Profissionais: 7217
Prontuários: 587777

Protocolos/Algoritmos/Diretrizes/Fluxogramas

Advertência: Estes artigos e resumos são protegidos pela Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610/98), sendo vedada a sua transcrição sem citação da fonte e a sua reprodução com finalidades comerciais sem autorização dos autores.

Adobe Acrobat Reader
É necessário o Adobe Acrobat Reader instalado.

Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas - Hiperprolactinemia

Secretaria de Aten√ß√£o √† Sa√ļde
Minist√©rio da Sa√ļde
Número: 181 / Publicado em 16/06/2012 - 19:25

A hiperprolactinemia é uma alteração frequente na prática médica, sendo responsável por amenorréia secundária em 20% a 25% dos casos. As causas desta anormalidade se enquadram em três principais categorias: fisiológicas, farmacológicas e patológicas.

Abrir arquivo em PDF

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica do Acidente Vascular Cerebral Isquêmico Agudo (AVC).

Hospital Sírio-Libanes.
Diretrizes Assistenciais - Novembro ‚Äď 2008.
Número: 180 / Publicado em 16/06/2012 - 19:28

O objetivo deste documento é colaborar para o suporte técnico-científico do projeto de capacitação do Hospital Sírio Libanês de São Paulo.

Abrir arquivo em PDF

Como Praticar a Medicina Baseada em Evidências.

Regina Paolucci El Dib
J Vasc Bras 2007;6(1):1-4.
Número: 179 / Publicado em 16/06/2012 - 19:29

A medicina baseada em evidências (MBE) é definida como o elo entre a boa pesquisa científica e a prática clínica. Em outras palavras, a MBE utiliza provas científicas existentes e disponíveis no momento, com boa validade interna e externa, para a aplicação de seus resultados na prática clínica.

Abrir arquivo em PDF

Protoloco de Tratamento de Leucemia Linfoc√≠tica Cr√īnica (LLC).

Diretrizes Assistenciais.
Hospital Israelita Albert Einstein - Novembro ‚Äď 2008.
Número: 178 / Publicado em 16/06/2012 - 19:36

A abordagem inicial ao paciente com LLC demanda atualmente uma estratifica√ß√£o de risco para os casos diagnosticados recentemente, respeito √†s recomenda√ß√Ķes de ‚Äúsupportive care‚ÄĚ, aten√ß√£o √† qualidade de vida, e considera√ß√£o da idade e comorbidades.

Abrir arquivo em PDF

Diretrizes Cl√≠nicas na Sa√ļde Suplementar - Tabagismo

Mirra AP, Meirelles RHS, Godoy I, Issa JS, Reichert J, Carvalho NB, Alencar Filho AC, Achutti A, da Silva CAR, Santos SRA, Hetem LA, Dias JC, Nakmura MU, Quintino MP, Cantarino CM, Pereira ACPM, Mendes FF, Duarte NMC, Gigliotti A, Marques ACPR, de Andrade
SBPT, SBC, Associação Brasileira de Psiquiatria, Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia, SBA, Associação Brasileira de Medicina Intensiva.
Número: 176 / Publicado em 16/06/2012 - 19:05

Atualmente o tabagismo √© considerado um problema de sa√ļde p√ļblica, em raz√£o da alta preval√™ncia de fumantes e da mortalidade decorrente das doen√ßas relacionadas ao tabaco.

Abrir arquivo em PDF

Diretrizes Cl√≠nicas na Sa√ļde Suplementar - Sepse: Nutri√ß√£o

Costa Filho RC, Gomes PN, Gutierrez F, Silva E, Salom√£o R, Machado FR, Lutke C, Instituto Latino Americano de Sepse, Rosenfeld R
Associação de Medicina Intensiva Brasileira, Sociedade Brasileira de Infectologia, Sociedade Brasileira de Nutrição Parenteral e Enteral
Número: 175 / Publicado em 16/06/2012 - 19:07

Desnutri√ß√£o √© um estado de nutri√ß√£o que influencia negativamente o progn√≥stico de uma interven√ß√£o terap√™utica. A desnutri√ß√£o inicia-se no momento em que o paciente deixa de compensar seu gasto metab√≥lico com o aporte proporcional de nutrientes. A resposta inflamat√≥ria sist√™mica vem acompanhada de altera√ß√Ķes do metabolismo intermedi√°rio, que determinam a perda de massa magra de modo expressivo, proporcional ao grau de estresse metab√≥lico, resistente ao efeito anab√≥lico do aporte nutricional.

Abrir arquivo em PDF

Diretrizes Cl√≠nicas na Sa√ļde Suplementar - Sepse: Prote√≠na C Ativada

Silva E, Salom√£o R, Machado FR, Carvalho NB, Instituto Latino Americano de Sepse
Associação de Medicina Intensiva Brasileira e Sociedade Brasileira de Infectologia
Número: 174 / Publicado em 16/06/2012 - 19:07

A ação da proteína C ativada (PCAh) pode interferir em vários pontos da resposta do hospedeiro à infecção.

Abrir arquivo em PDF

Diretrizes Cl√≠nicas na Sa√ļde Suplementar - Sepse: Controle Glic√™mico

Teles JM, Silva E, Salom√£o R, Machado FR, Bernardo WR, Instituto Latino Americano de Sepse
Associação de Medicina Intensiva Brasileira e Sociedade Brasileira de Infectologia
Número: 173 / Publicado em 16/06/2012 - 19:08

A hiperglicemia é comum durante a evolução das enfermidades agudas e está associada a piores desfechos clínicos.

Abrir arquivo em PDF

Diretrizes Cl√≠nicas na Sa√ļde Suplementar - Sepse: Interven√ß√Ķes Complementares

Freitas F, Jackiu M, Silva E, Salom√£o R, Machado FR, Bernardo WM, Instituto Latino Americano de Sepse
Associação de Medicina Intensiva Brasileira e Sociedade Brasileira de Infectologia
Número: 172 / Publicado em 16/06/2012 - 19:09

Entre os pacientes criticamente enfermos a insufici√™ncia renal √© uma complica√ß√£o relativamente comum que est√° associada com aumento do risco de morte e outras complica√ß√Ķes. Dados sobre a preval√™ncia de insufici√™ncia renal aguda entre pacientes com sepse grave ou choque s√©ptico s√£o falhos. Isto se deve, em parte, ao uso de crit√©rios n√£o uniformes para o diagn√≥stico de insufici√™ncia renal aguda, usados nos diferentes trabalhos.

Abrir arquivo em PDF

Diretrizes Cl√≠nicas na Sa√ļde Suplementar - Sepse: Uso de Hemoderivados e Hemocomponentes

Silva E, Pereira A, Machado F, Salom√£o R, Lutke C, Instituto Latino Americano de Sepse
Associação de Medicina Intensiva Brasileira e Sociedade Brasileira de Infectologia
Número: 171 / Publicado em 16/06/2012 - 19:10

N√≠veis de hemoglobina entre 7 e 9 g/dL n√£o foram associados a aumento de mortalidade em adultos gravemente enfermos, quando comparados a n√≠veis entre 10 e 12 g/dL (100‚Äď200 g/L). No entanto, cabe ressaltar que esta quest√£o n√£o foi avaliada especificamente em pacientes s√©pticos e sim em pacientes gravemente enfermos, internados em terapia intensiva, dos quais 20% eram s√©pticos. Em pacientes s√©pticos, a transfus√£o de gl√≥bulos vermelhos aumenta o transporte de oxig√™nio, mas n√£o est√° claro que isso se acompanha de aumento concomitante do consumo de oxig√™nio ou de melhora nos par√Ęmetros de utiliza√ß√£o de oxig√™nio pelos tecidos.

Abrir arquivo em PDF

Portal Saúde Direta - Footer
Atualizado em
14/09/2020
Saude-Direta-Facebook Saude-Direta-LinkedIN Saude-Direta-Twitter