Profissionais: 7152
Prontuários: 519864

Protocolos/Algoritmos/Diretrizes/Fluxogramas

Advertência: Estes artigos e resumos são protegidos pela Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610/98), sendo vedada a sua transcrição sem citação da fonte e a sua reprodução com finalidades comerciais sem autorização dos autores.

Adobe Acrobat Reader
É necessário o Adobe Acrobat Reader instalado.

Existe a Constipação após Histerectomia ? Avaliação Clínica e Manométrica.

Maria Auxiliadora Prolungatti Cesar e Cols.
Rev bras Coloproct, 2010;30(2): 191-198.
Número: 1412 / Publicado em 22/06/2012 - 09:04

Os autores encontraram a presen√ßa de evacua√ß√£o incompleta que n√£o ocorria no p√≥s-operat√≥rio. N√£o foram encontradas altera√ß√Ķes manom√©tricas e duas pacientes apresentaram dor abdominal √† distens√£o da ampola retal na aferi√ß√£o do volume m√°ximo toler√°vel. Conclus√Ķes: Os achados deste estudo sugerem que altera√ß√Ķes intestinais ocorrem ap√≥s a histerectomia e s√£o principalmente relacionadas ao reto.

Abrir arquivo em PDF

Influência de Alimentos Líquidos e Sólidos no Controle do Apetite.

Denise Machado Mour√£o e Josefina Bressan.
Rev. Nutr., Campinas, 22(4):537-547, jul./ago., 2009.
Número: 1411 / Publicado em 22/06/2012 - 09:05

Os resultados atuais das pesquisas indicam que o estado físico do alimento pode influenciar o consumo alimentar, tanto a curto quanto a longo prazo, e que os alimentos líquidos exercem um menor poder sacietógeno, em comparação aos sólidos. Os possíveis mecanismos envolvidos nesse fraco controle do apetite pelos líquidos são: falta de mastigação, fase cefálica da ingestão menos pronunciada, esvaziamento gástrico mais rápido e fatores cognitivos. Conclui-se que o uso de alimentos líquidos, em especial bebidas energéticas, deve ser moderado tanto na prevenção como no tratamento da obesidade.

Abrir arquivo em PDF

Anemia Ferropriva e Anemia de Doen√ßa Cr√īnica: Dist√ļrbios do Metabolismo de Ferro.

Miriam Corrêa de Carvalho, Emílio Carlos Elias Baracat, Valdemiro Carlos Sgarbieri.
Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, 13(2): 54-63, 2006
Número: 1410 / Publicado em 18/06/2012 - 08:09

A anemia ferropriva e a anemia de doen√ßa cr√īnica correspondem √†s anemias mais comuns por dist√ļrbios do metabolismo de ferro. A anemia ferropriva, desordem nutricional mais prevalente em todo o mundo, acomete principalmente crian√ßas menores de cinco anos e mulheres em idade f√©rtil. Os sinais cl√≠nicos da defici√™ncia de ferro n√£o s√£o facilmente identific√°veis e, muitas vezes, a anemia n√£o √© diagnosticada. Estes sinais incluem palidez, anorexia, apatia, irritabilidade, diminui√ß√£o da aten√ß√£o e defici√™ncias psicomotoras. A anemia de doen√ßa cr√īnica est√° presente em processos inflamat√≥rios, infecciosos ou neopl√°sicos. Alguns autores entendem que, em lugar de considerar a anemia como uma anormalidade em doen√ßas cr√īnicas com quadro de infec√ß√£o/inflama√ß√£o, esta possa ser considerada como um mecanismo de defesa, n√£o espec√≠fico, em resposta do hospedeiro √† invas√£o microbiana. A no√ß√£o de que a defici√™ncia de ferro representa um fator de prote√ß√£o contra a infec√ß√£o √© baseada em estudos que demonstram a necessidade de ferro para o crescimento bacteriano e produ√ß√£o de toxinas.

Abrir arquivo em PDF

S√≠ndrome da Fragilidade no Idoso: Import√Ęncia da Fisioterapia.

Camila Macedo, Juliana Maria Gazzola, Myrian Najas.
Arquivos Brasileiros de Ci√™ncias da Sa√ļde, v.33, n. 3, p. 177-84
Número: 1409 / Publicado em 22/06/2012 - 09:06

O objetivo desta revis√£o de literatura foi expor os elementos sobre a S√≠ndrome da Fragilidade dos Idosos, em uma revis√£o narrativa da literatura, dando um panorama geral sobre epidemiologia, tend√™ncias atuais, ciclo da fragilidade, sarcopenia, altera√ß√Ķes imunol√≥gicas, altera√ß√Ķes neuroend√≥crinas, diagn√≥sticos cl√≠nico, laboratorial e diferencial e as possibilidades de interven√ß√Ķes fisioterap√™uticas. Para esses fins, realizou-se revis√£o bibliogr√°fica da literatura nacional e internacional sobre o tema. Com o conhecimento de estudos envolvendo idosos fr√°geis, √© poss√≠vel planejar as estrat√©gias voltadas para a identifica√ß√£o da parcela da popula√ß√£o que mais se beneficiaria de a√ß√Ķes para postergar, atenuar e, se poss√≠vel, reverter tais desfechos.

Abrir arquivo em PDF

Progressos Recentes e Novas Perspectivas em Farmacoterapia da Obesidade.

André M. Faria, Marcio C. Mancini, Maria Edna de Melo, Cintia Cercato, Alfredo Halpern.
Arq Bras Endocrinol Metab. 2010 ; 54/6
Número: 1408 / Publicado em 22/06/2012 - 09:07

Este artigo tem como objetivo apresentar dados recentes de estudos cl√≠nicos de novas drogas propostas para o tratamento da obesidade com perspectivas breves de serem lan√ßadas no mercado, caso passem pela aprova√ß√£o das ag√™ncias regulat√≥rias. Nesta revis√£o ser√£o discutidas a efic√°cia e a seguran√ßa desses f√°rmacos, que incluem a lorcaserina (agonista serotonin√©rgico seletivo 5-HT2c), tesofensina (inibidor triplo de recapta√ß√£o de monoaminas), liraglutide (an√°logo do GLP-1) e cetilistate (inibidor de lipases gastrointestinais), al√©m das combina√ß√Ķes de bupropiona/naltrexona, bupropiona/zonisamida, fentermina/topiramato e pramlintide/metreleptina.

Abrir arquivo em PDF

Vitamina A e Diabetes Gestacional.

Larissa Queiroz de Lira, Roberto Dimenstein.
Rev Assoc Med Bras 2010; 56(3): 355-9
Número: 1407 / Publicado em 22/06/2012 - 09:08

Atualmente, existem evid√™ncias de uma forte associa√ß√£o entre a DM e os n√≠veis de retinol s√©rico em mulheres gr√°vidas. A presen√ßa desta patologia durante o per√≠odo gestacional torna essas mulheres mais propensas a apresentar estado bioqu√≠mico marginal ou deficiente em vitamina A. Esta condi√ß√£o, al√©m potencializar as complica√ß√Ķes causadas pela pr√≥pria evolu√ß√£o do diabetes nas gestantes, tornar√° seus filhos mais vulner√°veis ao desenvolvimento de uma das car√™ncias mais prevalentes e importantes mundialmente, a defici√™ncia em vitamina A, quando comparadas com as de gesta√ß√£o saud√°vel.

Abrir arquivo em PDF

Efeitos de 24 Semanas de Treinamento Resistido Sobre √ćndices da Aptid√£o Aer√≥bia de Mulheres Idosas.

Marcelo Guido, Ricardo Moreno Lima, Ronald Benford, Tailce Kaley Moura Leite, Rinaldo Wellerson Pereira, Ricardo Jacó de Oliveira.
Rev Bras Med Esporte ‚Äď Vol. 16, No 4 ‚Äď Jul/Ago, 2010
Número: 1406 / Publicado em 22/06/2012 - 09:09

O envelhecimento do sistema cardiorrespiratório está associado à redução da capacidade aeróbia máxima, geralmente expressa pelo consumo pico de oxigênio (VO2pico). Mesmo em indivíduos saudáveis e fisicamente ativos, ocorre declínio da aptidão aeróbia após os 40 anos de idade, que se torna mais acentuado a partir da sexta década de vida. Esse declínio está relacionado com a diminuição do débito cardíaco máximo e da diferença arteriovenosa de oxigênio, que também diminuem com o envelhecimento.

Abrir arquivo em PDF

Treinamento Físico na Síndrome Lipodistrófica: Revisão Sistemática.

Gabriela Maria Viega Juchem, Alexandre Ramos Lazzarotto.
Rev Bras Med Esporte ‚Äď Vol. 16, No 4 ‚Äď Jul/Ago, 2010
Número: 1405 / Publicado em 22/06/2012 - 09:10

O objetivo desse artigo foi revisar na literatura as evid√™ncias cient√≠ficas sobre o treinamento f√≠sico na s√≠ndrome lipodistr√≥fica. As evid√™ncias cient√≠ficas encontradas nos estudos analisados indicam que a maioria dos estudos, independente do tipo de treinamento, obtiveram melhoria significativa na composi√ß√£o corporal. Dessa forma, tornam-se necess√°rio mais estudos investigando o treinamento f√≠sico no perfil lip√≠dico, na resist√™ncia a insulina e nas altera√ß√Ķes glic√™micas em pessoas vivendo com HIV/Aids.

Abrir arquivo em PDF

A Declara√ß√£o de √ďbito: Documento Necess√°rio e Importante.

Série A. Normas e Manuais Técnicos.
Minist√©rio da Sa√ļde / Conselho Federal de Medicina - 2009.
Número: 1403 / Publicado em 29/01/2013 - 22:18

Para al√©m dos aspectos jur√≠dicos que encerra, a declara√ß√£o de √≥bito √© um instrumento imprescind√≠vel para a constru√ß√£o de qualquer tipo de planejamento de sa√ļde. E uma pol√≠tica de sa√ļde adequada pode significar a diferen√ßa entre a vida e a morte para muitas pessoas.

Abrir arquivo em PDF

Aptid√£o F√≠sica na Inf√Ęncia e Adolesc√™ncia.

Col√©gio Americano de Medicina Esportiva ‚Äď Posicionamento Oficial.
http://www.acsm.org/
Número: 1402 / Publicado em 22/06/2012 - 09:14

√Č opini√£o do ACSM que aptid√£o f√≠sica para crian√ßa e adolescente deve ser desenvolvida como primeiro objetivo de incentivo √† ado√ß√£o de um estilo de vida apropriado com pr√°tica de exerc√≠cios por toda a vida, com intuito de desenvolver e manter condicionamento f√≠sico suficiente para melhoria da capacidade funcional e da sa√ļde.

Abrir arquivo em PDF

Portal Saúde Direta - Footer
Atualizado em
14/09/2020
Saude-Direta-Facebook Saude-Direta-LinkedIN Saude-Direta-Twitter