Profissionais: 7152
Prontuários: 522068

Protocolos/Algoritmos/Diretrizes/Fluxogramas

Advertência: Estes artigos e resumos são protegidos pela Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610/98), sendo vedada a sua transcrição sem citação da fonte e a sua reprodução com finalidades comerciais sem autorização dos autores.

Adobe Acrobat Reader
É necessário o Adobe Acrobat Reader instalado.

Diretrizes Cl√≠nicas na Sa√ļde Suplementar - Hipotireoidismo: Diagn√≥stico

Nogueira CR, Kimura ET, Carvalho GA, Sgarbi JA, Ward LS, Maciel LMZ, Silva MRD, Stein AT, Wagner HL, Hetem LAB, Andrada NC
Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabolismo, Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, Associação Brasileira de Psiquiatria
Número: 160 / Publicado em 16/06/2012 - 19:01

Hipotireoidismo √© defi nido como um estado cl√≠nico resultante de quantidade insuficiente de horm√īnios circulantes da gl√Ęndula tire√≥ide para suprir uma fun√ß√£o org√Ęnica normal. A forma mais prevalente √© a doen√ßa tireoidiana prim√°ria, denominado de hipotireoidismo prim√°rio e ocasionado por uma fal√™ncia da pr√≥pria gl√Ęndula, mas tamb√©m pode ocorrer hipotireoidismo devido a doen√ßa hipotal√Ęmica ou hipofis√°ria (denominado hipotireoidismo central).

Abrir arquivo em PDF

Diretrizes Cl√≠nicas na Sa√ļde Suplementar - Doen√ßa Nodular da Tire√≥ide: Tratamento e Seguimento

Tincani AJ, Kimura ET, Ward LS, Teixeira G, Kulcsar MAV, Tavares MR, del Negro A, Correa LAC, Abrah√£o M, Friguglieti CUM, Volpi EM, Maia AL, Nogueira CR, Biscolla RPM, Carvalho GA, Cavalcanti CEO, Vaisman M, Hojaiji F, Andrada NC
Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabolismo e Sociedade Brasileira de Cirurgia de Cabeça e Pescoço
Número: 159 / Publicado em 16/06/2012 - 19:02

N√≥dulos tireoidianos s√£o frequentemente observados na pr√°tica cl√≠nica e representam a principal manifesta√ß√£o cl√≠nica de uma s√©rie de doen√ßas tireoidianas, incluindo malignidade. Mesmo ap√≥s a exclus√£o de malignidade, os pacientes com n√≥dulos benignos necessitam de acompanhamento cl√≠nico, que pode incluir al√©m do exame cl√≠nico, exames laboratoriais e condutas terap√™uticas cl√≠nica e/ou cir√ļrgica.

Abrir arquivo em PDF

Diretrizes Cl√≠nicas na Sa√ļde Suplementar - Doen√ßa Nodular da Tire√≥ide: Diagn√≥stico

Kimura ET, Tincani AJ Ward LS, Nogueira CR, Carvalho GA, Maia AL, Tavares MR, Teixeira G, Kulcsar MAV, Biscolla RPM, Cavalcanti CEO, Correa LAC, del Negro A, Friguglieti CUM, Hojaij F, Abrah√£o M, Volpi EM, Vaisman M, Andrada NC
Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabolismo e Sociedade Brasileira de Cirurgia de Cabeça e Pescoço
Número: 158 / Publicado em 16/06/2012 - 19:03

N√≥dulos tireoidianos s√£o encontrados frequentemente na pr√°tica cl√≠nica e representam a principal manifesta√ß√£o cl√≠nica de uma s√©rie de doen√ßas tireoidianas. Estudos epidemiol√≥gicos conduzidos em √°reas sufi cientes em iodo t√™m demonstrado que 4% a 7 % das mulheres e 1% dos homens adultos apresentam n√≥dulo palp√°vel. Entretanto, estudos ultrassonogr√°ficos (US) mostram que esta preval√™ncia √© ainda maior, variando de 19% a 67%, com maior incid√™ncia em mulheres e idosos. A grande import√Ęncia no manejo dos n√≥dulos tireoidianos baseia-se no fato de que, apesar da grande maioria representar les√Ķes benignas, √© necess√°rio excluir o c√Ęncer da tire√≥ide, que ocorre em 5% a 10 % dos casos.

Abrir arquivo em PDF

Diretrizes Cl√≠nicas na Sa√ļde Suplementar - Dispepsia Funcional e Helicobacter Pylori

Carvalhaes A, Eisig JN, Magalh√£es AF, Zaterka S, Mazzoleni LE, Coelho LGV, Maguilnik I, N√ļcleo Brasileiro para o estudo do Helicobacter Pylori
Federação Brasileira de Gastroenterologia
Número: 157 / Publicado em 16/06/2012 - 19:04

Estabelecer o grau de correla√ß√£o de vari√°veis pr√©-determinadas da Dispepsia Funcional (DF) com a infec√ß√£o pelo Helicobacter Pylori (HP), em particular em rela√ß√£o ao diagn√≥stico e tratamento da infec√ß√£o e sua repercuss√£o nos sintomas da DF. Os trabalhos selecionados inclu√≠am apenas pacientes adultos desde que exclu√≠das condi√ß√Ķes como gesta√ß√£o, co-morbidades, abordagem ps√≠quica ou pr√°ticas alternativas de tratamento.

Abrir arquivo em PDF

Diretrizes Cl√≠nicas na Sa√ļde Suplementar - Assist√™ncia ao Trabalho de Parto.

Parpinelli MA, Surita FG, Pacagnella RC, Sim√Ķes R.
Federa√ß√£o Brasileira das Associa√ß√Ķes de Ginecologia e Obstetr√≠cia.
Número: 156 / Publicado em 16/06/2012 - 18:41

Embora no s√©culo XX a atitude expectante frente √† parturiente tenha sido transferida para o espa√ßo hospitalar, que possui as condi√ß√Ķes prop√≠cias para a pr√°tica de interven√ß√Ķes m√©dicas, o incremento da utiliza√ß√£o de procedimentos e rotinas cir√ļrgicas nem sempre foi acompanhado de evid√™ncias cient√≠ficas claras de benef√≠cio √† mulher e ao concepto.

Abrir arquivo em PDF

Medicamentos Excepcionais - Manual 3ª Revisão

Nara Soares Dantas, Ramiro Rockenbach da Silva.
Minist√©rio P√ļblico da Uni√£o
Número: 155 / Publicado em 16/06/2012 - 18:42

O Sistema √önico de Sa√ļde, inaugurado pela atual Constitui√ß√£o da Rep√ļblica, objetiva reduzir o risco de doen√ßas e de outros agravos e almeja assegurar a todos o acesso universal e igualit√°rio a a√ß√Ķes e servi√ßos para a promo√ß√£o, prote√ß√£o e recupera√ß√£o da sa√ļde. Em s√≠ntese, a finalidade √© implementar pol√≠ticas sociais e econ√īmicas eficazes e em prol do bem-estar da popula√ß√£o (CR/1988, artigos 196 e seguintes). A execu√ß√£o de a√ß√Ķes de assist√™ncia terap√™utica integral, inclusive farmac√™utica, bem como a formula√ß√£o da pol√≠tica de medicamentos, s√£o fatores relevantes no campo de atua√ß√£o do Sistema √önico de Sa√ļde (artigo 6o, incisos I, a, e VI, da Lei n. 8.080/1990).

Abrir arquivo em PDF

Laudo para Solicitação/Autorização de Medicamentos de Dispensação Excepcional (LME).

Sistema √önico de Sa√ļde (SUS).
Minist√©rio da Sa√ļde (MS).
Número: 154 / Publicado em 16/06/2012 - 18:44

Laudo de Medicamentos Excepcionais para impress√£o.

Abrir arquivo em PDF

O Paciente Informado e Seu Novo Papel

Ethevaldo Siqueira
O Estado de S.Paulo - 08/09/2010
Número: 150 / Publicado em 24/09/2010 - 23:00

Pesquisas mundiais comprovam que, ao longo das duas √ļltimas d√©cadas, as pessoas passaram a dispor de um volume crescente de informa√ß√Ķes e de conhecimentos sobre quest√Ķes b√°sicas de sa√ļde, higiene, alimenta√ß√£o e preven√ß√£o de doen√ßas. Surge, assim, a figura do paciente informado, um cliente capaz de dialogar com seu m√©dico ou cl√≠nico, nas mais varias especialidades.

Abrir arquivo em PDF

Diagnóstico e Tratamento das Lombalgias e Lombociatalgias.

Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina.
Sociedade Brasileira de Reumatologia, Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia, Sociedade Brasileira de Neurocirurgia, Colégio Brasileiro de Radiologia, Sociedade Brasileira de Medicina Física e Reabilitação.
Número: 147 / Publicado em 22/09/2010 - 18:24

A dor lombar constitui uma causa freq√ľente de morbidade e incapacidade, sendo sobrepujada apenas pela cefal√©ia na escala dos dist√ļrbios dolorosos que afetam o homem. No entanto, quando do atendimento prim√°rio por m√©dicos n√£o-especialistas, para apenas 15% das lombalgias e lombociatalgias, se encontra uma causa espec√≠fica.

Abrir arquivo em PDF

Diagnóstico e Tratamento do Hipertireoidismo.

Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina.
Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia.
Número: 146 / Publicado em 26/09/2010 - 10:02

A Associa√ß√£o Americana de Tire√≥ide recomenda o rastreamento de adultos para disfun√ß√£o tireoidiana por meio da mensura√ß√£o das concentra√ß√Ķes do horm√īnio estimulante da tire√≥ide (TSH), a partir dos 35 anos de idade e a cada 5 anos posteriormente, sobretudo em mulheres. Indiv√≠duos com manifesta√ß√Ķes cl√≠nicas potencialmente atribu√≠veis ao hipertireoidismo e aqueles com fatores de risco para o seu desenvolvimento devem realizar dosagens mais freq√ľentes do TSH.

Abrir arquivo em PDF

Portal Saúde Direta - Footer
Atualizado em
14/09/2020
Saude-Direta-Facebook Saude-Direta-LinkedIN Saude-Direta-Twitter