Profissionais: 6956
Prontuários: 439076

Esqueceu a senha? Cadastro da senha

Portal Saude Direta - Busca Palavra

BUSCA POR PALAVRA

POSTAGENS ANTERIORES

TAGS CLOUD

Protocolos - Algoritmos - Diretrizes - Fluxogramas

Baixar o Adobe Acrobat Reader
Para visualizar os conteúdos abaixo é necessário ter o Adobe Acrobat Reader instalado.

Advertência: Estes artigos e resumos são protegidos pela Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610/98), sendo vedada a sua transcrição sem citação da fonte e a sua reprodução com finalidades comerciais sem autorização dos autores.

Criança de 2 meses a 5 anos de Idade: Abordagem da Criança com Infecções Respiratórias Superiores, Avaliações Periódicas da Criança, Pirâmide Alimentar. (Anexo)

Atenção Integrada às Doenças Prevalentes na Infância (AIDPI).
Organização Mundial da Saúde/Organização Pan-Americana da Saúde.
Número: 741 / Publicado em 19/06/2012 - 08:11

A Organização Mundial da Saúde/Organização Pan-Americana da Saúde (OMS/OPS) e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) formularam a estratégia de Atenção Integrada às Doenças Prevalentes na Infância (AIDPI) com o objetivo de reduzir a morbidade e mortalidade em crianças com menos de cinco anos de idade e de melhorar a qualidade da atenção que lhes é prestada nos serviços de saúde e no lar.

Abrir arquivo em PDF

Análise Crítica das Recomendações da Associação Americana de Diabetes para Doença Cardiovascular no Diabetes melito.

Ana Luiza Teixeira dos Santos; Tanara Weiss; Camila Kümmel Duarte; Mirela J. de Azevedo; Themis Zelmanovitz
Arq Bras Endocrinol Metab vol.53 no.5 São Paulo July 2009
Número: 676 / Publicado em 18/06/2012 - 20:06

A doença cardiovascular (DCV) é a principal causa de mortalidade em pacientes com diabetes melito (DM), sendo essencial a intervenção dietética no manejo dessa complicação. O objetivo deste manuscrito foi revisar as evidências científicas que fundamentam as recomendações dietéticas da American Diabetes Association (ADA) para prevenção e tratamento da DCV nos pacientes com DM. As diretrizes da ADA baseiam-se, em sua maioria, em estudos com pacientes com DCV, porém sem DM. Nos pacientes com DM, um aumento na ingestão de peixe e de fibras solúveis são as recomendações dietéticas com benefício comprovado. Embora o DM possa ser considerado um equivalente de DCV estabelecida, a adoção das recomendações dietéticas de pacientes sem DM e com DCV para todos pacientes com DM é questionável - em especial quando são consideradas as peculiaridades da DCV no DM. Ensaios clínicos aleatorizados em pacientes com DM deverão fundamentar melhor os benefícios das intervenções dietéticas sobre a DCV.

Abrir arquivo em PDF

Abordagem das Lesões de Tendões Flexores na Zona II.

Fukushima, Walter Yoshinori; Fujiki, Edison Noboru; Ruggiero, Gustavo Mantovani; Cho, Álvaro Baik; Aita, Márcio Aurélio; Abdouni, Yussef Ali
Arq. bras. ciênc. saúde;35(1)jan.-abr. 2010.
Número: 629 / Publicado em 18/06/2012 - 19:51

A restauração de lesões nos tendões flexores da zona II é um procedimento difícil devido à sua complexidade anatômica, facilidade de formar aderências e dificuldade de estabelecer protocolos de reabilitação que reduzam o número de rupturas. O objetivo deste trabalho foi atualizar o tratamento cirúrgico das lesões nos tendões flexores da zona II.

Abrir arquivo em PDF

Métodos Farmacológicos de Indução do Trabalho de Parto: Qual o melhor?

Souza, Alex Sandro Rolland; Amorim, Melania Maria Ramos; Noronha Neto, Carlos.
Femina;38(5)maio 2010.
Número: 628 / Publicado em 18/06/2012 - 19:13

A indução do parto consiste em estimular artificialmente as contrações uterinas coordenadas e efetivas antes de seu início espontâneo, levando ao desencadeamento do trabalho de parto em mulheres que ultrapassaram a 22ª semana de gravidez. A antecipação do parto pode ser necessária em diversas situações obstétricas, como gestação prolongada, diabetes, ruptura prematura das membranas e pré-eclâmpsia. Estima-se que mais de 15% de todas as gestantes apresentem alguma indicação de indução do parto.

Abrir arquivo em PDF

Avaliação da Farmacoterapia Anti-Hipertensiva em Pacientes Diabéticos Atendidos no Sistema Único de Saúde (SUS) na Rede Municipal de Saúde de Salto Grande, SP.

Obreli Neto, P. R; Franco, W. P. G; Cuman, R. K. N.
Rev. ciênc. farm. básica apl;30(3)dez. 2009.
Número: 619 / Publicado em 18/06/2012 - 19:25

Este trabalho objetivou avaliar o padrão de prescrição de medicamentos anti-hipertensivos e os níveis pressóricos de pacientes diabéticos hipertensos atendidos na Unidade Básica de Saúde. O padrão de prescrição de anti-hipertensivos para estes pacientes segue parcialmente as recomendações baseadas em evidências existentes, ocorrendo algumas escolhas de monoterapia, posologia de medicamentos e terapias medicamentosas em associação irracionais, sendo extremamente importante a adoção de estratégias educativas junto aos clínicos gerais para melhorar o tratamento medicamentoso dos diabéticos hipertensos atendidos na UBS "Cidinha Leite".

Abrir arquivo em PDF

Rediscutindo o Uso de Betabloqueadores na Hipertensão.

Lenita Wannmacher.
Organização Pan-Americana da Saúde/ Organização Mundial da Saúde - Brasil, 2007.
Número: 575 / Publicado em 18/06/2012 - 10:40

Todos os anti-hipertensivos reduzem a pressão arterial (por definição), com conseqüente declínio do risco cardiovascular. Porém, existem diferenças entre os medicamentos, relativas a redução de doença em órgão-alvo e prevenção de eventos cardiovasculares maiores. Mesmo havendo amplo arsenal de anti-hipertensivos, hipertensão e riscos concomitantes permanecem não controlados na maioria dos pacientes.

Abrir arquivo em PDF

Tratamento Medicamentoso Antitabagismo.

Lenita Wannmacher.
Organização Pan-Americana da Saúde/ Organização Mundial da Saúde - Brasil, 2007.
Número: 574 / Publicado em 18/06/2012 - 10:41

A OMS estima que um terço da população mundial adulta, isto é, um bilhão e duzentos milhões de pessoas (entre as quais 200 milhões de mulheres), sejam fumantes. Aproximadamente 47% de toda a população masculina e 12% da população feminina no mundo fumam. Enquanto nos países em desenvolvimento os fumantes constituem 48% da população masculina e 7% da população feminina, nos países desenvolvidos a participação das mulheres chega a 15%. A população masculina global de fumantes está em lento declínio, porém se estima que a epidemia em mulheres atinja um pico no século 21, com estimativa de que haja 532 milhões de mulheres fumantes em 2025.

Abrir arquivo em PDF

Protocolo de Avaliação e Controle dos Casos de Escabiose.

Fernando Gatti de Menezes; Vanessa Maria da Silva de Poli Correa; Luci Correa; Jacyr Pasternak.
Hospital Israelita Albert Einstein - Junho – 2010.
Número: 558 / Publicado em 18/06/2012 - 10:34

Descreve as ações referentes à avaliação e controle dos casos de escabiose nos idosos atendidos no Residencial Israelita Albert Einstein, durante sua permanência na instituição, assim como as orientações para os contatos.

Abrir arquivo em PDF

Abordagem Inicial na Doença Hipertensiva Específica da Gravidez e Hellp Síndrome.

Diretrizes Assistenciais - HIAE
Hospital Israelita Albert Einstein - Junho – 2010
Número: 546 / Publicado em 18/06/2012 - 10:01

Frente à uma paciente hipertensa, após detalhada anamnese, exame clínico e tocoginecológico, o obstetra deve solicitar exames.

Abrir arquivo em PDF

Uso Abusivo de Benzidamina no Brasil: uma Abordagem em Farmacovigilância.

Mota DM et al.
Ciência & Saúde Coletiva, 15(3):717-724, 2010
Número: 536 / Publicado em 18/06/2012 - 09:47

Dentre os medicamentos, objeto de abuso e que causam dependência física e/ou psíquica, incluem-se os barbitúricos, benzodiazepínicos, analgésicos opióides e anfetaminas. Os analgésicos, antitérmicos e antiinflamatórios não esteroidais, apesar de não fazerem parte dessa relação de fármacos, estão, geralmente, associados ao uso recreativo ou fins não terapêuticos. O objetivo deste ensaio é apresentar informações sobre o uso abusivo de benzidamina no Brasil.

Abrir arquivo em PDF

Footer - v1.3
Atualizado em
26/10/2019
Saude-Direta-Facebook Saude-Direta-LinkedIN Saude-Direta-Twitter