Profissionais: 7152
Prontuários: 520352

Protocolos/Algoritmos/Diretrizes/Fluxogramas

Advertência: Estes artigos e resumos são protegidos pela Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610/98), sendo vedada a sua transcrição sem citação da fonte e a sua reprodução com finalidades comerciais sem autorização dos autores.

Adobe Acrobat Reader
É necessário o Adobe Acrobat Reader instalado.

Espasticidade: Tratamento por Meio de Medicina Física.

Associação Brasileira de Medicina Física e Reabilitação
Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina
Número: 1972 / Publicado em 09/03/2012 - 20:03

A espasticidade é uma manifestação clínica, decorrente da perda do servo mecanismo de controle do ato motor, levando a graus variados de dependência nas atividades da vida diária e prática. A espasticidade somente deve ser tratada quando for uma condição debilitante.

Abrir arquivo em PDF

Cervicalgia: Diagn√≥stico na Aten√ß√£o Prim√°ria √† Sa√ļde

Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, Associação Brasileira de Medicina Física e Reabilitação, Sociedade Brasileira de Neurocirurgia.
Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina.
Número: 1971 / Publicado em 09/03/2012 - 19:39

A compress√£o de ra√≠zes nervosas, conforme a altura, pode desenvolver quadros sindr√īmicos floridos, que muitas vezes dificultam o diagn√≥stico.

Abrir arquivo em PDF

Anestesia Venosa Total em Cirurgia Cardíaca

Sociedade Brasileira de Anestesiologia.
Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina.
Número: 1970 / Publicado em 09/03/2012 - 19:28

A anestesia venosa total (AVT) √© uma t√©cnica de anestesia geral que utiliza f√°rmacos administrados unicamente por via endovenosa. Ela se distingue da anestesia inalat√≥ria e/ou balanceada (AI) pela aus√™ncia total de qualquer agente inalat√≥rio, inclusive de √≥xido nitroso. A populariza√ß√£o da AVT vem ocorrendo, em parte, devido ao desenvolvimento de f√°rmacos modernos com propriedades farmacocin√©ticas e farmacodin√Ęmicas, que permitem sua utiliza√ß√£o em infus√£o cont√≠nua. Al√©m disso, novos conceitos de modelos farmacocin√©ticos compartimentais e o desenvolvimento de sistemas computadorizados para administra√ß√£o das drogas facilitaram o controle infusional desses anest√©sicos.

Abrir arquivo em PDF

Sangramento Uterino Disfuncional em Mulheres Usuárias de Contraceptivos de Progestagênio: Tratamento

Federa√ß√£o Brasileira das Associa√ß√Ķes de Ginecologia e Obstetr√≠cia
Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina.
Número: 1969 / Publicado em 09/03/2012 - 19:22

A principal razão para a descontinuação do uso de contraceptivos hormonais, tanto para os combinados orais quanto os injetáveis ou mesmo para os métodos compostos apenas pelo progestagênio isolado, é o sangramento não programado (irregular) do endométrio.

Abrir arquivo em PDF

Baixa Estatura por Defici√™ncia do Horm√īnio de Crescimento: Tratamento

Sociedade Brasileira de Pediatria e Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia.
Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina.
Número: 1968 / Publicado em 09/03/2012 - 19:16

A defici√™ncia de horm√īnio de crescimento (DGH) √© caracterizada por uma combina√ß√£o de anormalidades antropom√©tricas, cl√≠nicas, bioqu√≠micas e metab√≥licas, causadas, diretamente, pela secre√ß√£o deficiente de horm√īnio de crescimento (GH) e, indiretamente, pela redu√ß√£o na gera√ß√£o de horm√īnios e fatores de crescimento GH dependentes, que s√£o corrigidas pela adequada reposi√ß√£o com GH recombinante humano (hGH).

Abrir arquivo em PDF

Tratamentos Estéticos e Cuidados dos Cabelos: uma Visão Médica (Parte 1)

Leonardo Spagnol Abraham, Andreia Mateus Moreira, Larissa Hanauer de Moura, Maria Fernanda Reis Gavazzoni Dias, Flávia Alvim Sant’Anna Addor
Surgical & Cosmetic Dermatology 2009;1(3):130-136
Número: 1967 / Publicado em 09/03/2012 - 10:57

D√ļvidas sobre a a√ß√£o dos cosm√©ticos capilares sobre a sa√ļde do corpo e dos cabelos s√£o cada vez mais frequentes nas consultas dermatol√≥gicas. Os m√©dicos dermatologistas necessitam enriquecer o conhecimento a respeito, n√£o somente, das doen√ßas do couro cabeludo, como tamb√©m das intera√ß√Ķes moleculares dos cosm√©ticos usados na fibra capilar, incluindo a influ√™ncia de tais produtos quando absorvidos pelo epit√©lio do couro cabeludo. A cada dia, aumentam as consultas m√©dicas para esclarecimento de quais t√©cnicas e produtos qu√≠micos s√£o mais indicados para permitir que os cabelos sofram as altera√ß√Ķes desejadas de seu aspecto natural e, ao mesmo tempo, mantenham-se saud√°veis e belos. Neste artigo, dividido em duas partes, abordamos a fisiologia dos cabelos, sua estrutura e natureza qu√≠mica, os agentes usados para seu alisamento, sua colora√ß√£o, higiene e seu tratamento est√©tico e as consequ√™ncias que tais procedimentos podem ter na sa√ļde em geral, incluindo sua seguran√ßa no uso durante a gravidez e lacta√ß√£o.

Abrir arquivo em PDF

Tratamentos Estéticos e Cuidados dos Cabelos: uma Visão Médica (Parte 2)

Leonardo Spagnol Abraham, Andreia Mateus Moreira, Larissa Hanauer de Moura, Maria Fernanda Reis Gavazzoni Dias, Flávia Alvim Sant’Anna Addor
Surgical & Cosmetic Dermatology 2009;1(4):178-185
Número: 1966 / Publicado em 09/03/2012 - 10:50

Neste artigo, os autores complementam o primeiro trabalho sobre a pesquisa dermatol√≥gica dos tratamentos est√©ticos capilares. O alisamento capilar definitivo com os principais alisantes legalizados ‚Äď hidr√≥xidos de s√≥dio e l√≠tio, hidr√≥xido de guanidina e tioglicolato de am√īnio ‚Äď, suas diferen√ßas, mecanismos de a√ß√£o, indica√ß√Ķes e seguran√ßa para a sa√ļde s√£o aqui abordados. O artigo ainda discute sobre o uso ilegal e indiscriminado de produtos do grupo dos alde√≠dos (formalde√≠do e glutaralde√≠do) nos sal√Ķes de cabeleireiro no Brasil, suas implica√ß√Ķes legais e em sa√ļde p√ļblica, sua carcinogenicidade e a identifica√ß√£o dos referidos registros junto √† ANVISA. Tamb√©m s√£o estudados os xampus e agentes condicionadores indicados para tratamento da haste capilar. Ao final, s√£o discutidas as implica√ß√Ķes dos tratamentos capilares em geral, para a sa√ļde do fio e do couro cabeludo.

Abrir arquivo em PDF

Atualização no Tatamento de Hiperidrose Axilar

Gabriel Teixeiro Gontijo, Gustavo Vieira Gualberto, Nat√°lia Augusta Brito Madureira
Surg Cosmet Dermatol 2011;3(2):147-51
Número: 1965 / Publicado em 09/03/2012 - 10:40

Hiperidrose axilar √© problema comum que pode afetar a vida profissional e social. A hist√≥ria cl√≠nica e o exame f√≠sico s√£o ferramentas importantes na avalia√ß√£o da gravidade e para indica√ß√£o da terapia mais apropriada para cada caso. Existem v√°rios tratamentos, incluindo terapia t√≥pica e sist√™mica, iontoforese, toxina botul√≠nica e procedimentos cir√ļrgicos. Os autores apresentam revis√£o das op√ß√Ķes terap√™uticas mais importantes.

Abrir arquivo em PDF

Detecção de Melanomas Pequenos

Sergio Yamada, Mauricio Mendonça do Nascimento, Sergio Henrique Hirata
Surg Cosmet Dermatol 2011;3(4):365-7
Número: 1964 / Publicado em 09/03/2012 - 10:33

Relatamos 4 casos clínicos de melanomas pequenos detectados pela dermatoscopia associada aos dados clínicos e à fotografia corporal total com monitoramento sistemático. Nos melanomas pequenos nem sempre os achados dermatoscópicos isoladamente, são suficientes para a correta indicação da biópsia excisional para exame anátomo-patológico.

Abrir arquivo em PDF

Terapia Nutricional no Transplante de Célula Hematopoiética (TCH)

Sociedade Brasileira de Nutrição Parenteral e Enteral, Associação Brasileira de Nutrologia.
Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina - 2011
Número: 1963 / Publicado em 09/03/2012 - 19:55

O TCH predisp√Ķe o paciente a complica√ß√Ķes infecciosas e hemorr√°gicas. A terap√™utica imunossupressora agressiva determina n√°useas e v√īmitos repetidos nas primeiras duas semanas, a despeito do uso de drogas antiem√©ticas. Mucosite orofar√≠ngea, altera√ß√£o do paladar e esofagite podem permanecer por at√© tr√™s a quatro semanas ap√≥s TMO. Diarreia √© uma complica√ß√£o comum, que pode permanecer por v√°rias semanas ap√≥s TCH. Estas manifesta√ß√Ķes digestivas indesej√°veis que acompanham estes pacientes determinam implica√ß√Ķes negativas no aporte cal√≥rico-proteico e preju√≠zo na absor√ß√£o de nutrientes, al√©m do aumento das necessidades energ√©ticas impostas pelo tratamento, diagn√≥stico e interna√ß√£o prolongada.

Abrir arquivo em PDF

Portal Saúde Direta - Footer
Atualizado em
14/09/2020
Saude-Direta-Facebook Saude-Direta-LinkedIN Saude-Direta-Twitter