Profissionais: 7204
Prontuários: 564386

Protocolos/Algoritmos/Diretrizes/Fluxogramas

Advertência: Estes artigos e resumos são protegidos pela Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610/98), sendo vedada a sua transcrição sem citação da fonte e a sua reprodução com finalidades comerciais sem autorização dos autores.

Adobe Acrobat Reader
É necessário o Adobe Acrobat Reader instalado.

Bexiga Neurog√™nica na Inf√Ęncia.

Sociedade Brasileira de Urologia
Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina.
Número: 300 / Publicado em 09/03/2012 - 18:10

Fibras musculares lisas e estriadas promovem contra√ß√£o e relaxamento, com a finalidade de manter um gradiente de press√£o que assegure o armazenamento de urina na bexiga e sua libera√ß√£o no momento conveniente. Apesar de existirem termina√ß√Ķes simp√°ticas e parassimp√°ticas distribu√≠das ao longo de toda a bexiga e regi√£o esfincteriana, sabe-se que o m√ļsculo vesical (detrusor) √© rico em receptores colin√©rgicos, sendo a regi√£o esfincteriana controlada principalmente por receptores adren√©rgicos do tipo alfa. A falha desse mecanismo, que foi denominado de esf√≠ncter, produz os mais variados graus deincontin√™ncia urin√°ria.

Abrir arquivo em PDF

Bexiga Hiperativa: Tratamento Loco-Regional

Sociedade Brasileira de Urologia.
Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina.
Número: 299 / Publicado em 09/03/2012 - 18:11

O uso de subst√Ęncias intravesicais no tratamento da bexiga hiperativa (BH) √© baseado na suposi√ß√£o de que pequenas fibras aferentes n√£o-mielinizadas (fibras‚ÄďC) seriam respons√°veis por um aumento da excitabilidade do detrusor.

Abrir arquivo em PDF

Bócio Atóxico: Diagnóstico e Tratamento.

Sociedade Brasileira de Cirurgia de Cabe√ßa e Pesco√ßo, Col√©gio Brasileiro de Cirurgi√Ķes.
Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina
Número: 298 / Publicado em 09/03/2012 - 18:12

B√≥cio √© o termo que designa aumento de volume da gl√Ęndula tire√≥ide. Os b√≥cios s√£o considerados at√≥xicos ou simples, quando n√£o h√° hiperfun√ß√£o da gl√Ęndula. Podem ser end√™micos, se houver car√™ncia de iodo na alimenta√ß√£o, ou espor√°dicos, na aus√™ncia deste fator.

Abrir arquivo em PDF

C√Ęncer Diferenciado da Tire√≥ide: Tratamento.

Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia.
Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina
Número: 297 / Publicado em 09/03/2012 - 18:13

Devido à baixa incidência do CDT e ao seu prognóstico geralmente muito bom, estudos prospectivos comparando diferentes modalidades terapêuticas não têm sido realizados, de forma que a conduta no CDT é baseada em estudos retrospectivos e continua controversa.

Abrir arquivo em PDF

C√Ęncer Diferenciado da Tire√≥ide: Fatores Progn√≥sticos.

Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia
Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina
Número: 296 / Publicado em 09/03/2012 - 18:14

V√°rios autores t√™m buscado identificar fatores de progn√≥stico que possam auxiliar a, essencialmente, dividir os pacientes com carcinomas diferenciados da tire√≥ide em indiv√≠duos de baixo-risco e de alto-risco, na tentativa de otimizar a abordagem cir√ļrgica e o seguimento destes pacientes.

Abrir arquivo em PDF

C√Ęncer Diferenciado da Tire√≥ide: Fatores de Risco e Diagn√≥stico.

Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia Colégio Brasileiro de Radiologia.
Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina
Número: 295 / Publicado em 09/03/2012 - 18:14

O c√Ęncer diferenciado da tire√≥ide (CDT) √© a forma mais comum de neoplasia end√≥crina e, geralmente, √© cur√°vel. Sua freq√ľ√™ncia tem aumentado progressivamente cerca de 3% ao ano por fatores etiopatog√™nicos desconhecidos e devido √† melhora nos m√©todos de diagn√≥stico.

Abrir arquivo em PDF

Carcinoma de Células Germinativas do Testículo: Tratamento.

Sociedade Brasileira de Urologia
Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina
Número: 294 / Publicado em 09/03/2012 - 18:15

A lesão primária deve ser tratada por orquiectomia radical por via inguinal, com ligadura prévia do cordão espermático, no nível do anel inguinal interno. Na cirurgia, são removidos o testículo, o epidídimo e todo o funículo espermático.

Abrir arquivo em PDF

Carcinoma de Células Germinativas do Testículo: Fatores Prognósticos.

Sociedade Brasileira de Urologia
Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina
Número: 293 / Publicado em 09/03/2012 - 18:16

Os fatores prognósticos dos tumores do testículo não são dependentes somente do estadio clínico.

Abrir arquivo em PDF

Carcinoma de Células Germinativas do Testículo: Diagnóstico e Estadiamento.

Sociedade Brasileira de Urologia
Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina
Número: 292 / Publicado em 09/03/2012 - 18:17

O c√Ęncer de test√≠culo √© o tumor mais prevalente em homens jovens na idade de 15 a 35 anos, apresentando alta probabilidade de cura (98%) nos pacientes com estadio T1. A incid√™ncia dos tumores de c√©lulas germinativas √© de 6 a 11/100.000, havendo aumento gradativo ap√≥s a puberdade. No Brasil, estima-se uma incid√™ncia anual de 2,2/100.000 habitantes.

Abrir arquivo em PDF

C√Ęncer Renal: Tratamento.

Sociedade Brasileira de Urologia
Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina
Número: 291 / Publicado em 09/03/2012 - 18:17

A base do tratamento dos tumores malignos de rim √© a cirurgia, a qual tem por objetivo remover completamente a neoplasia. Historicamente, o padr√£o-ouro do tratamento cir√ļrgico dos pacientes com neoplasia maligna renal e rim contralateral normal tem sido a nefrectomia radical.

Abrir arquivo em PDF

Portal Saúde Direta - Footer
Atualizado em
14/09/2020
Saude-Direta-Facebook Saude-Direta-LinkedIN Saude-Direta-Twitter