Profissionais: 7220
Prontuários: 595108

Protocolos/Algoritmos/Diretrizes/Fluxogramas

Advertência: Estes artigos e resumos são protegidos pela Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610/98), sendo vedada a sua transcrição sem citação da fonte e a sua reprodução com finalidades comerciais sem autorização dos autores.

Adobe Acrobat Reader
É necessário o Adobe Acrobat Reader instalado.

Alergias: Diagn√≥sticos e Tratamentos D√ļbios.

Stephen Barrett, M.D.
http://quackwatch.haaan.com/alergiatestes.html
Número: 1226 / Publicado em 18/03/2012 - 12:56

Muitos profissionais d√ļbios alegam que as alergias alimentares podem ser respons√°veis por virtualmente qualquer sintoma que uma pessoa possa ter. Em apoio a estas alega√ß√Ķes -- que s√£o falsas -- eles administram variados exames com o prop√≥sito de identificar alimentos agressores. Alega√ß√Ķes deste tipo podem parecer veross√≠meis porque cerca de 25% das pessoas pensam que s√£o al√©rgicas a alimentos. Entretanto, estudos cient√≠ficos descobriram que somente cerca de 6% das crian√ßas e de 1-2% dos adultos na verdade possuem uma alergia alimentar e a maioria das pessoas com alergia alimentar s√£o al√©rgicas a menos de quatro alimentos.

Abrir arquivo em PDF

Protocolo de Vigil√Ęncia Epidemiol√≥gica de Eventos Adversos P√≥s-Vacina√ß√£o: Estrat√©gia de Vacina√ß√£o contra o V√≠rus Influenza Pand√™mico (H1N1).

Secretaria de Vigil√Ęncia em Sa√ļde.
Minist√©rio da Sa√ļde - Brasilia - mar√ßo de 2010
Número: 1221 / Publicado em 22/06/2012 - 20:18

Em geral, as vacinas est√£o entre os produtos farmac√™uticos mais seguros para o uso humano, proporcionando amplos benef√≠cios √† sa√ļde p√ļblica de um pa√≠s. Entretanto, como qualquer outro medicamento, as vacinas n√£o est√£o isentas de risco. Neste sentido, v√°rios pa√≠ses mant√™m sistemas de vigil√Ęncia de eventos adversos p√≥s-vacina√ß√£o (EAPV), com a finalidade de subsidiar a ado√ß√£o de medidas de seguran√ßa oportunas que assegurem a melhor rela√ß√£o benef√≠cio-risco para a popula√ß√£o vacinada.

Abrir arquivo em PDF

Diretrizes para o Enfrentamento √† Pandemia de Influenza Pand√™mica (H1N1) 2009: A√ß√Ķes da Aten√ß√£o Prim√°ria √† Sa√ļde ‚Äď APS.

Secretaria de Vigil√Ęncia em Sa√ļde
Minist√©rio da Sa√ļde - Bras√≠lia - 2010
Número: 1220 / Publicado em 22/06/2012 - 20:19

A influenza pand√™mica (H1N1) 2009 √© uma doen√ßa respirat√≥ria causada pelo v√≠rus tipo A, que afeta principalmente as vias a√©reas superiores e, ocasionalmente, as inferiores. Este novo subtipo do v√≠rus da influenza pand√™mica (H1N1) 2009 √© transmitido de pessoa a pessoa, principalmente por meio da tosse ou espirro e secre√ß√Ķes respirat√≥rias de pessoas infectadas.

Abrir arquivo em PDF

Indicadores de Avaliação e Monitoramento das Demandas Judiciais de Medicamentos.

Vera L√ļcia Edais Pepe, Miriam Ventura e Cl√°udia Os√≥rio.
Funda√ß√£o Oswaldo Cruz, Escola Nacional de Sa√ļde P√ļblica Sergio Arouca, 2011.
Número: 1219 / Publicado em 22/06/2012 - 20:20

Este manual estabeleceu 30 indicadores considerados essenciais para se compreender melhor a demanda de medicamentos por meio da justi√ßa. O trabalho, que usou o Estado do Rio de Janeiro como modelo, gerou indicadores que poder√£o servir de base para que o SUS e o sistema de justi√ßa possam realizar o monitoramento das a√ß√Ķes judiciais e garantir o acesso da popula√ß√£o a medicamentos de qualidade e com seguran√ßa.

Abrir arquivo em PDF

Fotoproteção

Gabriel Teixeira Gontijo, Maria Cec√≠lia Carvalho Pugliesi, Fernanda Mendes Ara√ļjo.
Surgical & Cosmetic Dermatology 2009;1(4):186-192
Número: 1218 / Publicado em 22/06/2012 - 20:22

Nas √ļltimas d√©cadas, a incid√™ncia de c√Ęncer de pele aumentou significativamente, correspondendo a um problema de sa√ļde p√ļblica em diversos pa√≠ses. A pele √© o √≥rg√£o mais atingido pelos efeitos delet√©rios da radia√ß√£o ultravioleta, e √© bem documentada a associa√ß√£o entre fotoexposi√ß√£o e neoplasias cut√Ęneas. O uso de fotoprotetores de largo espectro, al√©m de medidas comportamentais simples, parecem causar grande impacto na preven√ß√£o do c√Ęncer de pele.

Abrir arquivo em PDF

Protoclos Gerenciados: Avalia√ß√Ķes e Cuidados de Enfermagem na Insufici√™ncia Card√≠aca (IC).

HIAE - Vers√£o eletr√īnica atualizada em fevereiro de 2009.
Hospital Israelita Albert Einstein.
Número: 1216 / Publicado em 22/06/2012 - 20:28

Padronizar a rotina de assistência de enfermagem aos pacientes com insuficiência cardíaca, visando otimizar o tratamento e contribuir para a geração de indicadores de qualidade.

Abrir arquivo em PDF

Protocolo de Reabilitação: Fase Hospitalar para Insuficiência Cardíaca (IC).

HIAE - Vers√£o eletr√īnica atualizada em mar√ßo de 2011.
Hospital Israelita Albert Einstein.
Número: 1215 / Publicado em 22/06/2012 - 20:30

Como a Insuficiência Cardíaca (IC) se apresenta clinicamente sob diversos cenários, o nosso protocolo se baseou numa classificação didática para IC descompensada. Elaboramos, então, um protocolo que tratasse adequadamente cada cenário e avaliasse separadamente quais os cuidados obrigatórios e necessários conforme cada cenário clínico.

Abrir arquivo em PDF

Protocolos Gerenciados: Cuidado Nutricional na Insuficiência Cardíaca (IC).

HIAE - Vers√£o eletr√īnica atualizada em fevereiro de 2012
Hospital Israelita Albert Einstein.
Número: 1214 / Publicado em 22/06/2012 - 20:32

Objetivos: Manter ou adequar o estado nutricional; proporcionar nutrição adequada que leve ao menor trabalho cardíaco; reduzir e/ou prevenir o edema; minimizar os sintomas; contribuir para melhora da qualidade de vida.

Abrir arquivo em PDF

Infarto Agudo do Mioc√°rdio: Avalia√ß√£o de Sa√ļde Mental.

HIAE - Vers√£o eletr√īnica atualizada em janeiro de 2012
Hospital Israelita Albert Einstein.
Número: 1213 / Publicado em 22/06/2012 - 20:33

A enfermeira case do programa de cardiologia encaminha √† psicologia o boletim com as informa√ß√Ķes dos pacientes inseridos no protocolo. A psicologia realiza a discuss√£o do caso com a enfermagem com o objetivo de auxiliar na detec√ß√£o do risco psicol√≥gico. Quando o risco psicol√≥gico for identificado a enfermagem dever√° solicitar ao m√©dico titular a anu√™ncia para que a psicologia avalie o paciente conforme padr√£o do servi√ßo de psicologia.

Abrir arquivo em PDF

Protocolos Gerenciados: Gerenciamento dos Indicadores de Qualidade na Insuficiência Cardíaca (IC).

HIAE - Vers√£o eletr√īnica atualizada em fevereiro de 2012
Hospital Israelita Albert Einstein.
Número: 1212 / Publicado em 22/06/2012 - 20:34

O protocolo gerenciado de Insuficiência Cardíaca conta com a participação da enfermeira Case-Manager da Cardiologia, que monitora os indicadores de qualidade assistencial, sugeridos Joint Commission on Accreditation of Healthcare Organizations (JCAHO) e pela Canadian Cardiovascular Outcomes Research Team/ Canadian Cardiovascular Society (CCORT/CCS), durante a internação dos pacientes com Insuficiência Cardíaca.

Abrir arquivo em PDF

Portal Saúde Direta - Footer
Atualizado em
14/09/2020
Saude-Direta-Facebook Saude-Direta-LinkedIN Saude-Direta-Twitter