Profissionais: 7092
Prontuários: 489738

Portal Saúde Direta - Busca Palavra

BUSCA POR PALAVRA

POSTAGENS ANTERIORES

TAGS CLOUD

Protocolos Algoritmos Diretrizes Fluxogramas

Advertência: Estes artigos e resumos são protegidos pela Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610/98), sendo vedada a sua transcrição sem citação da fonte e a sua reprodução com finalidades comerciais sem autorização dos autores.

Adobe Acrobat Reader
É necessário o Adobe Acrobat Reader instalado.

Parte I – Protocolo de Clínica Médica: Convulsões (Capítulo 3).

Fernando Suarez Alvarez, Marcelo Dominguez Canetti, Wilson Braz Corrêa Filho, Danielle Borghi
Secretaria de Saúde e Defesa Civil - Governo do Rio de Janeiro - 2010
Número: 779 / Publicado em 12/03/2012 - 10:23

Entre cinco e 10% da população apresenta um episódio de crise convulsiva ao longo da vida, com maior prevalência em crianças e em idosos. Podem ser precipitadas por: febre, hipoglicemia, hipoxemia, hiponatremia ou hipernatremia, toxinas e trauma craniano.

Abrir arquivo em PDF

Parte I – Protocolo de Clínica Médica: Rebaixamento do Nível de Consciência (Capítulo 2).

Fernando Suarez Alvarez, Marcelo Dominguez Canetti, Wilson Braz Corrêa Filho, Danielle Borghi
Secretaria de Saúde e Defesa Civil - Governo do Rio de Janeiro - 2010
Número: 778 / Publicado em 12/03/2012 - 10:23

Coma é o estado de falta de responsividade total ou quase total, no qual não é possível induzir uma ação do paciente dotada de propósito. Estupor é um estado de redução da vigília no qual é possível obter uma resposta do paciente aos estímulos vigorosos. Letargia é um estado no qual a vigília está diminuída mas é mantida apenas com estimulação leve.

Abrir arquivo em PDF

Parte I – Protocolo de Clínica Médica: Alterações de Comportamento – Delírio / Agitação (Capítulo 1).

Fernando Suarez Alvarez, Marcelo Dominguez Canetti, Wilson Braz Corrêa Filho, Danielle Borghi
Secretaria de Saúde e Defesa Civil - Governo do Rio de Janeiro - 2010
Número: 777 / Publicado em 12/03/2012 - 10:23

São situações comuns que se associam a: embaraços sociais, destruição de patrimônio e em algumas vezes a risco de vida para o paciente ou terceiros. Causas orgânicas como traumatismos craniano, hipoxemia, hipoglicemia, choque, abstinência de álcool, infecções e uso de drogas (álcool, cocaína, etc.) devem ser excluídas antes do diagnóstico de doença psiquiátrica.

Abrir arquivo em PDF

Parte II – Protocolo de Doenças Cardiovasculares: Pericardite (Capítulo 61).

Fernando Suarez Alvarez, Marcelo Dominguez Canetti, Wilson Braz Corrêa Filho, Danielle Borghi
Secretaria de Saúde e Defesa Civil - Governo do Rio de Janeiro - 2010
Número: 776 / Publicado em 12/03/2012 - 10:25

A inflamação aguda do pericárdio (< 2 semanas) pode ser ocasionada por: processo infeccioso, doenças autoimunes (lúpus, artrite reumatóide), neoplasia, pós-irradiação, uremia, pós-IAM ou cirurgia cardíaca. O tipo mais comum é a pericardite viral, podendo ser causada por: Coxsackie e Echovírus, Epstein Barr, varicela, hepatite, caxumba e HIV. Afeta principalmente homens abaixo de 50 anos.

Abrir arquivo em PDF

Parte II – Protocolo de Doenças Cardiovasculares: Aneurisma de Aorta Abdominal (Capítulo 60).

Fernando Suarez Alvarez, Marcelo Dominguez Canetti, Wilson Braz Corrêa Filho, Danielle Borghi
Secretaria de Saúde e Defesa Civil - Governo do Rio de Janeiro - 2010
Número: 775 / Publicado em 12/03/2012 - 10:25

A maioria dos aneurismas é assintomática e é detectada em exames de rotina. Cerca de 90% dos aneurismas de aorta são infra-renais. É uma condição comum que pode estar presente em 5% dos homens acima dos 65 anos de idade. A ruptura do aneurisma é um quadro muito grave associada a 90% de óbito, antes da chegada ao hospital. A ruptura do aneurisma pode causar hemorragia interna para cavidade abdominal ou retroperitôneo.

Abrir arquivo em PDF

Parte II – Protocolo de Doenças Cardiovasculares: Embolia Pulmonar (Capítulo 59).

Fernando Suarez Alvarez, Marcelo Dominguez Canetti, Wilson Braz Corrêa Filho, Danielle Borghi
Secretaria de Saúde e Defesa Civil - Governo do Rio de Janeiro - 2010
Número: 774 / Publicado em 12/03/2012 - 10:25

Decorrente do deslocamento de um trombo formado no sistema venoso, geralmente nos leitos íleo-femoral ou pélvico.

Abrir arquivo em PDF

Parte II – Protocolo de Doenças Cardiovasculares: Insuficiência Cardíaca Descompensada (Capítulo 58).

Fernando Suarez Alvarez, Marcelo Dominguez Canetti, Wilson Braz Corrêa Filho, Danielle Borghi
Secretaria de Saúde e Defesa Civil - Governo do Rio de Janeiro - 2010
Número: 773 / Publicado em 12/03/2012 - 10:26

A característica principal é a incapacidade do coração de manter um débito cardíaco suficiente para atender as demandas do corpo.

Abrir arquivo em PDF

Parte II – Protocolo de Doenças Cardiovasculares: Dissecção Aórtica (Capítulo 57).

Fernando Suarez Alvarez, Marcelo Dominguez Canetti, Wilson Braz Corrêa Filho, Danielle Borghi
Secretaria de Saúde e Defesa Civil - Governo do Rio de Janeiro - 2010
Número: 772 / Publicado em 12/03/2012 - 10:27

A laceração da aorta permite que o sangue alcance a camada média dessa artéria e a separe de sua adventícia. Não é uma condição incomum. A mortalidade é elevada nas primeiras horas de evolução. As dissecções envolvendo a aorta torácica constituem indicação cirúrgica de emergência.

Abrir arquivo em PDF

Parte II – Protocolo de Doenças Cardiovasculares: Doença Hipertensiva Específica da Gestação (Capítulo 56).

Fernando Suarez Alvarez, Marcelo Dominguez Canetti, Wilson Braz Corrêa Filho, Danielle Borghi
Secretaria de Saúde e Defesa Civil - Governo do Rio de Janeiro - 2010
Número: 771 / Publicado em 12/03/2012 - 10:30

Pré-eclâmpsia: pressão arterial acima de 140/90 mmHg ou elevação da pressão sistólica de 30 mmHg ou da diastólica 15 mmHg acima dos níveis basais. A paciente apresenta edema mais pronunciado na face e nas mãos, acompanhado por queixas de cefaléia, embaçar visual, vômitos e dor epigástrica. Eclâmpsia: ocorre quando convulsões tônico-clônicas generalizadas associam-se ao quadro descrito.

Abrir arquivo em PDF

Parte II – Protocolo de Doenças Cardiovasculares: Síndrome Coronariana Aguda Associada à Hipertensão Arterial (Capítulo 55).

Fernando Suarez Alvarez, Marcelo Dominguez Canetti, Wilson Braz Corrêa Filho, Danielle Borghi
Secretaria de Saúde e Defesa Civil - Governo do Rio de Janeiro - 2010
Número: 770 / Publicado em 12/03/2012 - 10:30

Administrar oxigênio suplementar sob máscara com fluxo de 10 a 15 litros por minuto. Obter acesso venoso periférico em extremidade superior com cateter calibroso. Monitorar eletrocardiograma e oximetria de pulso. Fazer ECG de 12 derivações e dosagem de troponina sérica. Adaptar o monitor de pressão arterial não invasiva programando-o para verificar a tensão arterial a cada cinco minutos.

Abrir arquivo em PDF

Portal Saúde Direta - Footer
Atualizado em
17/06/2020
Saude-Direta-Facebook Saude-Direta-LinkedIN Saude-Direta-Twitter