Profissionais: 7152
Prontuários: 520352

Protocolos/Algoritmos/Diretrizes/Fluxogramas

Advertência: Estes artigos e resumos são protegidos pela Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610/98), sendo vedada a sua transcrição sem citação da fonte e a sua reprodução com finalidades comerciais sem autorização dos autores.

Adobe Acrobat Reader
É necessário o Adobe Acrobat Reader instalado.

Diretrizes da Sociedade Brasileira de Cardiologia sobre Angina Instável e Infarto Agudo do Miocárdio (IAM) sem Supradesnível do Segmento ST.

Grupo de Estudos em Coronariopatias, Emergências e Terapia Intensiva
Sociedade Brasileira de Cardiologia - II Edição, 2007
Número: 114 / Publicado em 28/06/2011 - 14:49

O infarto agudo do miocárdio (IAM), conhecido popularmente como infarto do coração, enfarte ou ataque cardíaco, é uma doença que afeta milhões de pessoas em todo o mundo. Muitas delas morrem ou têm problemas cardiológicos permanentes por não buscarem socorro médico de forma rápida. Atualmente existem excelentes tratamentos para o infarto agudo do miocárdio, que podem salvar vidas e prevenir incapacidades físicas. No entanto, o tratamento é mais efetivo quando iniciado dentro da primeira hora de início dos sintomas. Por isto, é tão importante reconhecer um episódio de infarto.

Abrir arquivo em PDF

V Diretrizes Brasileiras de Hipertensão Arterial (HAS).

Sociedade Brasileira de Cardiologia, Sociedade Brasileira de Hipertensão, Sociedade Brasileira de Nefrologia.
Sociedade Brasileira de Cardiologia - 2006
Número: 113 / Publicado em 28/06/2011 - 14:44

Os componentes da síndrome hipertensiva são muitas vezes fatores de risco cardiovascular independentes. Ao tratar a hipertensão devemos ter em mente os fatores de risco associados e o impacto do tratamento nestes fatores. Assim, apesar de um controle satisfatório da pressão arterial, outros fatores de risco potencialmente maiores podem se sobrepor, não melhorando a situação clínica do paciente, fazendo com que o tratamento atual da hipertensão arterial sistêmica não possa se resumir simplesmente à redução dos níveis pressóricos, mas do risco cardiovascular global.

Abrir arquivo em PDF

Diretrizes Brasileiras para o Diagnóstico, Tratamento e Prevenção da Febre Reumática (FR) e a Cardiopatia Reumática Crônica (CRC).

Sociedade Brasileira de Cardiologia, Sociedade Brasileira de Pediatria e Sociedade Brasileira de Reumatologia
Sociedade Brasileira de Cardiologia - 2009.
Número: 112 / Publicado em 28/06/2011 - 14:45

A Febre Reumática (FR) e a Cardiopatia Reumática Crônica (CRC) são complicações não supurativas da faringoamigdalite causada pelo estreptococo beta-hemolítico do grupo A (EBGA) e decorrem de resposta imune tardia a esta infecção, em populações geneticamente predispostas.

Abrir arquivo em PDF

III Diretriz Brasileira de Insuficiência Cardíaca Crônica (ICC).

Bocchi EA, Marcondes-Braga FG, Ayub-Ferreira SM, Rohde LE, Oliveira WA, Almeida DR, e cols
Arq Bras Cardiol 2009; 93 (1 supl.1): 1-71
Número: 111 / Publicado em 28/06/2011 - 14:46

A insuficiência cardíaca (IC) é a via final comum da maioria das doenças que acometem o coração, sendo um problema epidêmico em progressão.

Abrir arquivo em PDF

Protocolo para Tratamento da Cefaléia Aguda em Unidades de Emergência.

Marcelo E. Bigal; Carlos A. Bordini et José G. Speciali.
Medicina, Ribeirão Preto,32: 486-491 out./dez. 1999.
Número: 108 / Publicado em 28/06/2011 - 14:47

Cefaléia é dos sintomas mais comuns na prática clínica, responsável por cerca de 9% dos atendimentos em unidades primárias de saúde e por 1% a 3% dos atendimentos em unidades de emergência, acarretando, portanto, considerável impacto econômico sobre o serviço público de saúde.

Abrir arquivo em PDF

Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para o Tratamento da Hepatite Viral Crônica B e Coinfecções

Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais - Programa Nacional para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais.
Ministério da Saúde - 2009
Número: 107 / Publicado em 18/09/2010 - 22:20

Esta publicação apresenta o novo Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para o Tratamento da Hepatite Viral Crônica B e Coinfecções e, também, como anexo, o Protocolo Clínico e as Diretrizes Terapêuticas para o Tratamento da Hepatite Viral Crônica C.

Abrir arquivo em PDF

Protocolo de Procedimentos para Influenza A (H1N1)

Secretaria de Vigilância em Saúde - Gabinete Permanente de Emergências de Saúde Pública
Ministério da Saúde - 06.05.2009
Número: 106 / Publicado em 18/09/2010 - 22:15

Diante da Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional e com base nas informações disponibilizadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS), o Ministério da Saúde produziu este protocolo com o objetivo de padronizar as ações frente a identificação de casos sob investigação de infecção humana pela Influenza A(H1N1), visando adotar medidas oportunas para manejo dos pacientes e evitar ou reduzir ao máximo a possibilidade de transmissão do vírus Influenza A(H1N1) nos serviços de saúde.

Abrir arquivo em PDF

Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas - Acne - Isotretinoína

Sandro Cadaval Gonçalves, Paulo D. Picon e Karine Medeiros Amaral
OPAS - Portaria SAS/MS nº 389, de 19 de setembro de 2001.
Número: 105 / Publicado em 18/09/2010 - 22:05

A acne vulgar ou juvenil é uma das dermatoses mais freqüentes. Seu tratamento justifica-se pela possibilidade de evitar tanto lesões cutâneas permanentes quanto o aparecimento ou agravamento de transtornos psicológicos, oriundos do abalo à auto-estima ocasionado pelas lesões, que freqüentemente acometem face e tronco.

Abrir arquivo em PDF

Protocolo para Assistência ao Pré-Natal e Puerpério.

Programa de Atenção Integral à Saúde da Mulher.
Secretaria Municipal de Saúde - Prefeitura de Ribeirão Preto - São Paulo - 2009
Número: 104 / Publicado em 18/09/2010 - 21:54

Assistência pre-natal e puerperal de qualidade e humanizada é fundamental para a saúde materna e neonatal.

Abrir arquivo em PDF

Protocolo de Condutas em Síndromes Hipertensivas na Gravidez.

CODEPPS - SMS - Área Técnica de Saúde da Mulher
Prefeitura do Município de São Paulo - Secretaria Municipal da Saúde - CODEPPS - SMS
Número: 103 / Publicado em 18/09/2010 - 21:44

As Síndromes hipertensivas na gravidez (Pré-eclâmpsia, Eclâmpsia, Hipertensão Arterial Crônica e Hipertensão Gestacional), são responsáveis por ¼ das mortes maternas ocorridas no município de São Paulo, segundo dados do Comitê Municipal de Mortalidade Materna (período de 2.004 a 2.006).Uma das estratégias adotadas pela Área Técnica de Saúde da Mulher em conjunto com a Rede de Proteção à Mãe Paulistana para o enfrentamento da alta taxa de mortalidade materna no município foi a adoção de um protocolo propondo medidas para o rastreamento, o diagnóstico precoce e o tratamento e seguimento das Síndromes Hipertensivas na gestação e em particular da Pré-Eclâmpsia.

Abrir arquivo em PDF

Portal Saúde Direta - Footer
Atualizado em
14/09/2020
Saude-Direta-Facebook Saude-Direta-LinkedIN Saude-Direta-Twitter