Profissionais: 7132
Prontuários: 511929

Protocolos/Algoritmos/Diretrizes/Fluxogramas

Advertência: Estes artigos e resumos são protegidos pela Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610/98), sendo vedada a sua transcrição sem citação da fonte e a sua reprodução com finalidades comerciais sem autorização dos autores.

Adobe Acrobat Reader
É necessário o Adobe Acrobat Reader instalado.

Consenso Brasileiro de Glaucoma Prim√°rio de √āngulo Fechado.

Paulo Augusto de Arruda Mello, Carmo Mandia Jr., Roberto Pedrosa Galv√£o.
Sociedade Brasileira de Glaucoma.
Número: 597 / Publicado em 16/06/2012 - 15:42

√Č a entidade cl√≠nica caracterizada pelo fechamento parcial ou completo do √Ęngulo da c√Ęmara anterior, decorrente de condi√ß√Ķes anat√īmicas que propiciam aposi√ß√£o ou ades√£o da periferia da √≠ris √† parede externa do √Ęngulo da c√Ęmara anterior (goniossin√©quias), com conseq√ľente eleva√ß√£o da press√£o intra-ocular (PIO) de forma aguda, intermitente ou cr√īnica, com eventual les√£o do disco √≥ptico.

Abrir arquivo em PDF

Interação Medicamentosa: Parte I

Oliveira, D. S.
Caderno de Farm√°cia, v. 2, n. 1, p. 3-20, 1986.
Número: 596 / Publicado em 16/06/2012 - 15:43

O problema das intera√ß√Ķes medicamentosas √© apresentado de maneira did√°tica, com exemplos pr√°ticos, discutindo sua signific√Ęncia cl√≠nica.

Abrir arquivo em PDF

Avalia√ß√£o de Prescri√ß√Ķes quanto √† Ocorr√™ncia de Poss√≠veis Intera√ß√Ķes Medicamentosas na Cl√≠nica M√©dica do Hospital Geral de Bonsucesso.

Eduardo Pombo-Nascimento, Danielle Martins Ventura, Fernanda Azevedo Lima, Luis Filipe Gonçalves de Oliveira e Claudia Regina Pereira.
Rev. Bras. Farm., 88(1), 2007
Número: 595 / Publicado em 18/06/2012 - 11:17

As intera√ß√Ķes medicamentosas geralmente se traduzem em rea√ß√Ķes adversas ou toxicidade a um tecido ou sistema espec√≠fico, ou ainda na falta de atividade terap√™utica. Quanto mais f√°rmacos o paciente estiver utilizando, maiores ser√£o as chances de ocorrer intera√ß√£o entre eles. Apesar de alguns estudos demonstrarem incid√™ncias baixas de intera√ß√Ķes medicamentosas, algumas destas podem trazer conseq√ľ√™ncias graves. Este trabalho analisou as prescri√ß√Ķes atendidas pelo setor de dispensa√ß√£o do Servi√ßo de Farm√°cia do Hospital Geral de Bonsucesso, de maio a junho de 2005, em busca de poss√≠veis intera√ß√Ķes medicamentosas que possam ter ocorrido nos 213 pacientes internados nas cl√≠nicas m√©dicas A e B, partindo do pressuposto de que h√° uso de grande n√ļmero de medicamentos concomitantemente. Estas prescri√ß√Ķes foram avaliadas quanto √† ocorr√™ncia de poss√≠veis intera√ß√Ķes medicamentosas, bem como, suas freq√ľ√™ncias. Tamb√©m foi realizada a an√°lise comparativa entre a ocorr√™ncia dessas intera√ß√Ķes entre a CMA e CMB, bem como, a sua classifica√ß√£o.

Abrir arquivo em PDF

O Brasil no Relatório Anual da Junta Internacional de Fiscalização de Entorpecentes.

Junta Internacional de Fiscalização de Entorpecentes - JIFE . Relatório Anual 2007.
Escrit√≥rio das Na√ß√Ķes Unidas contra Drogas e Crime (UNODC)
Número: 593 / Publicado em 18/06/2012 - 11:24

A Junta Internacional de Fiscaliza√ß√£o de Entorpecentes (JIFE - ou International Narcotics Control Board -INCB) √© um √≥rg√£o independente que monitora a implementa√ß√£o das conven√ß√Ķes da ONU sobre o controle internacional de drogas. Fundada em 1968 pela Conven√ß√£o √önica sobre Drogas Entorpecentes , de 1961, a JIFE √© totalmente independente dos governos, assim como das Na√ß√Ķes Unidas. Seus treze membros s√£o indicados a partir de suas capacidades e qualidades profissionais. A JIFE monitora a obedi√™ncia dos pa√≠ses em rela√ß√£o aos tratados internacionais sobre controle de drogas e assegura que suprimentos adequados de drogas usadas na fabrica√ß√£o de medicamentos estejam dispon√≠veis para prop√≥sitos m√©dicos e cient√≠ficos. A Junta tamb√©m trabalha arduamente parar impedir que fontes legais de subst√Ęncias psicotr√≥picas sejam desviadas para o tr√°fico ilegal de drogas. Adicionalmente, auxilia os pa√≠ses a identificar e corrigir eventuais falhas nos sistemas de controle de drogas e determina quais produtos qu√≠micos devem ser controlados para evitar que sejam desviados para a fabrica√ß√£o de drogas il√≠citas.

Abrir arquivo em PDF

Dicas Para Uma Boa Prescrição Hospitalar.

Hospital Universitário Walter Cantídio - Gerência de Riscos Hospitalares - 2008
Universidade Federal do Cear√°
Número: 590 / Publicado em 18/06/2012 - 11:26

Esse manual cont√©m dicas para a elabora√ß√£o de uma boa prescri√ß√£o hospitalar, e se prop√Ķe a contribuir para melhorar a comunica√ß√£o entre aqueles que diariamente dedicam parte importante do seu tempo, no cuidado dos pacientes internados nos hospitais cearenses e que desejam tornar a pr√°tica de prescri√ß√£o um processo cada vez mais seguro e com resultados otimizados.

Abrir arquivo em PDF

Perfil de Medicamentos Envolvidos com Erros de Administração: Conhecer para Prevenir.

Reis AMM, Marques TC, Opitz SP, Silva AEBC, Gimenes FRE, Teixeira TCA, Lima REF, Cassiani SHB.
Acta paul. enferm. vol.23 no.2 S√£o Paulo Mar./Apr. 2010
Número: 588 / Publicado em 18/06/2012 - 11:28

Estudo multic√™ntrico, descritivo/explorat√≥rio utilizando a t√©cnica de observa√ß√£o n√£o participante durante a administra√ß√£o de 4958 doses de medicamentos e a classifica√ß√£o anat√īmica terap√™utica qu√≠mica (ATC). Dentre esse total, foram identificados 1500 erros de administra√ß√£o de medicamentos (30,3%). A administra√ß√£o dos f√°rmacos dos grupos ATC - sistema cardiovascular, sistema nervoso, trato alimentar e metabolismo e antinfecciosos de uso sist√™mico apresentou maior frequ√™ncia de erros. Em 13,0% dos erros estavam envolvidos medicamentos potencialmente perigosos e em 12,2% medicamentos de baixo √≠ndice terap√™utico.

Abrir arquivo em PDF

Aspectos Gerais e N√ļmero de Etapas do Sistema de Medica√ß√£o de quatro Hospitais Brasileiros.

Cassiani SHB, Miasso AI, Silva AEBC, Fakin FT, Oliveira RC.
Rev Latino-am Enfermagem 2004 setembro-outubro; 12(5):781-9
Número: 587 / Publicado em 18/06/2012 - 11:30

Essa investiga√ß√£o identificou e analisou o sistema de medica√ß√£o de 04 hospitais universit√°rios, localizados nas cidades de Recife, Ribeir√£o Preto, Goi√Ęnia e S√£o Paulo, ap√≥s a aprova√ß√£o nos Comit√™s de √Čtica em Pesquisa e da autoriza√ß√£o da dire√ß√£o dos hospitais. Os dados foram coletados atrav√©s de entrevista estruturada com um dos profissionais respons√°veis pelo sistema de medica√ß√£o e observa√ß√£o n√£o participante e direta, por uma semana, nos v√°rios sub-sistemas. Os resultados indicaram pontos que necessitam de aperfei√ßoamentos como utiliza√ß√£o de abrevia√ß√Ķes, falta de padroniza√ß√£o de hor√°rios de administra√ß√£o de medicamentos, falta de informa√ß√Ķes atualizadas e completas do paciente, farm√°cia n√£o funcionando 24 horas em um hospital, falta de centro de informa√ß√Ķes de medicamentos e outros. Evidenciou-se no hospital A 66 etapas, no B 58 etapas, no C 70 etapas e no D 80 etapas do sistema de medica√ß√£o. Simplificar os processos, diminuindo o n√ļmero de etapas, √© a chave para a redu√ß√£o de erros de medica√ß√£o.

Abrir arquivo em PDF

Segurança na Utilização de Medicamentos: Dificuldades de Detecção dos Erros de Medicação e Algumas Propostas de Prevenção.

Jorseli Angela Henriques Coimbra, Silvia Helena de Bortoli Cassiani.
Ci√™ncia, Cuidado e Sa√ļde - Maring√°, v. 3, n. 2, p. 153-160, mai/ago. 2004
Número: 586 / Publicado em 18/06/2012 - 11:00

Diante de um erro, muitas vezes encontramos um quadro de conseq√ľ√™ncias caracterizado pela viol√™ncia, puni√ß√Ķes, constrangimentos, vergonha, perda do prest√≠gio profissional e at√© mesmo suic√≠dios de m√©dicos e enfermeiros. Muitos profissionais demitem-se voluntariamente de seus empregos ou cometem suic√≠dio, sobretudo nos casos em que os erros resultam em conseq√ľ√™ncias graves aos pacientes.

Abrir arquivo em PDF

Intera√ß√Ķes Medicamentosas de Fitoter√°picos e F√°rmacos: Hypericum perforatum e Piper methysticum.

C.H.G. Cordeiro, Chung M.C., L.V.S. do Sacramento.
Rev. Bras. Farmacogn. Braz J. Pharmacogn. 15(3):jul/set. 2005
Número: 585 / Publicado em 18/06/2012 - 11:02

A utiliza√ß√£o de produtos naturais na medicina popular √© milenar e persiste at√© os dias atuais. Entretanto, a id√©ia de que estes produtos s√£o isentos de toxicidade torna o uso de medicamentos fitoter√°picos cada vez maior e indiscriminado. Este trabalho trata de uma revis√£o sobre as intera√ß√Ķes que podem ocorrer com a utiliza√ß√£o concomitante de Hypericum perforatum L. (Erva de S√£o Jo√£o) e Piper methysticum F. (Kava-kava) com f√°rmacos, podendo levar a s√©rios efeitos t√≥xicos, incluindo a fatalidade.

Abrir arquivo em PDF

Intera√ß√Ķes entre F√°rmacos e Medicamentos Fitoter√°picos √† base de Ginkgo ou Ginseng.

Rodrigo F. Alexandre, Fab√≠ola Bagatini, Cl√°udia M. O. Sim√Ķes.
Rev. Bras. Farmacogn. Braz J. Pharmacogn. 18(1): Jan./Mar. 2008
Número: 584 / Publicado em 18/06/2012 - 11:05

Os medicamentos fitoter√°picos s√£o amplamente utilizados, principalmente, pelos portadores de doen√ßas cr√īnicas e em associa√ß√Ķes medicamentosas com diversos f√°rmacos. As poss√≠veis intera√ß√Ķes entre eles est√£o sendo muito estudadas, pois podem alterar os perfis de efic√°cia e seguran√ßa de muitos f√°rmacos. Nesta revis√£o, as informa√ß√Ķes foram localizadas, avaliadas e sistematizadas e cont√™m as principais intera√ß√Ķes entre f√°rmacos e medicamentos fitoter√°picos elaborados com ginkgo ou ginseng.

Abrir arquivo em PDF

Portal Saúde Direta - Footer
Atualizado em
14/09/2020
Saude-Direta-Facebook Saude-Direta-LinkedIN Saude-Direta-Twitter