Profissionais: 6968
Prontuários: 445683

Esqueceu a senha? Cadastro da senha

Portal Saude Direta - Busca Palavra

BUSCA POR PALAVRA

POSTAGENS ANTERIORES

TAGS CLOUD

Protocolos - Algoritmos - Diretrizes - Fluxogramas

Baixar o Adobe Acrobat Reader
Para visualizar os conteúdos abaixo é necessário ter o Adobe Acrobat Reader instalado.

Advertência: Estes artigos e resumos são protegidos pela Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610/98), sendo vedada a sua transcrição sem citação da fonte e a sua reprodução com finalidades comerciais sem autorização dos autores.

Utilização de Medicamentos e Risco de Interações Medicamentosas em Idosos Atendidos pelo Programa de Atenção ao Idoso da Unijuí

Bueno, C.S.; Oliveira, K.R.; Berlezi, E.M.; Eickhoff, H.M.; Dallepiane, L.B.; Girardon-Perlini, N.M.O.; Mafalda, A.
Rev Ciênc Farm Básica Apl., 2009;30(3):331-338
Número: 217 / Publicado em 16/06/2012 - 21:39

Idosos utilizam elevado número de medicamentos, apresentando alto potencial para desenvolver interações medicamentosas. Objetivou-se verificar o perfil de utilização de medicamentos e conhecer possíveis interações medicamentosas em idosos acompanhados pelo Programa de Atenção ao Idoso (PAI) da Unijuí. Os dados foram coletados em julho de 2009.

Abrir arquivo em PDF

Interações Medicamentosas: Analgésicos, Antiinflamatórios e Antibióticos (Parte II)

Bergamaschi et al.
Rev. Cir. Traumatol. Buco-Maxilo-fac., Camaragibe v.7, n.2, p. 9 - 18, abr./jun. 2007
Número: 215 / Publicado em 16/06/2012 - 21:12

Os autores discutem se essas associações comprometem a eficácia dos medicamentos e em que situações essas interações devem ser evitadas. Recomendações e precauções são também fornecidas com o objetivo de prevenir estas complicações.

Abrir arquivo em PDF

Avaliação de Interações Medicamentosas de Antidepressivos e Antipsicóticos em Pacientes submetidos à Farmacoterapia Antirretroviral.

Aline Alves Morera Sisca; Ângela Rodrigues Porto; Jaqueline Rocha B. dos Santos
ConScientiae Saúde, 2009;8(2):345-351.
Número: 214 / Publicado em 16/06/2012 - 21:13

A depressão, assim como a psicose decorrente dessa condição, é um fenômeno observado em pacientes HIV positivos que pode interferir na adesão ao tratamento antirretroviral. Uma vez identificado este problema, surge nova preocupação na administração de outro fármaco, quer antidepressivo, quer antipsicótico, ao esquema terapêutico desses pacientes.

Abrir arquivo em PDF

Implementação de um Programa para evitar possíveis Interações Fármaco-Alimento em Pacientes Adultos Internados em Unidades Clínicas e Cirúrgicas de um Hospital Universitário

Magedanz, Lucas; Jacoby, Thalita; Silva, Daiandy da; Santos, Luciana dos; Martinbiancho, Jacqueline; Zuckermann, Joice
Rev. HCPA & Fac. Med. Univ. Fed. Rio Gd. do Sul;29(1): 29-32, maio 2009. ilus
Número: 213 / Publicado em 16/06/2012 - 21:14

A alta incidência de prescrições contendo medicamentos possíveis de interagir com os alimentos demonstra a necessidade de um sistema que disponibilize, sistematicamente, as orientações relacionadas à correta administração dos medicamentos.

Abrir arquivo em PDF

Polifarmácia: Interações e Reações Adversas no Uso de Medicamentos por Idosos (RAM).

Silvia Regina Secoli.
Rev Bras Enferm, Brasília 2010 jan-fev; 63(1): 136-40.
Número: 212 / Publicado em 16/06/2012 - 21:16

O artigo tem por objetivo refletir sobre a polifarmácia em idosos com ênfase nas reações adversas e nas interações medicamentosas. A vulnerabilidade dos idosos aos problemas decorrentes do uso de medicamentos é bastante alta, o que se deve a complexidade dos problemas clínicos, à necessidade de múltiplos agentes terapêuticos e às alterações farmacocinéticas e farmacodinâmicas inerentes ao envelhecimento. Deste modo, racionalizar o uso de medicamentos e evitar os agravos advindos da polifarmácia serão, sem dúvida, um dos grandes desafios da saúde pública desse século.

Abrir arquivo em PDF

Medicamentos Anti-Retrovirais e Drogas Recreativas: Interações Medicamentosas.

Marcia Rachid e Mauro Schechter
Secretaria de Saúde do Estado do Rio de Janeiro
Número: 211 / Publicado em 16/06/2012 - 21:20

Com o advento da terapia anti-retroviral potente, houve redução da mortalidade e da morbidade associadas à infecção pelo HIV. Devido ao maior tempo de vida também se tornou maior a probabilidade do uso concomitante de outras drogas, incluindo as chamadas “recreativas”, que nunca foram abandonadas ou que voltaram a fazer parte das atividades daqueles que deixaram de se sentir sob risco iminente de morte.

Abrir arquivo em PDF

Reações Adversas a Medicamentos (RAM).

José Gilberto Pereira.
Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos/MS - FTN.
Número: 209 / Publicado em 16/06/2012 - 21:22

A Organização Mundial da Saúde (OMS) define reação adversa a medicamento (RAM) como sendo “qualquer resposta prejudicial ou indesejável e não intencional que ocorre com medicamentos em doses normalmente utilizadas no homem para profilaxia, diagnóstico, tratamento de doença ou para modificação de funções fisiológicas”. Não são consideradas reações adversas os efeitos que ocorrem após o uso acidental ou intencional de doses maiores que as habituais (toxicidade absoluta).

Abrir arquivo em PDF

Avaliação do Conhecimento Sobre Interações Medicamentosas entre os Médicos Residentes de um Hospital Universitário do Sistema Único de Saúde Brasileiro.

Marcelo Cosendey, Cleni Veroneze, Priscila Oliveira, Rafaela Espindola
Hospital da Clínica - UFPR - 2007
Número: 208 / Publicado em 16/06/2012 - 21:23

Considerando os resultados alcançados nessa pesquisa, ficaram claras algumas situações problemáticas que provavelmente impactam de forma significativa sobre a morbi-mortalidade e os custos hospitalares. A primeira delas se refere à insegurança e ao conhecimento insuficiente por parte dos médicos recém formados ao prescreverem medicamentos rotineiramente usados na prática clínica hospitalar. Esse fato provavelmente está diretamente relacionado à pequena relevância da disciplina de farmacologia básica na grade curricular - tanto que alguns residentes nem lembravam sua duração – bem como à inexistência da disciplina de farmacologia clínica e terapêutica na graduação médica.

Abrir arquivo em PDF

Interações Medicamentosas: Fatores Relacionados ao Paciente.

Gilson Cesar Nobre Franco, Karina Cogo, Michelle Franz Montan, Cristiane de Cássia Bergamaschi, Francisco Carlos Groppo, Maria Cristina Volpato, Eduardo Dias de Andrade, Pedro Luiz Rosalen
Rev. Cir. Traumatol. Buco-Maxilo-fac., Camaragibe v. 7, n. 1, p. 17 - 28, jan./mar. 2007
Número: 207 / Publicado em 16/06/2012 - 21:24

Este trabalho busca identificar possíveis interações medicamentosas que são relevantes para a terapêutica medicamentosa adotada na prática odontológica. As interações decorrentes de fatores individuais patologias, idade, obesidade, etc) e da associação de dois ou mais medicamentos (medicamento-medicamento) serão revisadas e discutidas em uma série de três artigos. O primeiro avaliará os principais fatores relacionados ao indivíduo, dentre eles, fatores, como alterações nos níveis de proteínas plasmáticas, problemas renais, problemas hepáticos, idade e obesidade. As interações do tipo medicamento-medicamento para os fármacos antiinflamatórios/antibióticos e ansiolíticos/anestésicos locais serão abordadas no segundo e no terceiro artigo, respectivamente.

Abrir arquivo em PDF

Fatores Associados às Interações Medicamentosas Potenciais e aos Eventos Adversos a Medicamentos em uma Unidade de Terapia Intensiva.

Adriano Max Moreira Reis
Tese de Doutorado - 2009 - Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo
Número: 206 / Publicado em 16/06/2012 - 20:54

A farmacoterapia complexa com múltiplos medicamentos aumenta a probabilidade de interações medicamentosas (IM) e eventos adversos a medicamentos (EAM) em pacientes de unidade de terapia intensiva (UTI).

Abrir arquivo em PDF

Footer - v1.3
Atualizado em
26/10/2019
Saude-Direta-Facebook Saude-Direta-LinkedIN Saude-Direta-Twitter