Profissionais: 6968
Prontuários: 445688

Esqueceu a senha? Cadastro da senha

Portal Saude Direta - Busca Palavra

BUSCA POR PALAVRA

POSTAGENS ANTERIORES

TAGS CLOUD

Protocolos - Algoritmos - Diretrizes - Fluxogramas

Baixar o Adobe Acrobat Reader
Para visualizar os conteúdos abaixo é necessário ter o Adobe Acrobat Reader instalado.

Advertência: Estes artigos e resumos são protegidos pela Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610/98), sendo vedada a sua transcrição sem citação da fonte e a sua reprodução com finalidades comerciais sem autorização dos autores.

Critérios para Cirurgia de Ombro - Orientações para Tratamento Médico

Medical Treatment Guidelines
Washington State Department of Labor and Industries (L&I)
Número: 1840 / Publicado em 03/03/2012 - 21:09

Embora os médicos devem estar familiarizados com as orientações e seguir as recomendações, L&I também entende que as orientações não são difíceis e contém regras rápidas. Bom julgamento médico é importante para decidir como usar e interpretar essas informações.

Abrir arquivo em PDF

Preparação Segura, Armazenagem e Manuseio de Fórmula Infantil em Pó: Orientações - Safe Preparation, Storage and Handling of Powdered Infant Formula: Guidelines.

World Health Organization in collaboration with Food and Agriculture Organization of the United Nations
World Health Organization 2007
Número: 1839 / Publicado em 08/03/2012 - 07:03

Fórmula infantil em pó (PIF) tem sido associada com doença grave e morte em crianças devido a infecções por Enterobacter sakazakii. Durante a produção, PIF podem ser contaminadas com bactérias nocivas, tais como Enterobacter sakazakii e Salmonella enterica. Isto é porque, usando tecnologia de fabricação corrente, não é possível produzir PIF estéril. Durante a preparação da PIF, do manuseio inadequado pode agravar o problema.

Abrir arquivo em PDF

Orientações para a Utilização de Agentes Antimicrobianos 2011-2012 - Guidelines for Antimicrobial Usage 2011-2012

Department of Pharmacy - Department of Infectious Disease
Cleveland Clinic
Número: 1838 / Publicado em 08/03/2012 - 07:05

A maioria dos pacientes hospitalizados recebem antimicrobianos para o tratamento ou profilaxia durante a sua internação. Tem sido estimado que pelo menos 50 por cento dos pacientes recebem antimicrobianos desnecessariamente. As razões incluem a prescrição inadequada de profilaxia antimicrobiana, a continuação da terapia empírica apesar das culturas negativas em um paciente estável, e uma falta de consciência de padrões de susceptibilidade de patógenos comuns. Sobre a prescrição não só aumenta os custos dos cuidados de saúde, mas pode resultar em superinfecção devido a bactérias resistentes a antimicrobianos, bem como fungos oportunistas, e pode aumentar a probabilidade de uma reação adversa ao medicamento. Por outro lado, não prescrição (quando há uma necessidade urgente à cabeceira) pode também conduzir a consequências graves. Os materiais neste folheto constituem apenas orientações e estão sujeitos a alterações, nos termos do julgamento médico em relação às necessidades individuais do paciente. Nossas decisões de fórmulas antimicrobianos são feitas anualmente após deliberações cuidadosas e construção de consenso com os membros do Departamento de Doenças Infecciosas, do Departamento de Farmácia, e da Seção de Microbiologia. Dados in vitro de susceptibilidade do ano anterior são compartilhados e padrões de resistência emergentes analisados. Os dados de utilização e os custos são discutidos. A missão do nosso programa é proporcionar aos agentes mais custo-eficazes antimicrobianos para nossos pacientes. Este folheto não contém orientações específicas para o tratamento do vírus da imunodeficiência humana (HIV). Nem é profilaxia contra microorganismos oportunistas incluído, uma vez que tais questões são normalmente tratadas em clínicas de nossos pacientes ambulatoriais. Da mesma forma, o tratamento de doenças infecciosas comumente visto no ambulatório, tais como otite média e faringite, não estão incluídas neste livreto.

Abrir arquivo em PDF

Antibioticoterapia de Curta Duração Tão Efetiva quanto Tratamento Convencional para Faringite Estreptocócica em Crianças

Altamimi S et al.
Cochrane Reviews 2009, Issue 1.Article No. CD004872. DOI: 10.1002/ 14651858. CD004872.pub2.
Número: 1837 / Publicado em 29/02/2012 - 08:04

Tratamento de três a seis dias com antibioticoterapia via oral (macrolídeos, cefalosporina e amoxicilina) tem eficácia comparável a dez dias da duração-padrão de penicilina oral no tratamento de crianças com faringite estreptocócica aguda.

Abrir arquivo em PDF

Psicofármacos e Interações Medicamentosas

Odeilton Tadeu Soares
Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.
Número: 1836 / Publicado em 26/02/2012 - 14:45

O conhecimento das interações medicamentosas tem aumentado significativamente, graças ao maior conhecimento da biotransformação que os diversos medicamentos sofrem no organismo. O aumento do número e das indicações dos psicofármacos, com sua utilização cada vez maior em associações, levam à necessidade da sistematização do estudo das interações medicamentosas. Os efeitos de diversos medicamentos, quando administrados concomitantemente, podem não ser os mesmos efeitos previsíveis quando empregados isoladamente.

Abrir arquivo em PDF

II Diretriz de Avaliação Perioperatória da Sociedade Brasileira de Cardiologia

Gualandro DM, Yu PC, Calderaro D, Marques AC, Pinho C, Caramelli B, et al.
Arq Bras Cardiol 2011; 96(3 supl.1): 1-68.
Número: 1828 / Publicado em 04/02/2012 - 21:27

A coleta da história clínica é o primeiro ato na avaliação perioperatória. A anamnese realizada com o próprio paciente ou com seus familiares pode trazer à luz informações de condições clínicas determinantes na estimativa do risco cirúrgico. Os algoritmos de avaliação de risco perioperatório utilizam os dados obtidos através da história e do exame físico. O estudo dos registros médicos em prontuários e de fichas anestésicas é útil para resgatar informações prévias.

Abrir arquivo em PDF

Avaliação e Tratamento do Doente com Acne – Parte II: Tratamento Tópico, Sistémico e Cirúrgico, Tratamento da Acne na Grávida, Algoritmo Terapêutico.

Portuguese Acne Advisory Board (PAAB)
Rev Port Clin Geral 2011;27:66-76
Número: 1827 / Publicado em 04/02/2012 - 21:20

Nesta Parte II discute-se a abordagem terapêutica – tópica e sistémica – em cada forma clínica de acne, dando particular ênfase aos retinóides e aos antimicrobianos, e salientam-se as estratégias a adoptar para limitar a crescente resistência bacteriana aos antibióticos. Referem-se as indicações específicas para terapêutica hormonal e analisam-se as particularidades do tratamento da acne na grávida e lactante. Descrevem-se algumas técnicas para correcção das cicatrizes da acne. Por último, publica-se um algoritmo que pretende ilustrar a classificação da acne e definir, para cada tipo clínico, a abordagem terapêutica consensualmente recomendada.

Abrir arquivo em PDF

Algoritmo para o Tratamento do Diabetes Tipo II - Atualização 2011

Grupo de Educação e Controle do Diabetes do Centro Integrado de Hipertensão e Metabologia Cardiovascular do Hospital do Rim e Hipertensão da Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP.
Sociedade Brasileira de Diabetes - 2011
Número: 1823 / Publicado em 18/03/2012 - 16:17

Na prática, poucos médicos dependem de diretrizes e algoritmos de tratamento para suas decisões terapêuticas. Os cuidados com as pessoas com diabetes devem ser individualizados em consonância com abordagens mais específicas que incluem educação do paciente, probabilidade de aderência, efeitos colaterais e custos dos tratamentos prescritos, entre outros.

Abrir arquivo em PDF

Orientações para o Tratamento de Infecções Sexualmente Transmissíveis.

OMS
Organização Mundial de Saúde 2001, Genebra, Suíça
Número: 1819 / Publicado em 18/03/2012 - 16:16

As infecções sexualmente transmissíveis (IST) encontram-se entre as causas mais comuns de doença no mundo e têm, em muitos países, vastas consequências de natureza sanitária, social e económica.

Abrir arquivo em PDF

A Informação é o Melhor Remédio

GPROP – Gerência de Monitoramento e Fiscalização de Propaganda, de Publicidade, de Promoção e de Informação de Produtos sujeitos à Vigilância Sanitária.
Agência Nacional de Vigilância Sanitária. 2008.
Número: 1816 / Publicado em 12/01/2012 - 08:56

O que vale a pena saber sobre a propaganda e o uso de medicamentos.

Abrir arquivo em PDF

Footer - v1.3
Atualizado em
26/10/2019
Saude-Direta-Facebook Saude-Direta-LinkedIN Saude-Direta-Twitter