Profissionais: 6902
Prontuários: 420568

Esqueceu a senha? Cadastro da senha

Portal Saude Direta - Busca Palavra

BUSCA POR PALAVRA

POSTAGENS ANTERIORES

TAGS CLOUD

Protocolos - Algoritmos - Diretrizes - Fluxogramas

Baixar o Adobe Acrobat Reader
Para visualizar os conteúdos abaixo é necessário ter o Adobe Acrobat Reader instalado.

Advertência: Estes artigos e resumos são protegidos pela Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610/98), sendo vedada a sua transcrição sem citação da fonte e a sua reprodução com finalidades comerciais sem autorização dos autores.

Anemias na Gestação

Hospital São Luiz - São Paulo
http://www.saoluiz.com.br/Area_medica/paginas/Protocolos_medicos.aspx
Número: 2568 / Publicado em 01/01/2013 - 22:57

Concentração de hemoglobina inferior a 11 g/dl.

Abrir arquivo em PDF

Trato Respiratório: Critérios Nacionais de Infecções relacionadas à Assistência à Saúde

Unidade de Investigação e Prevenção das Infecções e dos Eventos Adversos
Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Setembro de 2009
Número: 2559 / Publicado em 24/08/2012 - 08:17

Este documento é o resultado de muitas horas de debates e de revisões bibliográficas nacionais e internacionais. Ele procura padronizar os conceitos epidemiológicos deste tipo de infecção com a finalidade de instrumentalizar os profissionais que atuam na área de controle de infecção relacionada à assistência à saúde no desenvolvimento de um trabalho de qualidade, além de possibilitar o acompanhamento do perfil epidemiológico das infecções, tanto no nível local como nacionalmente.

Abrir arquivo em PDF

Intoxicações Exógenas em Clínica Médica

Simpósio: Urgências e Emergências Dermatológicas e Toxicológicas Capítulo III
Medicina, Ribeirão Preto, 36: 472-479, abr./dez.2003
Número: 2555 / Publicado em 14/08/2012 - 10:26

Na primeira parte desta revisão, são discutidas as medidas gerais de tratamento das intoxicações exógenas (indução de vômitos, lavagem gástrica, administração de carvão ativado e de laxativos) e as medidas específicas de eliminação dos agentes tóxicos (diurese forçada e alcalinização da urina, hemodiálise e hemoperfusão e a utilização de antídotos e antagonistas). Na segunda parte, são discutidos os princípios do tratamento das mais freqüentes intoxicações exógenas em nosso meio (pesticidas agrícolas, depressores do sistema nervoso central e raticidas).

Abrir arquivo em PDF

Relação entre Acidentes de Trânsito e Álcool

CISA - Centro de Informações sobre Saúde e Álcool
http://www.cisa.org.br/novo_home.php
Número: 2554 / Publicado em 11/08/2012 - 13:56

Notícias de acidentes de trânsito com vítimas fatais envolvendo o uso de álcool são frequentes. Mas, apesar de a maioria da população saber da relação entre as altas taxas de mortalidade no trânsito e o consumo dessa substância, ainda persistem muitas dúvidas sobre o uso de álcool por motoristas, principalmente sobre seus efeitos no organismo e os riscos que se corre ao dirigir embriagado.

Abrir arquivo em PDF

Recomendações para o Diagnóstico e Terapêutica da Osteoporose

Viviana Tavares, Helena Canhão, José António Melo Gomes, Eugénia Simões, José Carlos Romeu, Paulo Coelho, Rui André Santos,Armando Malcata, Domingos Araújo, Carlos Vaz, Jaime Branco
ACTA REUM PORT. 2007;32:49-59
Número: 2548 / Publicado em 08/08/2012 - 11:14

A osteoporose (OP) é caracterizada por diminuição da massa óssea e deterioração da microarquitectura do osso, conduzindo ao aumento do risco de fractura.

Abrir arquivo em PDF

Diretrizes para Cessação do Tabagismo – 2008

Reichert J, Araújo AJ, Gonçalves CMC, Godoy I, Chatkin JM, Sales MPU et al.
J Bras Pneumol. 2008;34(10):845-880
Número: 2546 / Publicado em 08/08/2012 - 11:05

Estas diretrizes constituem uma ferramenta atualizada e abrangente para auxiliar o profissional de saúde na abordagem do tabagista, recomendando atitudes baseadas em evidências clínicas como a melhor forma de conduzir cada caso. De forma reduzida e mais objetiva possível, o texto final foi agrupado em dois grandes itens: Avaliação e Tratamento. Os dois itens apresentam comentários e níveis de recomendação das referências utilizadas, bem como algumas propostas de abordagem, como por exemplo, redução de danos, em situações específicas ainda pouco exploradas, como recaídas, tabagismo passivo, tabagismo na categoria médica e uso de tabaco em ambientes específicos.

Abrir arquivo em PDF

Laser: Fundamentos e Indicações em Dermatologia

Maria Goreti Catorze
Med Cutan Iber Lat Am 2009;37(1):5-27
Número: 2539 / Publicado em 08/08/2012 - 08:35

“Laser” é um acrónimo de “Light Amplification by Stimulated Emission of Radiation”. Na prática, são dispositivos que produzem radiação electromagnética (REM) por um processo denominado “emissão estimulada”. A luz laser é coerente, monocromática e colimada o que a distingue das outras formas de REM e lhe dá potencialidades próprias. Estas características têm sido aproveitadas em numerosas áreas nomeadamente na medicina. Em 1964 foi inventado o laser de CO2 que continua a ser usado como laser cirúrgico. A par do laser Erbium:YAG, o laser de CO2 também é usado no rejuvenescimento cutâneo tanto no modo normal, em que a pele é atingida de forma uniforme pelo feixe laser, como no modo fraccionado, em que o feixe laser emite radiação como se fosse um chuveiro. Mais recentemente surgiram lasers de rejuvenescimento cutâneo que actuam na derme com atingimento mínimo da epiderme. São os chamados sistemas não ablativos. Em 1983, o conceito de fototermólise selectiva postula que uma substância pode ser atingida selectivamente se o comprimento de onda da emissão laser for idêntico ao dessa mesma substância. Este conceito deu origem ao aparecimento de lasers que actuam de forma específica em certos tecidos ou pigmentos como a hemoglobina, pigmentos externos das tatuagens e melanina da pele e dos pêlos. A luz intensa pulsada não é um laser mas é usada de acordo com os mesmos princípios e permite seleccionar comprimentos de onda com utilidade no fotorrejuvenescimento e epilação.

Abrir arquivo em PDF

Manifestações Dermatológicas da Infecção pelo HIV

Adriana Maria Porro e Marcia Cristina Naomi Yoshioka
An bras Dermatol, Rio de Janeiro, 75(6):665-691, nov./dez. 2000.
Número: 2537 / Publicado em 08/08/2012 - 08:27

As lesões cutaneomucosas são bastante freqüentes no paciente infectado pelo HIV e é importante que o dermatologista esteja familiarizado com elas. Nesta revisão são abordados aspectos clínicos, diagnósticos e terapêuticos dos quadros dermatológicos mais prevalentes nessa população, entre eles infecções (virais, fúngicas e bacterianas), tumores (sarcoma de Kaposi, carcinoma basocelular e espinocelular), farmacodermias, erupções eritêmato-escamosas e papulopruriginosas.

Abrir arquivo em PDF

Protocolo do Acolhimento com Classificação de Risco em Obstetrícia e Principais Urgências Obstétricas

Secretaria Municipal de Saúde - Comissão Perinatal
Prefeitura de Belo Horizonte - 2010
Número: 2528 / Publicado em 03/08/2012 - 09:37

A Comissão Perinatal da Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte, em parceria com a Associação de Ginecologistas e Obstetras de Minas Gerais (SOGIMIG) e as maternidades públicas de Belo Horizonte, buscando reduzir a mortalidade materna em Belo Horizonte, humanizar o atendimento e facilitar o acesso da mulher no ciclo gravídico puerperal aos serviços de saúde, além de melhorar o processo de trabalho nas maternidades, apresenta a proposta de implantação do Acolhimento com Classificação de Risco (ACCR) nas maternidades do SUS-BH.

Abrir arquivo em PDF

Recomendações para o Manejo Clínico da Leishmaniose Tegumentar e Visceral

Secretaria Municipal de Saúde
Prefeitura de Belo Horizonte - 2007
Número: 2519 / Publicado em 03/08/2012 - 08:37

A leishmaniose tegumentar americana (LTA) é uma doença causada por protozoários do gênero Leishmania, que acomete pele e mucosas. A LTA é transmitida por insetos de várias espécies de flebotomíneos, também conhecidos como mosquitopalha. A leishmaniose visceral, também conhecida como Calazar, é uma doença crônica sistêmica, causada por um protozoário do gênero Leishmania, espécie Leishmania chagasi. No Brasil, os mais importantes reservatórios são o cão e a raposa (Dusycion vetulus), que agem como mantenedores do ciclo da doença.

Abrir arquivo em PDF

Footer - v1.3
Atualizado em
04/09/2019
Saude-Direta-Facebook Saude-Direta-LinkedIN Saude-Direta-Twitter