúde – Brasília 2010.
Número: 952 / Publicado em 20/06/2012 - 08:36

Esta publicação apresenta o novo Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para o Tratamento da Hepatite Viral Crônica B e Coinfecções e, também, como anexo, o Protocolo Clínico e as Diretrizes Terapêuticas para o Tratamento da Hepatite Viral Crônica C.

Abrir arquivo em PDF

Uveítes Posteriores Não-Infecciosas.

Ministério da Saúde e Secretarias de Saúde.
Portaria SAS/MS Nº 498 de 23 de Dezembro de 2009.
Número: 949 / Publicado em 19/06/2012 - 17:17

Uveíte corresponde à inflamação da úvea, camada vascular média dos olhos e pode ser dividida em anterior (íris), intermediária (corpo ciliar e vítreo) e posterior (vítreo, retina, coróide e esclera). Uveítes com acometimento de mais de uma porção uveal são chamadas de difusas, apresentando geralmente acometimento bilateral. As doenças oculares inflamatórias são causa importante de cegueira (acuidade visual com melhor correção menor que 20/400 ou 0,05) e baixa visão (acuidade visual com melhor correção entre 20/70 ou 0,3 e 20/200 ou 0,1) no mundo todo. A incidência anual de uveíte varia, de acordo com o país, entre 17 e 52 casos por 100.000 habitantes, com uma prevalência de 38 a 714 casos por 100.000 habitantes. As uveítes são responsáveis por cerca de 10% dos casos de deficiência visual no mundo ocidental, e aproximadamente 35% dos pacientes com uveíte referem baixa visão ou cegueira.

Abrir arquivo em PDF

Footer - v1.3
Atualizado em
04/09/2019
Saude-Direta-Facebook Saude-Direta-LinkedIN Saude-Direta-Twitter