Profissionais: 7165
Prontuários: 530383

Protocolos/Algoritmos/Diretrizes/Fluxogramas

Advertência: Estes artigos e resumos são protegidos pela Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610/98), sendo vedada a sua transcrição sem citação da fonte e a sua reprodução com finalidades comerciais sem autorização dos autores.

Adobe Acrobat Reader
É necessário o Adobe Acrobat Reader instalado.

Trauma Raquimedular: Conduta Urol√≥gica Cir√ļrgica.

Sociedade Brasileira de Urologia.
Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina.
Número: 479 / Publicado em 09/03/2012 - 19:05

Em muitos pacientes, os recursos do tratamento cl√≠nico n√£o s√£o suficientes para o restabelecimento das boas condi√ß√Ķes de armazenamento e esvaziamento vesical, com um per√≠odo de contin√™ncia urin√°ria socialmente aceit√°vel. V√°rias t√©cnicas cir√ļrgicas foram desenvolvidas, tanto no sentido de obter um bom reservat√≥rio para a urina, principalmente a baixa press√£o, como tamb√©m promover esvaziamento urin√°rio peri√≥dico adequado, com o m√≠nimo de perdas urin√°rias indesej√°veis, mantendo a melhor qualidade de vida poss√≠vel para cada paciente. Portanto, os procedimentos cir√ļrgicos podem ser dirigidos √† bexiga e/ou ao esf√≠ncter uretral externo, tentando corrigir a sua disfun√ß√£o.

Abrir arquivo em PDF

Traumatismo Craniencefálico Moderado e Grave por Ferimento por Projétil de Arma de Fogo: Diagnóstico e Conduta.

Sociedade Brasileira de Neurocirurgia.
Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina.
Número: 478 / Publicado em 09/03/2012 - 19:06

Ferimentos penetrantes civis s√£o uma importante causa de morbi-mortalidade, representando significante problema de sa√ļde p√ļblica. A devastadora natureza desta les√£o se acentua pelo fato de acometer predominantemente pacientes jovens e saud√°veis. Ferimentos por arma de fogo s√£o respons√°veis aproximadamente por 35.000 mortes ao ano nos EUA. No Brasil, de 1977 a 1994, as causas externas representaram a primeira causa de morte dos 5 aos 39 anos, sendo a maior ocorr√™ncia na faixa et√°ria dos 15 aos 19 anos (65% dos √≥bitos por causas externas). Al√©m do aumento, parece estar ocorrendo um deslocamento das mortes para faixas et√°rias mais jovens.

Abrir arquivo em PDF

Traumatismo Craniencef√°lico Grave.

Sociedade Brasileira de Neurocirurgia.
Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina.
Número: 477 / Publicado em 09/03/2012 - 19:07

S√£o considerados pacientes com TCE grave, aqueles admitidos com n√≠vel de consci√™ncia de 3 a 9 pontos na ECGla ap√≥s 6 horas do TCE. Existe em 10% a 32% do TCE leve ou moderado a evolu√ß√£o com piora r√°pida da consci√™ncia piorando para o TCE grave, determinando o quadro cl√≠nico como ‚ÄúTalk and Deteriorate‚ÄĚ. Existem tamb√©m pacientes que apresentam hist√≥ria que os classificam como 15 de alto risco e que apresentam radiografia de cr√Ęnio normal, internados por at√© 48 horas, e que evoluem rapidamente para piora neurol√≥gica, chegando a apresentarem coma aperceptivo, arreativo, midr√≠ase paral√≠tica bilateral e apn√©ia (‚ÄúTalk and Deteriorate‚ÄĚ), necessitando o diagn√≥stico de morte encef√°lica, que na necr√≥psia revelou fratura de cr√Ęnio com hematoma intracraniano, ou outras les√Ķes cerebrais, em particular o hematoma extradural.

Abrir arquivo em PDF

Traumatismo Craniencef√°lico Grave: Situa√ß√Ķes Especiais.

Sociedade Brasileira de Neurocirurgia.
Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina.
Número: 476 / Publicado em 09/03/2012 - 19:08

Situa√ß√Ķes especiais em traumatismo craniencef√°lico (TCE) grave foram aqui agrupadas por constitu√≠rem-se em situa√ß√Ķes espec√≠ficas e menos freq√ľentes, que n√£o justificam um cap√≠tulo de diretrizes pr√≥prio para cada tema. Por terem estas caracter√≠sticas, estas diretrizes se comp√Ķem de orienta√ß√Ķes gerais, que n√£o devem substituir a avalia√ß√£o pessoal do neurocirurgi√£o, considerando-se a disponibilidade de recursos diagn√≥sticos, terap√™uticos e de monitoriza√ß√£o, bem como a rapidez com que podem ser obtidos.

Abrir arquivo em PDF

Traumatismo Craniencefálico Leve: Diagnóstico e Conduta.

Sociedade Brasileira de Neurocirurgia.
Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina.
Número: 475 / Publicado em 09/03/2012 - 19:08

S√£o considerados pacientes com traumatismo craniencef√°lico leve aqueles admitidos com n√≠vel de consci√™ncia de 13 a 15 pontos na ECGla. A incid√™ncia do TCE leve gira em torno de 300.000 casos novos por ano nos EUA, sendo ainda considerado um n√ļmero subestimado. Esses pacientes permanecem internados de 52% a 72%.

Abrir arquivo em PDF

Traumatismo Craniencef√°lico Moderado.

Sociedade Brasileira de Neurocirurgia.
Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina.
Número: 474 / Publicado em 09/03/2012 - 19:09

São definidos como pacientes com TCE moderado aqueles que se apresentam com 9 a 13 pontos na ECGla seis horas após o TCE. Inicialmente foram considerados pacientes com TCE moderado aqueles que se apresentavam com 9 a 12 pontos na ECGl seis horas após o TCE.Stein e Ross, referem que no TCE moderado, 40,3% apresentaram TC anormal e 8,1% necessitaram de cirurgia. Similar incidência foi observada em pacientes com 13 pontos na ECGla.

Abrir arquivo em PDF

Tromboembolismo Venoso: Profilaxia em Pacientes Clínicos Parte I.

Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular e outras.
Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina.
Número: 473 / Publicado em 09/03/2012 - 19:10

Tromboembolismo venoso (TEV) representa um espectro de doen√ßas que inclui trombose venosa profunda, trombose associada a cateteres venosos centrais e, a complica√ß√£o mais grave, tromboembolismo pulmonar (TEP). Tanto epis√≥dios assintom√°ticos, quanto aqueles clinicamente aparentes em pacientes hospitalizados, est√£o associados a fatalidade. Na primeira parte, encontram-se as informa√ß√Ķes sobre: mobilidade reduzida, idade > 55 anos, hist√≥ria pr√©via de TEV, varizes, insufici√™ncia venosa cr√īnica, insufici√™ncia arterial perif√©rica, obesidade, trombofilias heredit√°rias e adquiridas.

Abrir arquivo em PDF

Tromboembolismo Venoso: Profilaxia em Pacientes Clínicos Parte II.

Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular e outras.
Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina.
Número: 472 / Publicado em 09/03/2012 - 19:11

Tromboembolismo venoso (TEV) representa um espectro de doenças que inclui trombose venosa profunda, trombose associada a cateteres venosos centrais e, a complicação mais grave, tromboembolismo pulmonar (TEP). Tanto episódios assintomáticos, quanto aqueles clinicamente aparentes em pacientes hospitalizados, estão associados a fatalidade. Na segunda parte: gravidez, pós-parto, reposição hormonal, contraceptivos, insuficiência cardíaca congestiva classes III-IV, infarto agudo do miocárdio, acidente vascular cerebral isquêmico, acidente vascular cerebral hemorrágico, paresia e paralisia de membros inferiores.

Abrir arquivo em PDF

Tromboembolismo Venoso: Profilaxia em Pacientes Clínicos Parte III.

Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular e outras.
Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina.
Número: 471 / Publicado em 09/03/2012 - 19:12

Tromboembolismo venoso (TEV) representa um espectro de doen√ßas que inclui trombose venosa profunda, trombose associada a cateteres venosos centrais e, a complica√ß√£o mais grave, tromboembolismo pulmonar (TEP). Tanto epis√≥dios assintom√°ticos, quanto aqueles clinicamente aparentes em pacientes hospitalizados, est√£o associados √† fatalidade. Na terceira parte: doen√ßa reumatol√≥gica ativa, doen√ßa inflamat√≥ria intestinal, doen√ßas respirat√≥rias graves, infec√ß√Ķes com exce√ß√£o das tor√°cicas, s√≠ndrome nefr√≥tica, c√Ęncer, quimioterapia, hormonioterapia, interna√ß√£o em unidade de terapia intensiva, uso de cateteres venosos centrais, uso de cateteres para hemodi√°lise, uso de Swan-Ganz.

Abrir arquivo em PDF

Tumores Adrenocorticais.

Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, Colégio Brasileiro de Radiologia.
Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina.
Número: 470 / Publicado em 09/03/2012 - 19:12

O c√≥rtex da gl√Ęndula supra-renal humana pode ser afetado por processos neopl√°sicos benignos ou malignos. Estes tumores podem se desenvolver em ambos os sexos e em qualquer faixa et√°ria. A grande parte dos tumores adrenocorticais, no entanto, √© pequena e de comportamento benigno. Em contraposi√ß√£o, os tumores adrenocorticais malignos ou carcinomas adrenocorticais s√£o raros, agressivos e com progn√≥stico desfavor√°vel.

Abrir arquivo em PDF

Portal Saúde Direta - Footer
Atualizado em
14/09/2020
Saude-Direta-Facebook Saude-Direta-LinkedIN Saude-Direta-Twitter