Profissionais: 6957
Prontuários: 439503

Esqueceu a senha? Cadastro da senha

Portal Saude Direta - Busca Palavra

BUSCA POR PALAVRA

POSTAGENS ANTERIORES

TAGS CLOUD

Protocolos - Algoritmos - Diretrizes - Fluxogramas

Baixar o Adobe Acrobat Reader
Para visualizar os conteúdos abaixo é necessário ter o Adobe Acrobat Reader instalado.

Advertência: Estes artigos e resumos são protegidos pela Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610/98), sendo vedada a sua transcrição sem citação da fonte e a sua reprodução com finalidades comerciais sem autorização dos autores.

Diretrizes para Testes Domiciliares em Tratamento Primário: Instrução, Integração, Informação, Limitações e Indicações.

Nam K. Tran, BS, e Gerald J. Kost, MD, PhD
Point of Care . Volume 5, Number 4, December 2006
Número: 1329 / Publicado em 22/06/2012 - 10:30

A conveniência e a utilidade dos testes domiciliares explicam seu vigoroso crescimento no século 21. Os testes domiciliares rápidos, econômicos e objetivos, proporcionam aos pacientes a capacidade de detectar, monitorar e agir em relação a doenças e condições adversas à saúde. Os pacientes podem acompanhar melhor seus problemas médicos e associam-se aos profissionais da saúde. Instruções e treinamento possibilitam a proficiência dos pacientes. As enfermeiras proporcionam tratamento integrado e continuado, de casa ao hospital, e vice-versa. Os médicos controlam o tratamento e assumem a responsabilidade por seu resultado.

Abrir arquivo em PDF

Saúde e Economia - Epilepsia.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária.
Saúde e Economia - Ano 3 número 5 - Abril de 2011.
Número: 1328 / Publicado em 22/06/2012 - 10:30

Epilepsia é uma doença caracterizada por muitos sintomas resultantes de uma variedade de desordens cerebrais. Estima-se que 50 milhões de pessoas no mundo sofram dessa doença, sendo a epilepsia parcial a mais comum (ocorre em cerca de 60% dos casos). Dependendo do tipo de crise epiléptica, a patologia pode estar relacionada a altos índices de morbimortalidade.

Abrir arquivo em PDF

Saúde e Economia - Hipertensão Arterial.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária.
Saúde e Economia - Ano 2 número 4 - Junho de 2010.
Número: 1327 / Publicado em 22/06/2012 - 10:33

A hipertensão arterial, popularmente conhecida como pressão alta, é na maior parte dos casos assintomática, sendo um fator de risco para doenças cardiovasculares, cerebrovasculares e renais. Dentre os hipertensos, 75% recorrem ao Sistema Único de Saúde (SUS) para serem atendidos na rede de Atenção Básica. Além disso, a hipertensão é uma das causas mais frequentes de internação hospitalar.

Abrir arquivo em PDF

Saúde e Economia - Refluxo Gastroesofágico.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária.
Saúde e Economia - Ano 2 número 3 - Março de 2010
Número: 1326 / Publicado em 22/06/2012 - 10:33

A doença de refluxo gastroesofágico é crônica e altamente prevalente. É caracterizada por pirose (azia ou queimação no estômago) e regurgitação ácida.

Abrir arquivo em PDF

Saúde e Economia - Glaucoma.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária.
Saúde e Economia - Ano 1 número 2 - Novembro de 2009.
Número: 1325 / Publicado em 22/06/2012 - 10:34

O glaucoma é a segunda maior causa de cegueira no mundo. Há vários tipos de glaucoma, sendo o mais prevalente o glaucoma de ângulo aberto.

Abrir arquivo em PDF

Saúde e Economia - Osteoporose.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária.
Saúde e Economia - Ano 1 número 1 - Agosto de 2009
Número: 1324 / Publicado em 22/06/2012 - 10:35

A osteoporose é uma doença silenciosa até ser complicada por fraturas, que podem ocorrer após um trauma mínimo. É caracterizada por perda da massa, deterioração do tecido, desarranjo da arquitetura e comprometimento da força óssea com aumento no risco de fratura. Mais de 1/3 das mulheres adultas terão uma ou mais fraturas causadas por osteoporose.

Abrir arquivo em PDF

Orientações para Prevenção de Infecção Primária de Corrente Sanguínea.

Gerência Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde - GGTES.
Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Setembro de 2010.
Número: 1323 / Publicado em 22/06/2012 - 10:35

As infecções primárias de corrente sanguínea (IPCS) estão entre as mais comumente relacionadas à assistência à saúde. Estima-se que cerca de 60% das bacteremias nosocomiais sejam associadas a algum dispositivo intravascular. Dentre os mais freqüentes fatores de risco conhecidos para IPCS, podemos destacar o uso de cateteres vasculares centrais, principalmente os de curta permanência.

Abrir arquivo em PDF

Manual de Microbiologia Clínica para o Controle de Infecção em Serviços de Saúde. Introdução.

Gerência de Investigação e Prevenção das Infecções e dos Eventos Adversos.
Agência Nacional de Vigilância Sanitária.
Número: 1322 / Publicado em 22/06/2012 - 10:36

Uma das maiores preocupações na área de saúde é a alta incidência de infecção hospitalar ou nosocomial, isto é, infecção adquirida em ambientes hospitalares durante a internação ou após a alta do paciente, quando este esteve hospitalizado ou passou por procedimentos médicos.

Abrir arquivo em PDF

Procotolo de Administração de Quimioterápicos Antineoplásicos.

Universidade Federal do Triângulo Mineiro.
http://www.uftm.edu.br/paginas/hospitalclinicas/cod/39/t/PROTOCOLOS
Número: 1318 / Publicado em 22/06/2012 - 10:43

Pretende-se, com as diretrizes assistenciais descritas no presente protocolo, contribuir para a segurança dos profissionais que administram tais drogas, como também a do cliente, assegurando desse modo, a qualidade da assistência prestada.

Abrir arquivo em PDF

Recomendações para Terapia Anti-retroviral em Adultos Infectados pelo HIV.

Programa Nacional de DST e Aids.
Ministério da Saúde - Secretaria de Vigilância em Saúde - Brasília - DF - 2008
Número: 1317 / Publicado em 22/06/2012 - 10:44

A infecção pelo HIV-1 cursa com amplo espectro de apresentações clínicas, desde a fase aguda (que pode ser assintomática, oligossintomática ou se manifestar como síndrome retroviral aguda), até a fase avançada da doença, com as manifestações definidoras da síndrome da imunodeficiência (aids). Em indivíduos não-tratados, estima-se em dez anos o tempo médio entre o contágio e o aparecimento da doença.

Abrir arquivo em PDF

Footer - v1.3
Atualizado em
26/10/2019
Saude-Direta-Facebook Saude-Direta-LinkedIN Saude-Direta-Twitter