Profissionais: 7087
Prontuários: 488020

Portal Saúde Direta - Busca Palavra

BUSCA POR PALAVRA

POSTAGENS ANTERIORES

TAGS CLOUD

Protocolos Algoritmos Diretrizes Fluxogramas

Advertência: Estes artigos e resumos são protegidos pela Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610/98), sendo vedada a sua transcrição sem citação da fonte e a sua reprodução com finalidades comerciais sem autorização dos autores.

Adobe Acrobat Reader
É necessário o Adobe Acrobat Reader instalado.

Manual de Saúde Bucal na Doença Falciforme

Departamento de Atenção Especializada. Série A. Normas e Manuais Técnicos.
Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde .Brasília : Editora do Ministério da Saúde, 2005.
Número: 2044 / Publicado em 28/03/2012 - 22:07

A anemia falciforme é a doença hereditária mais comum no Brasil. A causa da doença é uma mutação de ponto no gene da globina beta da hemoglobina, originando no lugar da hemoglobina A (HbA) uma hemoglobina alterada denominada hemoglobina S (HbS). Em determinadas situações, essas moléculas podem sofrer polimerização, com falcização (assumindo forma de foice, daí o nome falciforme) das hemácias, ocasionando encurtamento da vida média dos glóbulos vermelhos, fenômenos de vasoclusão, episódios de dor e lesão de órgãos.

Abrir arquivo em PDF

Promoção da Saúde e Prevenção de Riscos e Doenças na Saúde Suplementar : Manual Técnico

Agência Nacional de Saúde Suplementar.
Ministério da Saúde 2. ed. rev. e atual. – Rio de Janeiro : ANS, 2007
Número: 2040 / Publicado em 28/03/2012 - 09:28

A publicação da segunda edição deste Manual constitui-se em uma das estratégias de indução para a reorganização do Modelo de Atenção à Saúde. Nessa perspectiva, o presente Manual Técnico visa qualificar as ações de atenção à saúde, propondo a integralidade da atenção, fornecendo suporte teórico e técnico para o planejamento e organização dos programas. Esperamos que esse trabalho sirva de inspiração e orientação para a implantação das ações de Promoção da Saúde e Prevenção de Riscos e Doenças no Setor Suplementar, através da disseminação de informações, a fim de qualificar a atenção e contribuir para a melhoria das condições de saúde da população brasileira.

Abrir arquivo em PDF

Venda de Medicamentos, Produtos e Serviços de Saúde via Internet

Organização Mundial de Saúde (OMS)
http://www.cvs.saude.sp.gov.br
Número: 2039 / Publicado em 28/03/2012 - 08:59

A popularização do acesso à Internet e a grande quantidade de informações sobre temas relacionados à saúde presentes na rede vem modificando notavelmente o conhecimento dos usuários sobre doenças e seus tratamentos. Paralelamente ao crescimento do número de informações confiáveis, baseadas em critérios científicos, notamos um aumento de informações dúbias, inconsistentes, tendo como único propósito o interesse comercial promocional.

Abrir arquivo em PDF

Resíduos de Medicamentos Experiência de Ações

Louise Jeanty de Seixas
Faculdade de Farmácia UFRGS
Número: 2035 / Publicado em 28/03/2012 - 08:29

O que diz a legislação sobre o destino dos medicamentos vencidos? Porque um usuário tem sobras e medicamentos vencidos em sua residência? Como este usuário descarta seus medicamentos? Há impactos ambientais causados pelo descarte? Que ações podem ser tomadas?

Abrir arquivo em PDF

Cartilha de Orientação para Descarte de Resíduos

Grupo de Gerenciamento de Resíduos da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo
http://medicina.fm.usp.br/gdc/docs/grss_2_cartilha.pdf
Número: 2034 / Publicado em 28/03/2012 - 08:15

A Diretoria Executiva da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), dos Laboratórios de Investigação Médica (LIMs) e a Diretoria do Serviço de Verificação de Óbitos da Capital (SVOC), comprometidas com as questões ambientais, com a segurança de sua força de trabalho e com o atendimento da legislação vigente, elaborou, juntamente com o Grupo de Gerenciamento de Resíduos, a Cartilha de Orientação de Descarte de Resíduos no Sistema FMUSP-HC. Esta tem por objetivo conscientizar as pessoas envolvidas quanto ao impacto e riscos do manejo inadequado dos resíduos produzidos pelos seus processos de trabalho, bem como orientar e padronizar o seu correto descarte.

Abrir arquivo em PDF

Proteção à Camada de Ozônio e Impactos na Saúde: O que Devemos Saber.

Ministério da Saúde e Ministério do Meio Ambiente - MS-MMA
http://solamigo.com.br/index.php?option=com_remository&Itemid=0&func=startdown&id=52
Número: 2032 / Publicado em 26/03/2012 - 09:59

A camada de ozônio (ozônio estratosférico) absorve parte da radiação ultravioleta do sol nociva à vida. Por causa dessa função, o ozônio estratosférico é considerado “ozônio bom”. Por outro lado, o ozônio na superfície, que é formado pelos poluentes, é considerado “mau ozônio” porque é nocivo à vida do homem, plantas e animais. Algum ozônio ocorre naturalmente na baixa atmosfera onde é benéfico porque remove alguns poluentes da atmosfera.

Abrir arquivo em PDF

As Lâmpadas Fluorescentes emitem Radiação Ultravioleta (R-UV) a Ponto de Causarem Riscos à Saúde?

Programa Sol Amigo
http://solamigo.com.br/index.php?option=com_content&task=view&id=152&Itemid=193
Número: 2029 / Publicado em 26/03/2012 - 09:26

Assim, com base em estudos realizados desde a década de 80, a conclusão de que as lâmpadas fluorescentes não emitem níveis significativos de R-UV e que não aumentam o risco para o desenvolvimento dos principais tipos de câncer de pele (CEC, CBC e melanoma) permanece até os dias de hoje. Podemos então concluir que a orientação do uso do protetor solar em ambientes iluminados com lâmpadas fluorescentes não possui sustentabilidade científica.

Abrir arquivo em PDF

Radiação Ultravioleta e Saúde Humana

Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais
http://satelite.cptec.inpe.br/uv/#/imgSig.jsp
Número: 2027 / Publicado em 26/03/2012 - 09:12

As reações da pele humana à exposição à Radiação UV (R-UV) podem ser classificadas como agudas (imediatas) ou crônicas (a longo prazo). As reações agudas, como queimaduras, bronzeamento e produção de vitamina D, se desenvolvem e desaparecem rapidamente; enquanto as crônicas, como fotoenvelhecimento e câncer de pele, têm aparecimento gradual e de longa duração. A diferença entre ambas as reações se deve, principalmente, ao histórico de exposição da pessoa e a diferentes comprimentos de onda da R-UV, uma vez que a R-UVB é cerca de 1000 vezes mais “agressiva” do que a R-UVA. Essa diferença faz com que a R-UVA tenha uma contribuição de somente 15 a 20% na quantidade de energia responsável pela queimadura.

Abrir arquivo em PDF

O que é Radiação Ultravioleta?

Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais
http://satelite.cptec.inpe.br/uv/#/imgSig.jsp
Número: 2026 / Publicado em 26/03/2012 - 08:56

A radiação ultravioleta (R-UV) é a parte do espectro eletromagnético referente aos comprimentos de onda entre 100 e 400nm. De acordo com a intensidade que a RUV é absorvida pelo oxigênio e ozônio e, também pelos efeitos fotobiológicos costuma-se dividir a região UV em três intervalos: UVA 320 - 400nm, UVB 280 - 320nm e UVC 100 - 280nm.

Abrir arquivo em PDF

Primeiros Socorros - Intoxicações Exógenas, Envenenamentos e Acidentes com Animais Peçonhentos - Cap 23

Manual do Atendimento Pré-Hospitalar – SIATE /CBPR
Coordenadoria Estadual de Defesa Civil - Governo do Estado do Paraná.
Número: 2019 / Publicado em 20/03/2012 - 19:52

Venenos são substâncias químicas que podem causar dano ao organismo. Os envenenamentos são, na sua maioria, acidentais, mas resultam também de tentativas de suicídio e, mais raramente, de homicídio. Não existem muitos antídotos (antagonistas específicos dos venenos) eficazes, sendo muito importante identificar a substância responsável pelo envenenamento o mais breve possível. Caso isso não seja possível no início, posteriormente devem ser feitas tentativas de obter informações (e/ou amostras) da substância e das circunstâncias em que ocorreu o envenenamento.

Abrir arquivo em PDF

Portal Saúde Direta - Footer
Atualizado em
17/06/2020
Saude-Direta-Facebook Saude-Direta-LinkedIN Saude-Direta-Twitter