Profissionais: 5757
Prontuários: 232267

Esqueceu a senha? Cadastro da senha

Portal Saude Direta - Busca Palavra

BUSCA POR PALAVRA

POSTAGENS ANTERIORES

TAGS CLOUD

Protocolos - Algoritmos - Diretrizes - Fluxogramas

Baixar o Adobe Acrobat Reader
Para visualizar os conteúdos abaixo é necessário ter o Adobe Acrobat Reader instalado.

Advertência: Estes artigos e resumos são protegidos pela Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610/98), sendo vedada a sua transcrição sem citação da fonte e a sua reprodução com finalidades comerciais sem autorização dos autores.

Interações entre Fármacos e Medicamentos Fitoterápicos à base de Ginkgo ou Ginseng.

Rodrigo F. Alexandre, Fabíola Bagatini, Cláudia M. O. Simões.
Rev. Bras. Farmacogn. Braz J. Pharmacogn. 18(1): Jan./Mar. 2008
Número: 584 / Publicado em 18/06/2012 - 11:05

Os medicamentos fitoterápicos são amplamente utilizados, principalmente, pelos portadores de doenças crônicas e em associações medicamentosas com diversos fármacos. As possíveis interações entre eles estão sendo muito estudadas, pois podem alterar os perfis de eficácia e segurança de muitos fármacos. Nesta revisão, as informações foram localizadas, avaliadas e sistematizadas e contêm as principais interações entre fármacos e medicamentos fitoterápicos elaborados com ginkgo ou ginseng.

Abrir arquivo em PDF

Potenciais Interações entre Fármacos e Produtos à base de Valeriana ou Alho.

Rodrigo F. Alexandre, Fabíola Bagatini, Cláudia M. O. Simões.
Rev. Bras. Farmacogn. Braz J. Pharmacogn. 18(3): Jul./Set. 2008
Número: 583 / Publicado em 18/06/2012 - 11:06

Atualmente, as potenciais interações entre fármacos e plantas medicinais e/ou medicamentos fitoterápicos são objetos de inúmeros estudos. Tais estudos são motivados pelo fato de que a fitoterapia é amplamente utilizada em associação com diversos fármacos. Nesta revisão, as informações sobre as principais interações entre produtos elaborados com valeriana ou alho foram localizadas, avaliadas e sistematizadas.

Abrir arquivo em PDF

Carência de Preparações Medicamentosas para Uso em Crianças no Brasil.

Patrícia Quirino da Costa, Luis C. Rey, Helena Lutéscia L. Coelho.
Jornal de Pediatria - Vol. 85, Nº 3, 2009
Número: 582 / Publicado em 18/06/2012 - 11:08

A prescrição de medicamentos não-licenciados ou de uso não-padronizado em crianças é uma realidade condicionada por fatores tais como ausência de produtos licenciados para pacientes pediátricos, carência de apresentações farmacológicas de uso mais flexível e prevalência elevada de medicamentos comercializados sem informação sobre a dose para crianças. Tais dificuldades tornam o uso de medicamentos em crianças menos seguro e com resultados menos previsíveis e confiáveis do que aquele que ocorre em adultos. Essa é uma realidade mundial.

Abrir arquivo em PDF

Condutas Adotadas por Técnicos de Enfermagem após Ocorrência de Erros de Medicação.

Jânia Oliveira Santos, Ana Elisa Bauer de Camargo Silva, Denize Bouttelet Munari, Adriana Inocenti Miasso
Acta Paul Enferm 2010;23(3):328-33.
Número: 581 / Publicado em 18/06/2012 - 11:09

Trata-se de uma pesquisa descritiva, exploratória com abordagem qualitativa, realizada em unidades de Clinica Médica, Unidade de Terapia Intensiva (clínica e cirúrgica) e Pronto Socorro de Adultos de um hospital de ensino, localizado em Goiânia, Goiás.

Abrir arquivo em PDF

Erros de Prescrição Médica de Pacientes Hospitalizados.

Aline Melo Santos Silva.
einstein. 2009; 7(3 Pt 1):290-4
Número: 579 / Publicado em 18/06/2012 - 11:12

Atualmente, os erros de medicação são uma lamentável realidade na maioria das instituições de saúde. Aproximadamente 30% dos agravos que ocorrem durante o período de hospitalização estão relacionados a erros de medicação, resultando em grande impacto econômico e em graves níveis de morbidade e mortalidade.

Abrir arquivo em PDF

Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas - Acromegalia.

Secretaria de Atenção à Saúde - Ministério da Saúde
Portaria SAS/MS nº 471, de 23 de julho de 2002
Número: 578 / Publicado em 18/06/2012 - 11:14

Acromegalia é uma desordem debilitante resultante da exposição, a longo prazo, a elevados níveis de hormônio do crescimento (GH). A incidência anual é de 3-4 casos/milhão, com prevalência de 40-90 casos/milhão. A idade média do diagnóstico é 40 a 45 anos. O risco relativo de mortalidade, em relação à população normal, é 2 a 3, sendo as principais causas de mortalidade complicações cardiovasculares e respiratórias.

Abrir arquivo em PDF

Efeitos Adversos no Tratamento da Tuberculose: Experiência em Serviço Ambulatorial de um Hospital-Escola na Cidade de São Paulo.

Denise Eri Onodera Vieira, Mauro Gomes.
J Bras Pneumol. 2008;34(12):1049-1055
Número: 577 / Publicado em 18/06/2012 - 11:14

Apesar das drogas antituberculose combaterem eficazmente o microorganismo, elas podem ocasionar efeitos colaterais indesejáveis, seja pelo próprio princípio ativo ou pelos seus metabólitos.

Abrir arquivo em PDF

Paracetamol versus Dipirona: como Mensurar o Risco?

Lenita Wannmacher.
Organização Pan-Americana da Saúde/ Organização Mundial da Saúde - Brasil, 2005.
Número: 576 / Publicado em 18/06/2012 - 10:39

É uma falácia considerar que um medicamento possa ser inócuo. Como substância estranha ao organismo humano, qualquer fármaco traz inerentemente algum risco potencial ao ser administrado, mesmo em doses usuais. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), esse contexto se enquadra na definição de reação adversa como sendo “qualquer resposta prejudicial ou indesejável, não-intencional, a um medicamento, a qual se manifesta após a administração de doses normalmente utilizadas no homem para profilaxia, diagnóstico ou tratamento de doença ou para modificação de função fisiológica”.

Abrir arquivo em PDF

Rediscutindo o Uso de Betabloqueadores na Hipertensão.

Lenita Wannmacher.
Organização Pan-Americana da Saúde/ Organização Mundial da Saúde - Brasil, 2007.
Número: 575 / Publicado em 18/06/2012 - 10:40

Todos os anti-hipertensivos reduzem a pressão arterial (por definição), com conseqüente declínio do risco cardiovascular. Porém, existem diferenças entre os medicamentos, relativas a redução de doença em órgão-alvo e prevenção de eventos cardiovasculares maiores. Mesmo havendo amplo arsenal de anti-hipertensivos, hipertensão e riscos concomitantes permanecem não controlados na maioria dos pacientes.

Abrir arquivo em PDF

Tratamento Medicamentoso Antitabagismo.

Lenita Wannmacher.
Organização Pan-Americana da Saúde/ Organização Mundial da Saúde - Brasil, 2007.
Número: 574 / Publicado em 18/06/2012 - 10:41

A OMS estima que um terço da população mundial adulta, isto é, um bilhão e duzentos milhões de pessoas (entre as quais 200 milhões de mulheres), sejam fumantes. Aproximadamente 47% de toda a população masculina e 12% da população feminina no mundo fumam. Enquanto nos países em desenvolvimento os fumantes constituem 48% da população masculina e 7% da população feminina, nos países desenvolvidos a participação das mulheres chega a 15%. A população masculina global de fumantes está em lento declínio, porém se estima que a epidemia em mulheres atinja um pico no século 21, com estimativa de que haja 532 milhões de mulheres fumantes em 2025.

Abrir arquivo em PDF

Footer - v1.3
Atualizado em
04/02/2016
Saude-Direta-Facebook Saude-Direta-LinkedIN Saude-Direta-Twitter