Profissionais: 7204
Prontuários: 564386

Protocolos/Algoritmos/Diretrizes/Fluxogramas

Advertência: Estes artigos e resumos são protegidos pela Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610/98), sendo vedada a sua transcrição sem citação da fonte e a sua reprodução com finalidades comerciais sem autorização dos autores.

Adobe Acrobat Reader
É necessário o Adobe Acrobat Reader instalado.

Uso Abusivo de Benzidamina no Brasil: uma Abordagem em Farmacovigil√Ęncia.

Mota DM et al.
Ci√™ncia & Sa√ļde Coletiva, 15(3):717-724, 2010
Número: 536 / Publicado em 18/06/2012 - 09:47

Dentre os medicamentos, objeto de abuso e que causam depend√™ncia f√≠sica e/ou ps√≠quica, incluem-se os barbit√ļricos, benzodiazep√≠nicos, analg√©sicos opi√≥ides e anfetaminas. Os analg√©sicos, antit√©rmicos e antiinflamat√≥rios n√£o esteroidais, apesar de n√£o fazerem parte dessa rela√ß√£o de f√°rmacos, est√£o, geralmente, associados ao uso recreativo ou fins n√£o terap√™uticos. O objetivo deste ensaio √© apresentar informa√ß√Ķes sobre o uso abusivo de benzidamina no Brasil.

Abrir arquivo em PDF

Efeitos Adversos a Medicamentos em Hospital P√ļblico: Estudo Piloto.

Rozenfeld, Suely et al.
Rev Sa√ļde P√ļblica 2009;43(5):887-90
Número: 535 / Publicado em 18/06/2012 - 09:48

Os efeitos adversos aos medicamentos (EAM) ocorridos em hospitais podem prolongar o tempo de interna√ß√£o ou contribuir para o √≥bito. A freq√ľ√™ncia dos EAM pode chegar a 19% e dois ter√ßos deles podem ser evitados.

Abrir arquivo em PDF

Rea√ß√Ķes Adversas a Medicamentos como Determinantes da Admiss√£o Hospitalar.

Pfaffenbach, G et alii.
Rev. Assoc. Med. Bras. 2002, vol.48, n.3, pp. 237-241.
Número: 534 / Publicado em 18/06/2012 - 09:17

Rea√ß√Ķes adversas a medicamentos representam parte consider√°vel dos custos m√©dicos. Estima-se que cerca de 3% a 8% das interna√ß√Ķes em enfermarias de Medicina Interna s√£o relacionadas com RAM, contudo nas diferentes especialidades m√©dicas e dependendo da forma como as RAMs s√£o analisadas, a freq√ľ√™ncia de RAM como causa de admiss√£o hospitalar poder√° variar de 3% a 40%.

Abrir arquivo em PDF

Estudo dos Achados Oculares na Síndrome de Stevens-Johnson em Pacientes de Centro de Referência de Atendimento Terciário.

Franca, Marciel Dourado; Lima, Jane Palma Galr√£o; Freitas, Denise de; Cunha, Marcelo; Gomes, Jos√© √Ālvaro Pereira.
Arq Bras Oftalmol;72(3): 370-374, maio-jun. 2009.
Número: 533 / Publicado em 18/06/2012 - 09:19

Foram avaliados 22 pacientes com s√≠ndrome de Stevens-Johnson. Quinze pacientes (68 por cento) eram do sexo feminino e 7 (32 por cento) do sexo masculino. Dez pacientes eram brancos (45,4 por cento), 9 pardos (22 por cento), 2 negros (9 por cento) e 1 amarelo (4,5 por cento). A m√©dia de idade foi de 27,1 anos (varia√ß√£o entre 8 e 62 anos). A associa√ß√£o com drogas foi o principal fator etiol√≥gico. Em 20 pacientes (90,9 por cento) o desenvolvimento da doen√ßa esteve associado ao uso de medica√ß√Ķes, 1 (4,5 por cento) por infec√ß√£o herp√©tica cut√Ęnea e 1 (4,5 por cento) idiop√°tico. A dipirona (36,3 por cento) foi o agente mais associado √† s√≠ndrome de Stevens-Johnson seguido por anticonvulsivantes (22,7 por cento), anti-inflamat√≥rios n√£o hormonais (13,6 por cento), sulfonamidas (9,0 por cento), penicilinas (4,5 por cento), espironolactona (4,5 por cento) e anticoncepcional injet√°vel (dihidroprogesterona e estradiol) (4,5 por cento). Vinte e um pacientes (95,4 por cento) desenvolveram complica√ß√Ķes oculares e 16 pacientes (72,7 por cento) foram submetidos a procedimentos cir√ļrgicos oftalmol√≥gicos.

Abrir arquivo em PDF

Avaliação da Qualidade do Uso de Medicamentos em Idosos.

Mosegui, Gabriela B. G; Rozenfeld, Suely; Veras, Renato Peixoto; Vianna, Cid M. M.
Rev. Sa√ļde P√ļblica. 1999, vol.33, n.5, pp. 437-444.
Número: 532 / Publicado em 18/06/2012 - 09:20

Diferentes estudos de avalia√ß√£o do uso de medicamentos constataram que, al√©m da utiliza√ß√£o de um grande n√ļmero de especialidades farmac√™uticas entre os idosos, h√° preval√™ncia do uso de determinados grupos de medicamentos, como: analg√©sicos, antiinflamat√≥rios e psicotr√≥picos. Os idosos chegam a constituir 50% dos multiusu√°rios. √Č comum encontrar em suas prescri√ß√Ķes dosagens e indica√ß√Ķes inadequadas, intera√ß√Ķes medicamentosas, associa√ß√Ķes e redund√Ęncia ‚Äď uso de f√°rmacos pertencentes a uma mesma classe terap√™utica ‚Äď e medicamentos sem valor terap√™utico. Tais fatores podem gerar rea√ß√Ķes adversas aos medicamentos (RAM), algumas delas graves e fatais.

Abrir arquivo em PDF

Prescrição de Medicamentos para Crianças Hospitalizadas: Como avaliar a Qualidade?

Meiners, M.M.M.A. e Bergsten-Mendes, G..
Rev. Assoc. Med. Bras. vol.47 no.4 S√£o Paulo Oct./Dec. 2001
Número: 531 / Publicado em 18/06/2012 - 09:21

Pacientes pedi√°tricos, chamados ‚Äú√≥rf√£os terap√™uticos‚ÄĚ, s√£o geralmente exclu√≠dos de ensaios cl√≠nicos para desenvolvimento de novos medicamentos, os quais s√£o usados em crian√ßas de modo emp√≠rico e muitas vezes question√°vel. Este estudo descreve o padr√£o de prescri√ß√£o de medicamentos para crian√ßas hospitalizadas e prop√Ķe crit√©rios para avaliar a qualidade da prescri√ß√£o.

Abrir arquivo em PDF

Identifica√ß√£o de Medicamentos N√£o Apropriados para Crian√ßas em Prescri√ß√Ķes de Unidade de Tratamento Intensivo Pedi√°trica.

Carvalho, Paulo R. A; Carvalho, Clarissa G; Alievi, Patrícia T; Martinbiancho, Jaqueline; Trotta, Eliana A.
Jornal de Pediatria - Vol. 79, N¬ļ5, 2003
Número: 530 / Publicado em 18/06/2012 - 09:23

Em decorr√™ncia de prov√°veis limita√ß√Ķes √©ticas relacionadas √† pesquisa de medicamentos envolvendo crian√ßas em d√©cadas passadas, mais de 50% dos medicamentos prescritos para pacientes pedi√°tricos nos EUA n√£o s√£o aprovados ou padronizados para uso em crian√ßas1. No nosso meio, supeita-se que a taxa de uso de medicamentos n√£o apropriados para crian√ßas, em pacientes pedi√°tricos, tamb√©m seja elevada, especialmente em n√≠vel hospitalar.

Abrir arquivo em PDF

Avalia√ß√£o do N√≠vel de Informa√ß√£o dos Profissionais de Sa√ļde da Fam√≠lia acerca das Rea√ß√Ķes Adversas a Medicamentos e Farmacovigil√Ęncia.

Salviano, Luiza Herbene Macêdo Soares.
Tese de Mestrado - Fortaleza, 2008
Número: 529 / Publicado em 18/06/2012 - 09:25

Os eventos adversos relacionados a medicamentos representam um problema de sa√ļde p√ļblica. S√£o causas de hospitaliza√ß√£o, aumento do tempo de perman√™ncia hospitalar e, at√© mesmo, √≥bito. O monitoramento √© feito pelos Programas de Farmacovigil√Ęncia, que visam detectar, al√©m das Rea√ß√Ķes Adversas a Medicamentos, intera√ß√Ķes medicamentosas, desvios de qualidade, perda de efic√°cia, avaliar o risco do uso irracional de medicamentos e, ainda, disseminar informa√ß√Ķes sobre a utiliza√ß√£o segura e racional dos medicamentos. Para que um programa de farmacovigil√Ęncia tenha √™xito √© necess√°rio um bom n√≠vel de informa√ß√£o dos profissionais de sa√ļde acerca das RAM, bem como o interesse deles na ades√£o ao programa.

Abrir arquivo em PDF

Principais Aspectos do Tratamento das Infec√ß√Ķes no Idoso.

Moreira, Iali Patricia Beloto; Amado, Luiz Eduardo Bersani; Bersani, Ana Laura de Figueiredo; Bersani-Amado, Ciomar Aparecida; Caparroz-Assef, Silvana Martins
Cienc Cuid Saude 2007;6(Suplem. 2):488-495
Número: 528 / Publicado em 18/06/2012 - 09:26

Os idosos fazem parte da popula√ß√£o que mais consome medicamentos e os antimicrobianos est√£o entre as classes medicamentosas mais freq√ľentemente prescritas para estes pacientes. Existem aspectos espec√≠ficosdo idoso que complicam a prescri√ß√£o e o monitoramento do uso do antimicrobiano. As modifica√ß√Ķes fisiol√≥gicas decorrentes da idade resultam em altera√ß√Ķes na farmacodin√Ęmica e na farmacocin√©tica, que podem alterar o decurso da infec√ß√£o e a resposta a um determinado antimicrobiano. Em fun√ß√£o da alta preval√™ncia de doen√ßas cr√īnicas, os idosos fazem uso simult√Ęneo de muitos medicamentos, o que resulta em maior risco de rea√ß√Ķes adversas ou intera√ß√Ķes medicamentosas. Todos estes aspectos justificam aten√ß√£o especial na condu√ß√£o do tratamento da infec√ß√£o no idoso.

Abrir arquivo em PDF

Detec√ß√£o de Risco de Intera√ß√Ķes entre F√°rmacos Antidepressivos e Associados Prescritos a Pacientes Adultos.

Campigotto, Kassia Fernanda; Teixeira, Jorge Juarez Vieira; Cano, Fabiola Giordani; Sanches, Andréia Cristina Conegero; Cano, Marcelo Fabrício Fernandes; Guimarães, Deborah Sandra Leal
Rev. psiquiatr. clín. (Säo Paulo);35(1): 1-5, 2008. tab
Número: 527 / Publicado em 18/06/2012 - 09:28

O uso de f√°rmacos combinados para o tratamento de patologias diversas em psiquiatria tem aumentado progressivamente. Os antidepressivos est√£o envolvidos em diversas intera√ß√Ķes farmacol√≥gicas clinicamente importantes.

Abrir arquivo em PDF

Portal Saúde Direta - Footer
Atualizado em
14/09/2020
Saude-Direta-Facebook Saude-Direta-LinkedIN Saude-Direta-Twitter