Profissionais: 5426
Prontuários: 199317

Esqueceu a senha? Cadastro da senha

Portal Saude Direta - Busca Palavra

BUSCA POR PALAVRA

POSTAGENS ANTERIORES

TAGS CLOUD

Protocolos - Algoritmos - Diretrizes - Fluxogramas

Baixar o Adobe Acrobat Reader
Para visualizar os conteúdos abaixo é necessário ter o Adobe Acrobat Reader instalado.

Advertência: Estes artigos e resumos são protegidos pela Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610/98), sendo vedada a sua transcrição sem citação da fonte e a sua reprodução com finalidades comerciais sem autorização dos autores.

Tromboflebite Superficial: Epidemiologia, Fisiopatologia, Diagnóstico e Tratamento

Marcone Lima Sobreira, Winston Bonneti Yoshida, Sidnei Lastória
J Vasc Bras 2008, Vol. 7, Nº 2
Número: 2850 / Publicado em 05/11/2014 - 10:12

A tromboflebite superficial de membros inferiores é doença de ocorrência comum, estando associada a diversas condições clínicas e cirúrgicas. Historicamente considerada doença benigna, devido à sua localização superficial e ao fácil diagnóstico, o tratamento foi conservador durante muito tempo, na maioria dos casos. Entretanto, relatos recentes de freqüências altas de complicações tromboembólicas associadas – 22 a 37% para trombose venosa profunda e até 33% para embolia pulmonar – alertaram para a necessidade de abordagens diagnósticas e terapêuticas mais amplas, visando diagnosticar e tratar essas possíveis complicações.

Abrir arquivo em PDF

Fisiopatologia do Melasma

Miot LDB, Miot HA, Silva MG, Marques MEA
An Bras Dermatol. 2009;84(6):623-35.
Número: 2844 / Publicado em 09/09/2014 - 13:34

Melasma é uma dermatose comum que cursa com alteração da cor da pele normal, resultante da hiperatividade melanocítica focal epidérmica de clones de melanócitos hiperfuncionantes, com consequente hiperpigmentação melânica induzida, principalmente, pela radiação ultravioleta. Clinicamente, caracteriza-se por manchas acastanhadas, localizadas preferencialmente na face, embora possa acometer também região cervical, torácica anterior e membros superiores.

Abrir arquivo em PDF

Urologia Fundamental: Capítulo 12 - Fisiopatologia e Tratamento Clínico da Litíase Urinária.

Valdemar Ortiz, Cláudio Ambrogini.
Sociedade Brasileira de Urologia - SBU 2010.
Número: 1552 / Publicado em 10/03/2012 - 18:05

Embora a fisiopatologia da litíase renal ainda seja repleta de questões e não exista um processo único e universal de formação que se aplique a todos os cálculos e pacientes, o modo como um mineral se acumula numa solução e se torna um cálculo clinicamente evidente parece ser semelhante.

Abrir arquivo em PDF

Fisiopatologia da Asma Grave.

Ana Todo-Bom, Anabela Mota Pinto.
Rev Port Imunoalergol. 2006;14(Supl 2):43-8
Número: 1534 / Publicado em 18/03/2012 - 17:59

A asma é, por definição, uma doença inflamatória crónica das vias aéreas caracterizada por uma obstrução brônquica generalizada mas variável que é, pelo menos parcialmente, reversível espontaneamente ou através de intervenção farmacológica e que está associada a um aumento de reactividade a vários estímulos.

Abrir arquivo em PDF

Fisiopatologia do Câncer - Capítulo 2.

Políticas Públicas de Saúde - INCA.
Ministério da Saúde.
Número: 1484 / Publicado em 21/06/2012 - 10:30

Neste capítulo, pretende-se abordar de forma sintética as alterações morfológicas e funcionais apresentadas pelas células dos tumores malignos. Para tanto, com o propósito de facilitar a compreensão dessas alterações, assinalam-se alguns postulados referentes ao comportamento biológico das células normais.

Abrir arquivo em PDF

Footer - v1.3
Atualizado em
04/02/2016
Saude-Direta-Facebook Saude-Direta-LinkedIN Saude-Direta-Twitter