Profissionais: 7122
Prontuários: 505477

Protocolos/Algoritmos/Diretrizes/Fluxogramas

Advertência: Estes artigos e resumos são protegidos pela Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610/98), sendo vedada a sua transcrição sem citação da fonte e a sua reprodução com finalidades comerciais sem autorização dos autores.

Adobe Acrobat Reader
É necessário o Adobe Acrobat Reader instalado.

Acidentes por Animais Peçonhentos: Serpentes Peçonhentas.

Marisa M. de Azevedo-Marques; Palmira Cupo & Sylvia Evelyn Hering.
Medicina, Ribeirão Preto, 36: 480-489, abr./dez. 2003.
Número: 990 / Publicado em 23/06/2012 - 21:50

São abordados aspectos da fisiopatologia, clínica e terapêutica dos envenenamentos humanos, causados por serpentes peçonhentas dos gêneros Bothrops, Crotalus e Micrurus, que ocorrem no sudeste do Brasil. Elaboração de diretrizes para o atendimento dos pacientes na U.E-HCFMRP-USP e reprodução dos princípios para a indicação de soroterapia antiveneno (SAV). Quando aplicada, a SAV deverá ser administrada por via intravenosa, gota a gota, sem diluição, precedida por drogas anti-histamínicas (anti H1 e anti H2) e corticóides, visando à proteção contra possíveis reações de hipersensibilidade e sem que sejam realizados testes cutâneos previamente.

Abrir arquivo em PDF

Acidentes por Animais Peçonhentos: Escorpiões e Aranhas.

Palmira Cupo; Marisa M. de Azevedo-Marques & Sylvia Evelyn Hering.
Medicina, Ribeirão Preto, 36: 490-497, abr./dez.2003.
Número: 989 / Publicado em 23/06/2012 - 21:51

São abordados aspectos da fisiopatologia, clínica e terapêutica dos envenenamentos humanos, causados por escorpiões do gênero Tityus e aranhas do gêneros Phoneutria e Loxosceles, encaminhados ao Centro de Controle de Intoxicações (CCI) da U.E.- HCFMRP USP. Quando indicada, a soroterapia antiveneno (SAV) específica deverá obedecer ao roteiro de aplicação, descrito para os acidentes ofídicos.

Abrir arquivo em PDF

Protocolo de Cuidados de Feridas.

Secretaria Municipal de Saúde.
Prefeitura Municipal de Florianópolis - Julho, 2008.
Número: 988 / Publicado em 23/06/2012 - 21:52

Ferida é qualquer lesão que interrompa a continuidade da pele. Pode atingir a epiderme a derme, tecido subcutâneo, fáscia muscular, chegando a expor estruturas profundas. As feridas são classificadas segundo diversos parâmetros, que auxiliam no diagnóstico, evolução e definição do tipo de tratamento, tais como cirúrgicas, traumáticas e ulcerativas.

Abrir arquivo em PDF

Protocolo de Assistência aos Portadores de Feridas.

Gerência de Assistência – Coordenação de Atenção à Saúde do Adulto e do Idoso.
Secretaria Municipal de Saúde - Prefeitura Municipal de Belo Horizonte - Revisão 2006.
Número: 987 / Publicado em 23/06/2012 - 21:53

Este protocolo visa a instrumentalizar as ações dos profissionais e sistematizar a assistência a ser prestada ao portador de ferida, além de fornecer subsídios para implementação desta assistência.

Abrir arquivo em PDF

Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas: Doença Celíaca.

Secretaria de Atenção à Saúde.
Ministério da Saúde - 2009.
Número: 982 / Publicado em 23/06/2012 - 22:06

A Doença Celíaca (DC) é autoimune, causada pela intolerância permanente ao glúten - principal fração protéica presente no trigo, centeio, cevada e aveia - e que se expressa por enteropatia mediada por linfócitos T, em indivíduos geneticamente predispostos.

Abrir arquivo em PDF

Diretriz de Apoio ao Suporte Avançado de Vida em Cardiologia. Código Azul - Registro de Ressuscitação - Normatização do Carro de Emergência.

Jorge Ilha Guimarães.
Diretrizes e Normatizações da Sociedade Brasileira de Cardiologia.
Número: 979 / Publicado em 23/06/2012 - 22:10

Durante os últimos 50 anos, com a introdução da ressuscitação cardiopulmonar (RCP), ocorreram muitos avanços no atendimento das emergências cardiovasculares e no suporte avançado de vida em cardiologia. Essas intervenções têm contribuído para restaurar a circulação e melhorar a sobrevivência de vítimas de paradas cardiorrespiratórias.

Abrir arquivo em PDF

Protocolo de Atendimento e Acompanhamento Nutricional Pediátrico por Níveis Assistenciais.

Cristina Toscani Leal Dornelles, Carla Silveira, Luciane Beitler Cruz, Lilia Refosco, Miriam Simon, Tatiana Maraschin.
Rev HCPA 2009;29(3):229-238
Número: 978 / Publicado em 23/06/2012 - 22:12

Descreve um protocolo de atendimento e acompanhamento nutricional através de níveis assistenciais em pediatria, para sistematizar e otimizar a assistência nutricional das crianças e adolescentes hospitalizados.

Abrir arquivo em PDF

Protocolo Clínico de Saúde da Criança.

Secretaria Municipal da Saúde.
Prefeitura Municipal de Londrina - 2006.
Número: 977 / Publicado em 23/06/2012 - 22:13

Uma criança para crescer saudável e preparada para enfrentar todas as transformações que ocorrem em seu organismo durante a infância deve receber determinados cuidados, no sentido de promover seu bem estar físico e prevenir problemas que possam interferir em seu desenvolvimento neuropsicomotor.

Abrir arquivo em PDF

Protocolo para Abordagem da Crise de Asma na Criança.

Antonio Carlos Pastorino.
Hospital Sirio Libanes - Agosto 2002.
Número: 976 / Publicado em 23/06/2012 - 22:15

Protocolo de avaliação clínica rápida e dirigida da crise de asma na infância.

Abrir arquivo em PDF

Protocolo de Atendimento à Hipertermia Maligna.

Unidade de Anestesia.
Hospital Israelita Albert Einstein - 2009.
Número: 975 / Publicado em 23/06/2012 - 22:15

Síndrome de origem fármaco-genética, autossômica dominante, manifestada quando o seu portador é submetido a um ou mais fatores desencadeantes durante uma anestesia geral. Há um hipermetabolismo da célula muscular esquelética que pode levar a sua destruição. Há grande consumo de energia, aumento de produção de CO2 e rápida elevação da temperatura, com conseqüências bioquímicas e hematológicas, que podem evoluir para choque irreversível e colapso cardiovascular.

Abrir arquivo em PDF

Portal Saúde Direta - Footer
Atualizado em
14/09/2020
Saude-Direta-Facebook Saude-Direta-LinkedIN Saude-Direta-Twitter