Profissionais: 7137
Prontuários: 513823

Protocolos/Algoritmos/Diretrizes/Fluxogramas

Advertência: Estes artigos e resumos são protegidos pela Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610/98), sendo vedada a sua transcrição sem citação da fonte e a sua reprodução com finalidades comerciais sem autorização dos autores.

Adobe Acrobat Reader
É necessário o Adobe Acrobat Reader instalado.

Guia de Protocolos e Medicamentos para Tratamento em Oncologia e Hematologia - Parte II

Miguel Cendoroglo Neto, Nelson Hamerschlak, Andreza Alice Feitosa Ribeiro, Rafael Aliosha Kaliks Guendelmann, Valéria Armentano dos Santos
Hospital Albert Einstein,S√£o Paulo - 2013
Número: 2784 / Publicado em 04/12/2013 - 10:13

Este guia cont√©m orienta√ß√Ķes b√°sicas para consulta m√©dica, apresentando, de forma r√°pida e objetiva, todos os protocolos e medicamentos para tratamento em Oncologia e Hematologia.

Abrir arquivo em PDF

Guia de Protocolos e Medicamentos para Tratamento em Oncologia e Hematologia - Parte I

Miguel Cendoroglo Neto, Nelson Hamerschlak, Andreza Alice Feitosa Ribeiro, Rafael Aliosha Kaliks Guendelmann, Valéria Armentano dos Santos
Hospital Albert Einstein,S√£o Paulo - 2013
Número: 2783 / Publicado em 04/12/2013 - 10:12

Este guia cont√©m orienta√ß√Ķes b√°sicas para consulta m√©dica, apresentando, de forma r√°pida e objetiva, todos os protocolos e medicamentos para tratamento em Oncologia e Hematologia.

Abrir arquivo em PDF

Protocolo para Prevenção de Úlcera por Pressão

Anvisa/ Fiocruz
Minist√©rio da Sa√ļde: 2013
Número: 2782 / Publicado em 04/12/2013 - 09:45

As recomenda√ß√Ķes para a preven√ß√£o devem ser aplicadas a todos os indiv√≠duos vulner√°veis em todos os grupos et√°rios. As interven√ß√Ķes devem ser adotadas por todos os profissionais de sa√ļde envolvidos no cuidado de pacientes e de pessoas vulner√°veis, que estejam em risco de desenvolver √ļlceras por press√£o e que se encontrem em ambiente hospitalar, em cuidados continuados, em lares, independentemente de seu diagn√≥stico ou das necessidades de cuidados de sa√ļde.

Abrir arquivo em PDF

Manual de Rotinas para Atenção ao AVC - Parte II

Secretaria de Aten√ß√£o √† Sa√ļde. Departamento de Aten√ß√£o Especializada.
Minist√©rio da Sa√ļde: 2013
Número: 2781 / Publicado em 04/12/2013 - 09:37

Este Manual de rotinas de aten√ß√£o ao AVC tem como objetivo apresentar protocolos, escalas e orienta√ß√Ķes aos profissionais de sa√ļde no manejo cl√≠nico ao paciente acometido por AVC, permitindo, assim, o alcance da qualifica√ß√£o dos trabalhadores que atuam na ‚Äúponta‚ÄĚ, desde a Aten√ß√£o B√°sica, o ambulat√≥rio, o Samu, a Sala de Estabiliza√ß√£o, a UPA at√© as portas de entrada hospitalares, financiando melhorias na estrutura f√≠sica e tecnol√≥gica destes servi√ßos.

Abrir arquivo em PDF

Manual de Rotinas para Atenção ao AVC - Parte I

Secretaria de Aten√ß√£o √† Sa√ļde. Departamento de Aten√ß√£o Especializada.
Minist√©rio da Sa√ļde: 2013
Número: 2780 / Publicado em 04/12/2013 - 09:38

Este Manual de rotinas de aten√ß√£o ao AVC tem como objetivo apresentar protocolos, escalas e orienta√ß√Ķes aos profissionais de sa√ļde no manejo cl√≠nico ao paciente acometido por AVC, permitindo, assim, o alcance da qualifica√ß√£o dos trabalhadores que atuam na ‚Äúponta‚ÄĚ, desde a Aten√ß√£o B√°sica, o ambulat√≥rio, o Samu, a Sala de Estabiliza√ß√£o, a UPA at√© as portas de entrada hospitalares, financiando melhorias na estrutura f√≠sica e tecnol√≥gica destes servi√ßos.

Abrir arquivo em PDF

Linha de Cuidado para a Aten√ß√£o Integral √†s Pessoas com Transtorno do Espectro do Autismo e suas Fam√≠lias no Sistema √önico de Sa√ļde Parte II

Coordena√ß√£o Nacional de Sa√ļde Mental, √Ālcool e Outras Drogas
Minist√©rio da Sa√ļde: 2013
Número: 2778 / Publicado em 03/12/2013 - 09:09

Espera-se que este guia possa servir como norteador das a√ß√Ķes de amplia√ß√£o do acesso e qualidade do cuidado ofertado √†s pessoas com Transtorno do Espectro do Autismo e suas fam√≠lias, como refer√™ncia para as capacita√ß√Ķes promovidas pelo Sistema √önico de Sa√ļde; e como bibliografia de apoio a estudantes, familiares, profissionais e gestores de diferentes √°reas.

Abrir arquivo em PDF

Linha de Cuidado para a Aten√ß√£o Integral √†s Pessoas com Transtorno do Espectro do Autismo e suas Fam√≠lias no Sistema √önico de Sa√ļde Parte I

Coordena√ß√£o Nacional de Sa√ļde Mental, √Ālcool e Outras Drogas
Minist√©rio da Sa√ļde: 2013
Número: 2777 / Publicado em 03/12/2013 - 09:09

Espera-se que este guia possa servir como norteador das a√ß√Ķes de amplia√ß√£o do acesso e qualidade do cuidado ofertado √†s pessoas com Transtorno do Espectro do Autismo e suas fam√≠lias, como refer√™ncia para as capacita√ß√Ķes promovidas pelo Sistema √önico de Sa√ļde; e como bibliografia de apoio a estudantes, familiares, profissionais e gestores de diferentes √°reas.

Abrir arquivo em PDF

Hepatite Alcoólica Aguda - Artigo de Revisão

Luís Matosa, Paulo Batista, Nuno Monteiro, Pedro Henriques e Armando Carvalho
J Port Gastrenterol. 2013 ;20(4):153-161
Número: 2776 / Publicado em 02/12/2013 - 16:34

A hepatite alco√≥lica aguda √© uma condi√ß√£o de dif√≠cil diagn√≥stico, em rela√ß√£o com o seu pleomorÔ¨Āsmo cl√≠nico, associado, por vezes, apenas a discretas altera√ß√Ķes anal√≠ticas, muitas vezes presentes em doentes com hist√≥ria de consumo abusivo de bebidas alco√≥licas. Os autores pretendem fazer uma revis√£o te√≥rica dos conceitos mais atuais no que diz respeito a diagn√≥stico e terap√™utica desta entidade potencialmente fatal.

Abrir arquivo em PDF

Diretrizes para Abordagem da Abstinência Alcoólica

Alexandre de Ara√ļjo Pereira
Universidade Federal de Minas Gerais
Número: 2775 / Publicado em 02/12/2013 - 16:29

A cessa√ß√£o da ingest√£o cr√īnica de √°lcool ou sua redu√ß√£o pode levar ao aparecimento de um conjunto de sinais e sintomas de desconforto definidos como S√≠ndrome de Abstin√™ncia do √Ālcool (SAA).

Abrir arquivo em PDF

Abortamento Seguro: Orienta√ß√£o T√©cnica e de Pol√≠ticas para Sistemas de Sa√ļde - Parte II

Centro Latinoamericano de Perinatologia/Sa√ļde da Mulher e Reprodutiva
Organiza√ß√£o Mundial da Sa√ļde 2013
Número: 2774 / Publicado em 02/12/2013 - 09:37

Em praticamente todos os pa√≠ses desenvolvidos, os abortamentos em condi√ß√Ķes seguras t√™m amparo legal, por exclusiva solicita√ß√£o da mulher ou sobre uma ampla base social e econ√īmica, e √© poss√≠vel dispor e ter acesso facilmente aos servi√ßos em geral. Nos pa√≠ses onde o abortamento induzido legal est√° sumamente restrito ou n√£o est√° dispon√≠vel, na maioria das vezes o abortamento seguro se torna um privil√©gio dos ricos, e as mulheres de baixa renda s√£o mais suscet√≠veis a procurar m√©todos inseguros de abortamento, que provocam a morte e morbidades, gerando responsabilidade social e financeira para o sistema de sa√ļde p√ļblica.

Abrir arquivo em PDF

Portal Saúde Direta - Footer
Atualizado em
14/09/2020
Saude-Direta-Facebook Saude-Direta-LinkedIN Saude-Direta-Twitter