Profissionais: 7120
Prontuários: 505142

Protocolos/Algoritmos/Diretrizes/Fluxogramas

Advertência: Estes artigos e resumos são protegidos pela Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610/98), sendo vedada a sua transcrição sem citação da fonte e a sua reprodução com finalidades comerciais sem autorização dos autores.

Adobe Acrobat Reader
É necessário o Adobe Acrobat Reader instalado.

Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas: Esclerose Lateral Amiotrófica

Portaria SAS/MS nº 913, de 19 de novembro de 2002.
Ministério da Saúde.
Número: 916 / Publicado em 17/03/2012 - 15:30

A esclerose lateral amiotrófica (ELA) é um distúrbio neurodegenerativo de origem desconhecida, progressivo e associado à morte do paciente em um tempo médio de 3 a 4 anos. Sua incidência estimada é de 1 a 2,5 indivíduos portadores para cada 100.000 habitantes/ano, com uma prevalência de 2,5 a 8,5 por 100.000 habitantes. Estudos clínicos controlados demonstram a eficácia do riluzol em reduzir a progressão da doença e aumentar a sobrevida dos pacientes, especialmente nos estágios iniciais da doença. Existe pouca informação sobre a farmacocinética do riluzol em pacientes com insuficiência hepática ou renal, sendo esta situação motivo de cautela na indicação. O riluzol foi liberado pelo FDA em 1995 para esta condição clínica.

Abrir arquivo em PDF

Diretrizes de Conduta Médico-Pericial em Transtornos Mentais.

Instituto Nacional do Seguro Social.
Ministério da Previdência Social - Brasília 2007.
Número: 915 / Publicado em 19/06/2012 - 09:50

Considerando a necessidade de normatizar os procedimentos médico-periciais com vistas a imprimir critérios mais objetivos na avaliação médico-pericial dos segurados da Previdência Social requerentes a benefícios por incapacidade para o trabalho, a Coordenação Geral de Benefícios por Incapacidade (CGBENIN) constituiu um grupo de trabalho no período de dezembro de 2006 a abril de 2007, formado por sete médicos peritos e supervisores médico-periciais, procedentes de diferentes regiões do país, sendo quatro especialistas em psiquiatria, um médico com graduação em psicologia e dois clínicos, com o objetivo de elaborar diretrizes médicas na área de psiquiatria.

Abrir arquivo em PDF

Dengue: Aspectos Epidemiológicos, Diagnóstico e Tratamento.

Fundação Nacional de Saúde – FUNASA
Ministério da Saúde - 2002
Número: 913 / Publicado em 19/06/2012 - 09:56

A dengue é uma doença febril aguda, de etiologia viral e de evolução benigna na forma clássica, e grave quando se apresenta na forma hemorrágica. A dengue é, hoje, a mais importante arbovirose (doença transmitida por artrópodes) que afeta o homem e constitui-se em sério problema de saúde pública no mundo, especialmente nos países tropicais, onde as condições do meio ambiente favorecem o desenvolvimento e a proliferação do Aedes aegypti, principal mosquito vetor.

Abrir arquivo em PDF

Protocolo Clínico: Pré-Eclâmpsia.

Frederico José Amedée Peret
Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig) - 2009
Número: 912 / Publicado em 19/06/2012 - 09:17

A hipertensão na gestação e puerpério é responsável por expressivo contingente de óbitos maternos e perinatais no Brasil.

Abrir arquivo em PDF

Protocolo Clínico: Sepse Grave e Choque Séptico.

Achilles Rohlfs Barbosa, Glauco Sobreira Messias.
Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig) - 2009
Número: 911 / Publicado em 19/06/2012 - 09:18

Otimizar a utilização dos recursos materiais e humanos em uma abordagem sistematizada de uma síndrome de alta prevalência e morbi-mortalidade em nossas unidades, objetivando um atendimento de melhor qualidade, diminuindo mortalidade, morbidade e custos. Intensificar a participação dos hospitais da rede FHEMIG na campanha “Sobrevivendo à Sepse” (Surviving Sepsis Campaign), coordenada no Brasil pelo Instituto Latino Americano para Estudos da Sepse (ILAS) (www.sepsisnet.org).

Abrir arquivo em PDF

Protocolo Clínico: Atendimento ao Paciente Vítima de Traumatismo Abdominal.

Equipe de Cirurgia do HJXXIII
Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig) - 2009
Número: 910 / Publicado em 19/06/2012 - 09:34

A avaliação do abdome é um dos componentes mais críticos na abordagem inicial do traumatizado. O momento mais oportuno para avaliação abdominal deve ser determinado considerando o mecanismo de trauma, sua localização e o estado hemodinâmico do paciente.

Abrir arquivo em PDF

Protocolo Clínico: Atendimento ao Paciente Vítima de Traumatismo Cranioencefálico Leve - TCE leve.

Rodrigo Moreira Faleiro, Josaphat Vilela de Morais.
Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig) - 2009
Número: 909 / Publicado em 19/06/2012 - 09:20

Traumatismo crânio-encefálico (TCE) é entidade frequente e com alta mortalidade. A cada 15 segundos ocorre um caso de TCE e em decorrência deste, um paciente morre a cada 12 minutos; 50% das mortes decorrentes de trauma têm como etiologia o TCE.

Abrir arquivo em PDF

Prevenção Clínica de Doença Cardiovascular, Cerebrovascular e Renal Crônica.

Departamento de Atenção Básica - Série A. Normas e Manuais Técnicos - Cadernos de Atenção Básica - n.º 14
Secretaria de Atenção à Saúde - Ministério da Saúde - Brasília - 2006
Número: 907 / Publicado em 19/06/2012 - 09:35

A doença cardiovascular representa hoje no Brasil a maior causa de mortes; o número estimado de portadores de Diabetes e de Hipertensão é de 23.000.000; cerca de 1.700.000 pessoas têm doença renal crônica (DRC), sendo o diabetes e a hipertensão arterial responsáveis por 62,1% do diagnóstico primário dos submetidos à diálise. Essas taxas tendem a crescer nos próximos anos, não só pelo crescimento e envelhecimento da população, mas, sobretudo, pela persistência de hábitos inadequados de alimentação e atividade física, além do tabagismo.

Abrir arquivo em PDF

Normas Alimentares para Crianças Brasileiras Menores de Dois Anos - Embasamento Científico.

Elsa R. J. Giugliani e Cesar G. Victoria.
Organização Pan-Americana da Saúde - Organização Mundial da Saúde - Novembro de 1997
Número: 906 / Publicado em 19/06/2012 - 09:36

Avanços recentes em nosso conhecimento sobre a dieta ideal para crianças menores de 2 anos tornaram obsoletas muitas recomendações que, ainda hoje, constam de nossa prática pediátrica, ou mesmo de livros de texto de Pediatria. Por exemplo, pesquisas realizadas nos últimos 10 anos salientam a importância do aleitamento materno exclusivo nos primeiros meses de vida, da falta de necessidade de dar líquidos como chás, água ou sucos para crianças pequenas (e os riscos associados a essas práticas), o papel de micronutrientes como a vitamina A e o zinco na alimentação infantil, e a importância da densidade energética de alimentos complementares.

Abrir arquivo em PDF

Tratamentos Cirúrgicos para Epilepsia.

Centro Cochrane do Brasil - SP- 2006.
Medline (1966-2005), Registro de Ensaios Controlado da Colaboração Cochrane (2005, edição 1), Embase (1980- 2005), Lilacs (1982-2005).
Número: 905 / Publicado em 19/06/2012 - 09:37

Os tratamentos cirúrgicos são mais efetivos e seguros quando comparados a outras intervenções no tratamento das epilepsias? As evidências disponíveis no momento são insuficientes para afirmarmos se e qual abordagem cirúrgica é mais efetiva e segura no tratamento da epilepsia. Porém, o tratamento cirúrgico, parece ser mais viável e promissor do que as drogas antieplépticas. Não encontramos evidências que possam sugerir que o tratamento cirúrgico não seja seguro.

Abrir arquivo em PDF

Portal Saúde Direta - Footer
Atualizado em
14/09/2020
Saude-Direta-Facebook Saude-Direta-LinkedIN Saude-Direta-Twitter