Profissionais: 7120
Prontuários: 505161

Protocolos/Algoritmos/Diretrizes/Fluxogramas

Advertência: Estes artigos e resumos são protegidos pela Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610/98), sendo vedada a sua transcrição sem citação da fonte e a sua reprodução com finalidades comerciais sem autorização dos autores.

Adobe Acrobat Reader
É necessário o Adobe Acrobat Reader instalado.

Infecção do Trato Urinário no Idoso.

Sociedade Brasileira de Urologia.
Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina.
Número: 388 / Publicado em 09/03/2012 - 17:17

Os processos infecciosos,particularizando as infecções do trato urinário (ITU), têm incidência progressiva porque os idosos apresentam mais fatores de risco. Reconhecidamente, a ITU, sintomática ou assintomática (bacteriana), é a infecção mais freqüente, independentemente do sexo, estimando-se que acometa aproximadamente 20% das mulheres e 10% dos homens idosos. Esta prevalência praticamente se duplica após os 80 anos, quando as diferenças entre mulheres e homens são menores).

Abrir arquivo em PDF

Infecção do Trato Urinário Complicada.

Sociedade Brasileira de Urologia, Colégio Brasileiro de Radiologia.
Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina.
Número: 387 / Publicado em 09/03/2012 - 17:18

Infecção do Trato Urinário Complicada é aquela associada com condições que aumentem o risco para infecção ou para falência do tratamento. Estas infecções estão comumente associadas a alterações anatômicas e ou funcionais do trato urinário, ou doenças que interferem com os mecanismos de defesa do paciente.

Abrir arquivo em PDF

Infecção do Trato Urinário Alto de Origem Comunitária e Hospitalar: Tratamento.

Sociedade Brasileira de Infectologia e Sociedade Brasileira de Urologia.
Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina.
Número: 386 / Publicado em 09/03/2012 - 17:18

O espectro de agentes etiológicos é semelhante tanto nas infecções do trato urinário baixo (cistite) como nas do trato urinário alto (pielonefrite), quando agudas, não complicadas e de origem comunitária: Escherichia coli (70% - 95%), Staphylococcus saprophyticus (5% - 20%) e, ocasionalmente, Proteus mirabilis, Klebsiella sp e Enterococcus (principalmente E.faecalis).

Abrir arquivo em PDF

Incontinência Urinária: Propedêutica.

Sociedade Brasileira de Urologia.
Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina.
Número: 385 / Publicado em 09/03/2012 - 17:19

Devido à existência de diferentes tipos e graus de incontinência urinária, portadores desta afecção apresentam sintomas e sinais comuns para cada tipo de incontinência. Infelizmente, pacientes que apresentam esses sintomas freqüentemente são imprecisos em definir a natureza e a gravidade da perda urinária. Por esse motivo, é fundamental que se faça o diagnóstico preciso da incontinência urinária e vários instrumentos podem ajudar no diagnóstico.

Abrir arquivo em PDF

Incontinência Urinária Pós-Prostatectomia: Tratamento.

Sociedade Brasileira de Urologia.
Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina.
Número: 384 / Publicado em 09/03/2012 - 17:19

A incontinência urinária pós-prostatectomia (IUPP) é uma complicação de difícil tratamento e que causa um profundo impacto negativo na qualidade de vida do indivíduo, bem como perturba seriamente a relação médico-paciente. A IUPP pode ocorrer tanto no tratamento da hiperplasia prostática benigna como no tratamento do câncer de próstata.

Abrir arquivo em PDF

Incontinência Urinária de Esforço: Tratamento Não Cirúrgico e Não Farmacológico.

Sociedade Brasileira de Urologia.
Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina.
Número: 383 / Publicado em 09/03/2012 - 17:20

A incontinência urinária na mulher é definida pela Sociedade Internacional de Continência como qualquer perda de urina. O tratamento da incontinência urinária de esforço historicamente tem sido cirúrgico, no entanto, apesar do comprometimento da qualidade de vida pelas perdas urinárias, algumas mulheres são relutantes à correção cirúrgica pelos riscos operatórios e outras têm contra-indicações anestésico-cirúrgicas.

Abrir arquivo em PDF

Incontinência Urinária de Esforço: Tratamento Farmacológico da Insuficiência Esfincteriana.

Sociedade Brasileira de Urologia.
Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina.
Número: 382 / Publicado em 09/03/2012 - 17:20

A incontinência urinária de esforço é responsável por 49% (variando de 24% a 75%) dos casos de incontinência urinária que afetam a população feminina entre 18 e 90 anos. Várias opções terapêuticas podem ser propostas para as pacientes, desde forros perineais, exercícios do assoalho pélvico, medicamentos e tratamento cirúrgico.

Abrir arquivo em PDF

Hirsutismo: Diagnóstico.

Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, Sociedade Brasileira de Dermatologia.
Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina.
Número: 381 / Publicado em 09/03/2012 - 17:21

O hirsutismo é definido como a presença de pêlos terminais na mulher, em áreas anatômicas características de distribuição masculina. Pode manifestar-se como queixa isolada, ou como parte de um quadro clínico mais amplo, acompanhado de outros sinais de hiperandrogenismo, virilização, distúrbios menstruais e/ou infertilidade.

Abrir arquivo em PDF

Hipotireoidismo Congênito.

Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia.
Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina.
Número: 380 / Publicado em 09/03/2012 - 17:21

O hipotireoidismo congênito representa uma das causas mais freqüentes de retardo mental, que pode ser prevenida com o diagnóstico precoce e tratamento adequado. Resulta de uma produção inadequada de hormônio tireoidiano decorrente de diversas causas.

Abrir arquivo em PDF

Hipopituitarismo: Tratamento.

Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, Sociedade Brasileira de Clínica Médica.
Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina.
Número: 379 / Publicado em 09/03/2012 - 17:23

A hipófise é uma glândula formada por vários tipos celulares, cujos produtos de secreção estimulam outras glândulas endócrinas periféricas a sintetizar e a secretar hormônios envolvidos em funções diversas, como crescimento, desenvolvimento neuropsicomotor, maturação sexual, fertilidade, controle do gasto energético, regulação do metabolismo de carboidratos, lipídeos e proteínas, manutenção do balanço hidroeletrolítico. A secreção hormonal hipofisária é regulada por hormônios hipotalâmicos e pelos hormônios produzidos pelas glândulas endócrinas periféricas.

Abrir arquivo em PDF

Portal Saúde Direta - Footer
Atualizado em
14/09/2020
Saude-Direta-Facebook Saude-Direta-LinkedIN Saude-Direta-Twitter