Profissionais: 7133
Prontuários: 512016

Protocolos/Algoritmos/Diretrizes/Fluxogramas

Advertência: Estes artigos e resumos são protegidos pela Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610/98), sendo vedada a sua transcrição sem citação da fonte e a sua reprodução com finalidades comerciais sem autorização dos autores.

Adobe Acrobat Reader
É necessário o Adobe Acrobat Reader instalado.

Insufici√™ncia Venosa Cr√īnica.

Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular.
Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina.
Número: 393 / Publicado em 09/03/2012 - 17:13

A insufici√™ncia venosa cr√īnica (IVC) pode ser conseq√ľente a obstru√ß√£o do retorno venoso, refluxo ou combina√ß√£o de ambos. O exame cl√≠nico e os m√©todos de diagn√≥stico complementar objetivam estabelecer quais destas condi√ß√Ķes est√£o presentes.

Abrir arquivo em PDF

Insuficiência Renal Aguda: Diagnóstico, Prevenção e Tratamento.

Sociedade Brasileira de Nefrologia.
Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina.
Número: 392 / Publicado em 09/03/2012 - 17:14

Insufici√™ncia Renal Aguda (IRA) √© a redu√ß√£o aguda da fun√ß√£o renal em horas ou dias. Refere-se principalmente √† diminui√ß√£o do ritmo de filtra√ß√£o glomerular, por√©m ocorrem tamb√©m disfun√ß√Ķes no controle do equil√≠brio hidro-eletrol√≠tico e √°cido-b√°sico. Podem ocorrer altera√ß√Ķes hormonais, como a defici√™ncia de eritropoetina e de vitamina D.

Abrir arquivo em PDF

Infec√ß√Ķes do Trato Urin√°rio: Diagn√≥stico.

Sociedade Brasileira de Infectologia e Sociedade Brasileira de Urologia.
Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina.
Número: 391 / Publicado em 09/03/2012 - 17:15

A infec√ß√£o sintom√°tica do trato urin√°rio (ITU) situa-se entre as mais freq√ľentes infec√ß√Ķes bacterianas do ser humano, figurando como a segunda infec√ß√£o mais comum na popula√ß√£o em geral, predominando entre os adultos em pacientes do sexo feminino. Nas crian√ßas, particularmente no primeiro ano de vida, a infec√ß√£o urin√°ria tamb√©m √© muito comum, predominando igualmente no sexo feminino; nesta popula√ß√£o de pacientes pedi√°tricos, predomina a pielonefrite, recorrente na maioria dos casos, devido √† presen√ßa de refluxo v√©sico-ureteral, uni ou bilateral.

Abrir arquivo em PDF

Infec√ß√Ķes do Trato Urin√°rio n√£o Complicadas: Tratamento.

Sociedade Brasileira de Infectologia e Sociedade Brasileira de Urologia.
Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina.
Número: 390 / Publicado em 09/03/2012 - 17:16

A terap√™utica espec√≠fica inicial das cistites comunit√°rias n√£o complicadas deve ser dirigida para o combate √† Escherichia coli, realizando-se modifica√ß√Ķes no esquema terap√™utico quando necess√°rio e, preferentemente, de acordo com o resultado da urocultura, quando o resultado deste exame √© exigido.

Abrir arquivo em PDF

Infecção Hospitalar: Prevenção.

Sociedade Brasileira de Infectologia.
Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina.
Número: 389 / Publicado em 09/03/2012 - 17:16

As infec√ß√Ķes hospitalares s√£o as mais freq√ľentes e importantes complica√ß√Ķes ocorridas em pacientes hospitalizados. No Brasil, estima-se que 5% a 15% dos pacientes internados contraem alguma infec√ß√£o hospitalar. Uma infec√ß√£o hospitalar acresce, em m√©dia, 5 a 10 dias ao per√≠odo de interna√ß√£o. Al√©m disso, os gastos relacionados a procedimentos diagn√≥sticos e terap√™uticas da infec√ß√£o hospitalar fazem com que o custo seja elevado.

Abrir arquivo em PDF

Infecção do Trato Urinário no Idoso.

Sociedade Brasileira de Urologia.
Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina.
Número: 388 / Publicado em 09/03/2012 - 17:17

Os processos infecciosos,particularizando as infec√ß√Ķes do trato urin√°rio (ITU), t√™m incid√™ncia progressiva porque os idosos apresentam mais fatores de risco. Reconhecidamente, a ITU, sintom√°tica ou assintom√°tica (bacteriana), √© a infec√ß√£o mais freq√ľente, independentemente do sexo, estimando-se que acometa aproximadamente 20% das mulheres e 10% dos homens idosos. Esta preval√™ncia praticamente se duplica ap√≥s os 80 anos, quando as diferen√ßas entre mulheres e homens s√£o menores).

Abrir arquivo em PDF

Infecção do Trato Urinário Complicada.

Sociedade Brasileira de Urologia, Colégio Brasileiro de Radiologia.
Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina.
Número: 387 / Publicado em 09/03/2012 - 17:18

Infec√ß√£o do Trato Urin√°rio Complicada √© aquela associada com condi√ß√Ķes que aumentem o risco para infec√ß√£o ou para fal√™ncia do tratamento. Estas infec√ß√Ķes est√£o comumente associadas a altera√ß√Ķes anat√īmicas e ou funcionais do trato urin√°rio, ou doen√ßas que interferem com os mecanismos de defesa do paciente.

Abrir arquivo em PDF

Infecção do Trato Urinário Alto de Origem Comunitária e Hospitalar: Tratamento.

Sociedade Brasileira de Infectologia e Sociedade Brasileira de Urologia.
Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina.
Número: 386 / Publicado em 09/03/2012 - 17:18

O espectro de agentes etiol√≥gicos √© semelhante tanto nas infec√ß√Ķes do trato urin√°rio baixo (cistite) como nas do trato urin√°rio alto (pielonefrite), quando agudas, n√£o complicadas e de origem comunit√°ria: Escherichia coli (70% - 95%), Staphylococcus saprophyticus (5% - 20%) e, ocasionalmente, Proteus mirabilis, Klebsiella sp e Enterococcus (principalmente E.faecalis).

Abrir arquivo em PDF

Incontinência Urinária: Propedêutica.

Sociedade Brasileira de Urologia.
Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina.
Número: 385 / Publicado em 09/03/2012 - 17:19

Devido √† exist√™ncia de diferentes tipos e graus de incontin√™ncia urin√°ria, portadores desta afec√ß√£o apresentam sintomas e sinais comuns para cada tipo de incontin√™ncia. Infelizmente, pacientes que apresentam esses sintomas freq√ľentemente s√£o imprecisos em definir a natureza e a gravidade da perda urin√°ria. Por esse motivo, √© fundamental que se fa√ßa o diagn√≥stico preciso da incontin√™ncia urin√°ria e v√°rios instrumentos podem ajudar no diagn√≥stico.

Abrir arquivo em PDF

Incontinência Urinária Pós-Prostatectomia: Tratamento.

Sociedade Brasileira de Urologia.
Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina.
Número: 384 / Publicado em 09/03/2012 - 17:19

A incontin√™ncia urin√°ria p√≥s-prostatectomia (IUPP) √© uma complica√ß√£o de dif√≠cil tratamento e que causa um profundo impacto negativo na qualidade de vida do indiv√≠duo, bem como perturba seriamente a rela√ß√£o m√©dico-paciente. A IUPP pode ocorrer tanto no tratamento da hiperplasia prost√°tica benigna como no tratamento do c√Ęncer de pr√≥stata.

Abrir arquivo em PDF

Portal Saúde Direta - Footer
Atualizado em
14/09/2020
Saude-Direta-Facebook Saude-Direta-LinkedIN Saude-Direta-Twitter