Profissionais: 7152
Prontuários: 519862

Protocolos/Algoritmos/Diretrizes/Fluxogramas

Advertência: Estes artigos e resumos são protegidos pela Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610/98), sendo vedada a sua transcrição sem citação da fonte e a sua reprodução com finalidades comerciais sem autorização dos autores.

Adobe Acrobat Reader
É necessário o Adobe Acrobat Reader instalado.

I Diretriz de Preven√ß√£o da Aterosclerose na Inf√Ęncia e Adolesc√™ncia

Giuliano, I.C.B., Caramelli, B., Pellanda, L., Duncan, B.,Mattos, S., Fonseca, F.A.H.
Sociedade Brasileira de Cardiologia
Número: 2742 / Publicado em 10/06/2013 - 10:02

Atualmente, sabemos que √© poss√≠vel obter uma redu√ß√£o na incid√™ncia de complica√ß√Ķes da aterosclerose com a ado√ß√£o de um estilo de vida saud√°vel e com o tratamento medicamentoso. N√£o h√° consenso, entretanto, em que fase da vida e de que forma a preven√ß√£o deve ser implantada. Na medida em que foram sendo compreendidos os mecanismos de origem e desenvolvimento da doen√ßa ateroscler√≥tica, foi se formando o conceito de que este tratamento deve come√ßar na inf√Ęncia. Ao inv√©s de substituir o racioc√≠nio cl√≠nico esta diretriz pretende complement√°-lo, tornando-se uma refer√™ncia para o estabelecimento de estrat√©gias individuais e populacionais no controle dos fatores de risco para aterosclerose na inf√Ęncia e adolesc√™ncia.

Abrir arquivo em PDF

Atividade F√≠sica e Sa√ļde na Inf√Ęncia e Adolesc√™ncia

José Kawazoe Lazzoli e colaboradores
Rev Bras Med Esporte Vol. 4, N¬ļ 4 ‚Äď Jul/Ago, 1998
Número: 2741 / Publicado em 10/06/2013 - 09:45

Este documento, elaborado por m√©dicos especialistas em exerc√≠cio e esporte, baseia-se em conceitos cient√≠ficos e na experi√™ncia cl√≠nica, tendo como objetivos: 1) estabelecer os benef√≠cios da atividade f√≠sica na crian√ßa e no adolescente; 2) caracterizar os elementos de avalia√ß√£o e prescri√ß√£o do exerc√≠cio para a sa√ļde nessa faixa et√°ria; 3) estimular a recomenda√ß√£o e a pr√°tica da atividade f√≠sica nas crian√ßas e adolescentes, mesmo na presen√ßa de doen√ßas cr√īnicas, visto que s√£o raras as contra-indica√ß√Ķes absolutas.

Abrir arquivo em PDF

Anafilaxia: Diagnóstico

Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia & Sociedade Brasileira de Anestesiologia
Rev. Assoc. Med. Bras. 2013, vol.59, n.1, pp. 7-17
Número: 2740 / Publicado em 07/06/2013 - 11:19

A anafilaxia √© conceituada como uma rea√ß√£o al√©rgica aguda grave, de in√≠cio s√ļbito e evolu√ß√£o r√°pida, e que √© potencialmente fatal. Os √≥rg√£os-alvo envolvidos incluem pele e mucosas (80% a 90% dos epis√≥dios), aparelho respirat√≥rio (70% dos epis√≥dios), trato gastrointestinal (30% a 40%), sistema cardiovascular (10% a 45%) e sistema nervoso central em 10% a 15% dos epis√≥dios.

Abrir arquivo em PDF

Protocolo Clínico da Degeneração Macular Relacionada à Idade (DMRI) - Protocolo de Lucentis

Secretaria de Estado de Sa√ļde do Distrito Federal
Distrito Federal - 2009
Número: 2739 / Publicado em 07/06/2013 - 11:10

A DMRI, juntamente com a catarata e retinopatia diabética, é uma das principais causas de cegueira legal em pessoas maiores de 50 anos, representando hoje, a terceira maior causa de cegueira legal no mundo.

Abrir arquivo em PDF

Protocolo Clínico de Anafilaxia

Secretaria de Estado de Sa√ļde do Distrito Federal
Distrito Federal - 2009
Número: 2738 / Publicado em 07/06/2013 - 11:01

Anafilaxia √© uma rea√ß√£o imunol√≥gica sist√™mica de hipersensibilidade imediata conseq√ľente da intera√ß√£o entre o ant√≠geno e o anticorpo IgE fixado em bas√≥filos e mast√≥citos. A rea√ß√£o √© chamada de anafilact√≥ide quando n√£o depende da rea√ß√£o entre ant√≠geno e IgE, mas apresenta outros mecanismos, imunol√≥gicos ou n√£o cujas manifesta√ß√Ķes cl√≠nicas s√£o semelhantes √†s da anafilaxia.

Abrir arquivo em PDF

Protocolo Clínico sobre Alergia Alimentar

Secretaria de Estado de Sa√ļde do Distrito Federal
Distrito Federal - 2009
Número: 2737 / Publicado em 07/06/2013 - 10:58

Alergia alimentar √© um termo utilizado para descrever rea√ß√Ķes adversas a alimentos, dependentes de mecanismos imunol√≥gicos, IgE mediados ou n√£o.

Abrir arquivo em PDF

Protocolo Cl√≠nico e Diretrizes Terap√™uticas da Dor Cr√īnica

Secretaria de Aten√ß√£o √† Sa√ļde
Minist√©rio da Sa√ļde - 2012
Número: 2736 / Publicado em 07/06/2013 - 10:53

De acordo com a International Association for the Study of Pain (IASP), dor √© uma sensa√ß√£o ou experi√™ncia emocional desagrad√°vel, associada com dano tecidual real ou potencial. A dor pode ser aguda (dura√ß√£o inferior a 30 dias) ou cr√īnica (dura√ß√£o superior a 30 dias), sendo classificada segundo seu mecanismo fisiopatol√≥gico em tr√™s tipos: a) dor de predom√≠nio nociceptivo, b) dor de predom√≠nio neurop√°tico e c) dor mista. A dor de predom√≠nio nociceptivo, ou simplesmente dor nociceptiva, ocorre por ativa√ß√£o fisiol√≥gica de receptores de dor e est√° relacionada √† les√£o de tecidos √≥sseos, musculares ou ligamentares e geralmente responde bem ao tratamento sintom√°tico com analg√©sicos ou anti-inflamat√≥rios n√£o esteroides (AINES). J√° a dor neurop√°tica √© definida como dor iniciada por les√£o ou disfun√ß√£o do sistema nervoso, sendo mais bem compreendida como resultado da ativa√ß√£o anormal da via da dor ou nociceptiva. Contrariamente √† dor nociceptiva, a dor neurop√°tica responde pobremente aos analg√©sicos usuais (paracetamol, dipirona, AINES, opioides fracos).

Abrir arquivo em PDF

Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas da Acromegalia

Secretaria de Aten√ß√£o √† Sa√ļde
Minist√©rio da Sa√ļde - 2013
Número: 2735 / Publicado em 07/06/2013 - 10:45

A acromegalia √© uma doen√ßa cr√īnica e insidiosa. Em aproximadamente 98% dos casos, √© causada por adenomas hipofis√°rios secretores do horm√īnio de crescimento (GH) ‚Äď os somatotropinomas. Nesses casos, a doen√ßa pode ser espor√°dica ou familiar. Em cerca de 2%, √© causada pela hipersecre√ß√£o eut√≥pica ou ect√≥pica do horm√īnio liberador de GH (GHRH) e, muito raramente, pela secre√ß√£o ect√≥pica de GH. O excesso de GH estimula a secre√ß√£o hep√°tica de insulin-like growth factor-I (IGF-1), que causa a maioria das manifesta√ß√Ķes cl√≠nicas da acromegalia.

Abrir arquivo em PDF

Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas da Dislipidemia

Secretaria de Aten√ß√£o √† Sa√ļde
Minist√©rio da Sa√ļde - 2013
Número: 2734 / Publicado em 07/06/2013 - 10:42

A dislipidemia √© um fator de risco cardiovascular relevante para o desenvolvimento da aterosclerose. Na aterog√™nese, o papel do colesterol total, particularmente o contido nas part√≠culas de LDL (LDL-C), adv√©m de uma s√©rie de estudos observacionais e experimentais das √ļltimas d√©cadas, passando por estudos pr√©- cl√≠nicos, patol√≥gicos, cl√≠nicos e gen√©ticos, em diferentes popula√ß√Ķes. Os trabalhos iniciais relacionaram o colesterol total com doen√ßa arterial coronariana (DAC). Como o LDL-C corresponde √† maior parte do colesterol total (60%-70% na popula√ß√£o geral do Estudo de Framingham), a forte correla√ß√£o entre colesterol total e DAC reflete a rela√ß√£o entre LDL-C e DAC, confirmada pelo Framingham Heart Study.

Abrir arquivo em PDF

Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas da Esquizofrenia

Secretaria de Aten√ß√£o √† Sa√ļde
Minist√©rio da Sa√ļde - 2013
Número: 2733 / Publicado em 07/06/2013 - 10:37

A esquizofrenia e os denominados transtornos esquizofr√™nicos constituem um grupo de dist√ļrbios mentais graves, sem sintomas patognom√īnicos, mas caracterizados por distor√ß√Ķes do pensamento e da percep√ß√£o, por inadequa√ß√£o e embotamento do afeto sem preju√≠zo da capacidade intelectual (embora ao longo do tempo possam aparecer preju√≠zos cognitivos). Seu curso √© vari√°vel, aproximadamente 30% dos casos apresentam recupera√ß√£o completa ou quase completa, cerca de 30% com remiss√£o incompleta e preju√≠zo parcial de funcionamento e cerca de 30% com deteriora√ß√£o importante e persistente da capacidade de funcionamento profissional, social e afetivo.

Abrir arquivo em PDF

Portal Saúde Direta - Footer
Atualizado em
14/09/2020
Saude-Direta-Facebook Saude-Direta-LinkedIN Saude-Direta-Twitter